quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

SABER ESPERAR >> Mariana Scherma

Fila pra mim é o momento de soltar a imaginação e me perder nas minhas próprias terminações nervosas. Eu penso no que preciso fazer, no que quero fazer, no que sonho fazer, enfim, eu penso. Por isso, posso dizer que não me importo em encarar uma filinha. Costuma ser necessário. Mas também não pense que eu sou o tipo que vê um aglomerado de gente e entra atrás. Sim, porque tem gente que nutre um amor doido pela fila de qualquer espécie. Já vi gente em fila sem saber pra que ela servia. Eu entro só quando não tem volta, tipo na da lotérica pra Mega Sena da virada. Ou na da padaria para o pão quentinho.

Me esforço pra ir pra fila com bom humor. Esperar já é chato, esperar reclamando não é nada agradável. Fila é um espaço pra trocar uma ideia, um sorriso... É um mal necessário, às vezes, portanto não precisa ser um terror. A gente pode junto construir uma fila divertida. Imagina uma com concurso de melhor piada, pior mico no trabalho, essas coisas. Mas tem gente que prefere fazer o inferno na Terra, digo, na fila. Enfrentar a fila, ok. Agora enfrentar fila com gente bufando e/ou batendo o pé dói absurdos. Todo local com potencial pra formar fila devia ter um cartaz escrito:
Senhores, bater o pé não faz a fila andar mais rápido, assim como bufadas ou reclamações não farão sua vez chegar mais rápido. Que tal virar para o coleguinha de trás e puxar papo?”.

E como se não bastassem os reclamões, existem os espertinhos que não veem a fila e entram na vez de mais de 10 pessoas. Se eles fossem deficientes visuais, ok. Mas não são. São sem educação mesmo. Os próprios que devem reclamar dos nossos políticos, pedir impeachment, dizer que o Brasil não presta. Alô, pessoal fura-fila, se o Brasil não presta (não acredito nisso), a culpa também passa por vocês. Dia desses, eu perdi a boa com uma sujeita que furou a fila e ainda passou no caixa preferencial. Ela, mais nova que eu, não pediu desculpas, fez de sonsa. Aposto que esteve em manifestações contra a corrupção também. Sem saber que ela é tão corrupta quanto nosso presidente da Câmera e demais políticos. Esse tipo de gente me acerta em cheio, porque boa parte das pessoas acredita que essa é a média do Brasil. Quero acreditar que o Brasil tem gente direita e de bom coração.

Ah se a gente pudesse mandar para uma viagem espacial sem volta pessoas que fazem as filas esse infortúnio... Se o ônibus fosse grande o suficiente, eu mandaria uns políticos a mais neles. Esses políticos fazem a gente ficar eternamente na fila esperando um Brasil melhor. Mas olha, entra no busão espacial a galera que não sabe votar também, viu! Que em 2016 fiquemos espertos!

Partilhar

Um comentário:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Fila é o ENEM da paciência. Tem que estudar pra passar.
Grato pela apostila, Mariana. :)