Pular para o conteúdo principal

FALTA O QUÊ? >> Albir José Inácio da Silva

Na iminência da prisão de um ex-presidente e dos presidentes da Câmara, do Senado e do Partido, manobra-se agora para salvar couros, mandatos e reputações . As ruas não ajudam: emudecem as panelas - assombradas com o monstro que criaram - e grita-se não ao golpe.

Tem pressa o golpe. Sabe que é insustentável do ponto de vista da legitimidade, mas precisa desmontar algumas políticas públicas alçadas ao patamar constitucional. É um braseiro. A cada medida desmanteladora, a grita nacional e internacional obriga ao recuo do temeroso e assustado interino.

Ele recua quando gritos e vaias impedem seu deslocamento pelo território nacional, mas volta à carga quando silenciam. É longa a pauta de desmonte e ele vai tentar impor o máximo que puder.

Foi assim com o ministério da cultura, considerado perigoso por promover a temida cultura – sempre um entrave ao golpe pacífico e eficaz.

Para a secretaria de mulheres foi uma mulher contrária ao aborto em casos de estupro, num perigo de retrocesso de setenta e seis anos, já que essa proteção à vítima foi contemplada no Código Penal de 1940.

De resto, as mulheres foram excluídas do ministério porque o machismo as quer belas, recatadas e do lar.

O ministro do trabalho quer flexibilizar a CLT, ameaçando conquistas desde Vargas, para agradar empresários, impondo salário menor com a terceirização e recolocando as empregadas domésticas no seu “devido lugar” – o que atende à vontade das “panelas” hoje silenciosas.

O ministro da saúde, cuja campanha para deputado foi financiada pelos planos de saúde, promove o desmantelamento do SUS e do programa mais médicos por motivos óbvios demais para serem expressos.

Contrário às cotas e ao ensino público e gratuito, o ministro da educação ouve escolas particulares e atores pornô.

Na pasta da justiça, o titular é contra movimentos e manifestações por justiça social, que ele chama de atos de guerrilha. Enquanto isso, um policial condenado, preso, solto, aposentado com fraude, reintegrado, vaza informações sigilosas, é recondenado, represo, ressolto, continua trabalhando e prendendo pessoas, usando, ele próprio, tornozeleira eletrônica.

Alguém poderia argumentar que ainda faltam fundamentalistas, racistas e homofóbicos nas secretarias de promoção de igualdade religiosa, racial e de gênero. Mas até quando?

Falta, isto sim, para brindar esse momento triste de nossa história, a frase com que Jarbas Passarinho abençoou o AI-5 em tempos igualmente sombrios.

Passarinho morreu na semana passada, mas os quase-presos por corrupção e o presidente interino, condenado e inelegível, parecem declamar em uníssono jogral:


- Às favas todos os escrúpulos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …