Pular para o conteúdo principal

SOBRE A GANA DOS TAMANDUÁS >> André Ferrer

A cena remetia à melhor história de Dalton Trevisan: Uma vela para Dario. Corpo estendido. Roda de gente. Lamentos por um anônimo.

"Empatia. Falta empatia nos homens de hoje."

"Seres irracionais!"

"Sim. Coloquemo-nos no lugar do outro."

Naquelas três bocas, o vapor empurrava as palavras. Um fumo branco e fátuo, que se dispersava nos ares da manhã invernal. Então, aproximei-me. Vi os pés ressecados. As únicas partes humanas à mostra. Que alma boa, minutos atrás, cobrira o defunto com a Folha de São Paulo!

Revirado no estômago, eu conservei os olhos na página que escondia os tornozelos e estampava as mais recentes descobertas no ramo da entomologia. Eu tinha lido a matéria na véspera e concordava com quase todos os aspectos da ideia de sociedades artrópodes defendida pelo autor.

As formigas têm o seu equivalente do que chamamos de razão, mas é algo imponderável: não conseguimos nem qualificar nem quantificar uma coisa dessas. O mecanismo evolucionário provê cada ser segundo as necessidades emergentes no contato com o mundo. Bastaria, então, sabermos algo do ponto de vista das formigas, o que, convenhamos, iria muito além de uma simples adaptação no que se refere à estatura.

"Um metro e sessenta e oito mais ou menos. Pele branca. Olhos castanhos. Entre cinquenta e cinquenta e cinco anos."

O outro policial assentiu. Fez o sinal da cruz e se arvorou na nossa direção. Braços abertos, pediu espaço. Rodopiou. Disse retoricamente:

"Morreu de frio."

Um ônibus freou nas nossas costas. Senti a turbulência da nova leva de curiosos. Fui, implacavelmente, rechaçado para longe da minha leitura - ou melhor, releitura.

Um homem abriu os braços. Usava terno e gravata num triste desalinho. Senti o seu hálito nauseabundo. Queria público. Àquelas horas, com o desjejum adiado ou cancelado, as pessoas ficam mais susceptíveis. Todos bem mansos. Até os guardas tiraram as boinas. Relativamente fácil para o homem do terno, ávido por atenção. Tinha conquistado, enfim, o seu público.

Atordoado, eu ainda remoía o fascinante e inatingível ponto de vista das formigas. O pastor, insano, convulso, teatral, abria o Livro Sagrado a esmo.

"Portanto, vos afirmo", leu ele numa voz retumbante. "Não andeis preocupados com a vossa própria vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que as roupas?"

Enquanto dobrava a esquina, perguntei-me, absorto, a respeito da gana dos tamanduás.

Comentários

Zoraya disse…
André, conseguir ser sutil e ácido com um tema desses náo é pra qq um não...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …