Pular para o conteúdo principal

O AMOR DE JORCIVAL >> Zoraya Cesar

Viera do interior de Minas, naquela época em que as malas não tinham rodinhas, em que capiau tinha cara e porte de capiau, mas que gente de pouco estudo, desde que trabalhadora, tinha alguma chance de subir na vida. 

Viera sem grandes ambições, não almejava riqueza, festas, luxos; só queria duas coisas: olhar para o infinito e ganhar a vida honestamente. O combinado era morar na Rua do Riachuelo, com um primo, que lhe havia arrumado um emprego de vendedor em loja de sapatos femininos. “Só tem mulherão, primo, é trabalho de primeira, o dia inteiro tocando o pé delas sem marido empombar”, dizia o tal primo, entusiasmado. Jorcival até gostou da ideia.

No primeiro final de semana, porém, os dois rapazes foram passear à beira-mar do cartão postal mais famoso da cidade. O recém-chegado ficou embasbacado. Nunca vira nada tão lindo. As calçadas, com suas pedras portuguesas desenhando linhas sinuosas, lembravam-lhe as curvas do corpo feminino, e eram, certamente inspiradas nas Certinhas do Lalau. A orla lhe pareceu ter vida própria, e nem mesmo o céu límpido de sua terra era tão bonito quanto aquele. Disse-lhe o primo que aquela região tinha o apelido de ‘princesinha’, e, nesse momento, Jorcival caiu, irremediavelmente, de amores. Nunca mais poderia viver longe daquele bairro, daquele lugar. 

Foi, portanto, para espanto do primo, que trocou o emprego na sapataria por um de porteiro, em um prédio na Av. Atlântica. Antes de começar o expediente, todos os dias, amanhecia junto aos pescadores, ajudando a puxar a trama de cordas repleta de peixes. Ao final do dia, sua rotina era molhar os pés na água salgada, estudando as marés, sentindo no corpo as variações do tempo, do vento, da vida. 

Eram bons tempos aqueles, em que um trabalhador conseguia economizar e até comprar um conjugado em um prédio de muitos apartamentos, a quatro quadras do litoral que, havia muitos anos, enchera seus olhos e seu coração. Depois que se aposentou, arranjou trabalho na banca de jornais de um amigo, um luxo, bem na esquina da sua princesinha, era só esticar o pescoço e olha ela lá! Linda, linda, mesmo depois daquela obra sem sentido que fizera do areal um deserto. 

O trabalho mudou, mas a rotina continuou a mesma, durante anos, anos. Nos últimos tempos, porém, já não caminhava toda a extensão da orla; fechava a banca, pegava uma cadeira — dessas modernas, leves, de alumínio — e sentava-se às margens, apreciando o dançar dos últimos raios solares e o surgimento das primeiras luzes — dos postes, dos apartamentos, das estrelas. Jorcival dizia que só começara a viver no dia em que pusera os olhos e os pés naquele lugar abençoado, e era ali que queria morrer. 

Uma dessas noites, Yemanjá, que ouve todas as preces daqueles que amam a sua morada, pediu a Yansã que soprasse uma brisa fresca e cantante nos ouvidos do velho homem, e fechou seus olhos com maresia amorosa. Aos poucos, o som das vagas foi diminuindo, e, com elas, as batidas do coração de Jorcival. 

A Rainha do Mar o recebeu em seus braços maternais, Jorcival feliz, pois não teria desejado nada diferente.




Comentários

albir silva disse…
A princesinha do mar é paixão para toda a vida, né, Zoraya?
albir silva disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Zoraya disse…
E não é, Albir?
Quanta gentileza de um autor para com o personagem, Zoraya!
André Rabelo disse…
Adorei o texto. Obrigado por partilha-lo Zoraya.
André Rabelo
Zoraya Cesar disse…
Eduardo, Andre, mil obrigadas! Beijos de quebra-mar
Ana Luzia disse…
como assim eu ainda não tinha visto essa?

poesia de amores sem fim e ondas salgadas, temos sempre lugar nos braços da mãe!

Feliz Ano Novo, querida, Zô! vamos no embalo das ondas de prata! beijo
cristina jeha disse…
Que conto delicioso!! Gostei da suavidade com que narrou a vida de tantos imigrantes da ali chegam!!
Anônimo disse…
Jorcival, afinal, casou com uma princesa! E foi feliz para sempre...
Erica disse…
so sweet....
:-)
Anônimo disse…
Que linda!
Uma declaração de amor à Copacabana.
Se tiver algum concurso sobre a Princesinha, inscreve essa!
Beijocas, querida amiga.Pat Rochinha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …