Pular para o conteúdo principal

TARTARUGA MARINHA >> Sergio Geia





Foi na semana que passei em Lauro de Freitas. O tempo amanheceu indeciso. Uma manhã cinza, mas clara. De repente, sol; ardido de queimar as costelas. Depois, chuva. Passou a chuva, voltou o sol. Eu, bobo que não sou, já tinha reparado o mar, as nuvens escuras que se avolumavam no horizonte, a circularidade temporal que se apresentava. Batata. Logo depois, mais chuva, dessa vez densa, incansável, aflita.

De modo que à tarde estávamos meio sem saber o que fazer e o que esperar do tempo. Almoçamos bem e vimos com alegria surgir o sol, como um rei. Tomamos um sorvete no centro e, vendo que o reinado se apresentava ensolarado de vez, seguimos à pé até a praia de Vilas.

Andávamos pela areia e não tínhamos nem pressa nem destino. Pois deve saber, amigo leitor, que o caminhar que realmente vale a pena, que beneficia o ser humano, é o caminhar assim, sem pressa e sem destino. A principal utilidade desse caminhar é o próprio caminhar. E quando ladeia o mar, bem melhor. Na vida, perdemos a conta de quantas vezes andamos pra lá e para cá feito um vira-lata. Na maioria das vezes, um andar apressado, desatento, inútil.

A praia de Vilas tem esse nome porque existe um condomínio construído bem à sua frente, de nome Villas do Atlântico. A areia é fina, boa de caminhar; existem muitas pedras no mar que dificultam o banho. Há quiosques, baianas vendendo acarajé, mocinhas alugando guarda-sóis e cadeiras. Durante semana é vazia e agradável; nos fins de semana, um pouco mais cheia e não menos agradável.

Concentrados no espocar das ondas, fomos surpreendidos pela visão de um filhote de tartaruga do mar andando pela areia. Ele ia bem devagar; andava um pouco, depois parava; em seguida, retomava a andança. Diferentemente de nós, o filhote tinha um destino: o mar.

Segundo dizem, a mãe tartaruga sai do mar e põe ovos que depois vão arrebentar, nascendo os filhotes. Eles se ajudam e, à noite, alcançam o mar. São pequenos e frágeis, por isso, facilmente devorados por caranguejos, aves marinhas, polvos e peixes. Alguns morrem de fome ou doenças naturais. De cada mil, apenas um ou dois sobrevivem. Depois de adultos, seu grande algoz é o homem.

A pobre criaturinha, frágil como uma pétala, solitária como um viajante, sem mãe nem pai, nem irmãos, que na certa, à noite, já tinham puxado o carro, andava claudicante em busca de seu destino. Num certo momento ela parou, feito onça-pintada quando enxerga a presa e não quer assustá-la. Ficamos ali esperando pra ver o que acontecia. Depois de alguns minutos, não tive dúvidas: peguei-a, levei-a ao mar, porém, já era tarde.

Ilustração: www.tartarugas.avph.com.br

Comentários

Zoraya disse…
Que belíssimo texto, Sergio! Conseguir começar falando de caminhadas a esmo e terminar com a caminhada rumo à vida é sem dúvida coisa de mestre. E triste sem ser piegas. Tá cada vez melhor
sergio geia disse…
Grato pelo carinho, Zoraya.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …