Pular para o conteúdo principal

O TAL DO KARAOKÊ >> Carla Dias >>


Até há pouco tempo, eu nunca tinha entrado em um lugar com karaokê como item principal do menu. Na verdade, soltar a voz não é com a minha pessoa, portanto me contento em apreciar as lindezas que cantam por aí. Mas fato é que, há algum tempo, não muito, eu fui a um karaokê. Fui porque uma amiga querida, que vive entrando em roubadas de shows, passeios e decisões complicadas comigo, bom, ela insistiu. Até que...

Karaokê me lembra um tio por quem tenho profunda admiração e imenso afeto. Ele gosta de alugar o equipamento e soltar a voz nas festas de fim de ano. Presenciei o momento somente uma vez. Sempre tão reservado, figura de sorriso bonito, que não deveria economizar tanto nas gargalhadas. Quando presenciei ele soltar a voz, naquela felicidade toda, acabei ficando feliz por ele. Então, depois daquele dia, sempre que karaokê pipoca na conversa, lembro-me daquela cena, uma daquelas coisas boas que a vida registra na memória da gente.

Minha primeira passagem pelo karaokê foi bacana. Minha amiga escolheu o dia menos concorrido, porque o lugar tem fila de espera de horas para cantar. E aquele pequeno grupo de pessoas ADORAVA cantar. A comida era boa, a bebida, as conversas meio berradas, durante a performance de desconhecidos, e eu fiquei confortável na minha posição de espectadora.

Obviamente, o sofrimento faz parte. O dia tem de ser terça, ou seja, para quem não sai por aí na balada, é um sofrimento pensar no dia seguinte. Tem de ser terça porque o tal lugar, badaladíssimo, fica mais tranquilo nesse dia, e meus amigos podem soltar a voz várias vezes... Vezes que, somadas, dariam um pocket show de cada um.

Vejam só, aqui estou, em um dia seguinte, escrevendo crônica sobre a noite passada e bocejando, claro. As terças de karaokê não são para os fracos ou para pessoa destreinada em sair de casa para voltar mais tarde, bem mais tarde do que de costume.

A primeira vez de karaokê foi bacana, mas a segunda me permitiu observar com mais dedicação as pessoas que estavam lá, entre um hit dos anos oitenta e uma daquelas músicas que eu preferia nunca ter escutado na vida. Aquela que não falta na playlist de vários crooners de karaokê em uma mesma noite. E a outra, a que eu não imaginava que escutaria em tal circunstância, porque achava que ela era tão peculiar, que só eu a escutava.

Sim, nós gostamos de nos enganar.

Porém, antes me debandar para desfiar algumas palavras sobre estranhos em palcos de karaokê, devo esclarecer que a experiência foi agradável, em grande parte, por eu estar na companhia de pessoas muito bacanas.

Um dos pensamentos que permaneceram, depois dezenas e dezenas de músicas em português, inglês e espanhol; de pizza e queijo coalho deliciosos, drinques, uma garrafa de água e a ausência espetaculosa de café – como assim não tem café?! -, ah, e de um bem-casado que eu andava com vontade de saborear, mas que não estava tão gostoso quanto o da padaria perto de casa, ou seja, vou ter de passar na padaria... Mas enfim, depois disso tudo me restou esse tal pensamento.

O que presenciei, foi um grupo de pessoas se divertindo ao cantar suas músicas preferidas. Músicas, como todos sabemos, remetem à memória emocional, por isso temos música para isso, para aquilo, trilha sonora para alegria, para tristeza, para passar cantada, para passar vergonha e provocar vergonha alheia e por aí vai. E quando um estranho subia ao palco, no final da apresentação dele, todos aplaudiam fervorosamente.

Para você, que frequenta bares de karaokê, isso pode ser comum. Mas para mim, espectadora, que não saiu do lugar e não cantou, que tem uma vida social que não coloca terças na roda da balada, assim, fácil, o que vi  acabei por traduzir como rara gentileza.

Talvez seja uma questão pessoal, uma necessidade de ver algo melhor em um cenário que eu frequente, vez ou outra, como convidada. Algo que um bom analista possa dar jeito. Mas acho que andamos craques em criticar, em escancarar o que temos contra o outro, o que repelimos nele, que perdemos a grande oportunidade de sermos gentis, cultivarmos empatia e celebrarmos a alegria dele, de permitirmos que nossas alegrias se misturem, ainda que assim, de forma singela: batendo palmas no final da música.

Então, que a noite passada me deixou com esse pensamento que não me sai da cabeça: as pessoas deveriam se comportar, em muitos momentos da vida, como se estivessem em um karaokê.

Palmas!



carladias.com

Comentários

cesar fleming disse…
Ao ler a sua crônica voltei no tempo.
albir silva disse…
Tenho boas recordações de karaokê. O ambiente costuma ser ótimo. As pessoas cantam com emoção.
Carla Dias disse…
Cesar, adoro voltar no tempo. :) E fazer voltar no tempo.

É sim, Albir. Um lugar bem interessante, com pessoas tão interessantes quanto.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …