Pular para o conteúdo principal

A SECRETÁRIA (1ª parte) >> Zoraya Cesar

No mundo, cada um com seu papel, e, se você não gosta do seu, rasgue-o e jogue fora. Assim acreditava D. Volga.

Para ela, no entanto, jogar fora seu papel de amante estava inteiramente fora de cogitação. Assumira que cabia à secretária cair de paixões pelo chefe casado, e, ao chefe, levar alguns anos para ajeitar as circunstâncias, separar-se da mulher e, só então, juntar-se publicamente com seu verdadeiro amor, ela, a secretária.

Por acreditar nessa filosofia do each one to his trade, ou, no popular, cada macaco no seu galho; por estar profundamente apaixonada; e por acreditar que era, essa paixão, recíproca, D. Volga recebia de corpo e coração abertos a lascívia e as explicações, confidências, segredos e, também, as tergiversações e evasivas do amante, o chefe.

O chefe. Roberto era seu nome, Dr. Roberto, melhor dizendo, e devo confessar que, quando ele e D. Volga se encontraram pela primeira vez, dentro da empresa, a atração foi mútua e imediata. Eram jovens e sedutores — ela, esguia e arguta; ele, forte e implacável. Os dois, ambiciosos. 

E a ambição pode ser um componente bastante definitivo na composição de um novo elemento químico. Principalmente quando há sexo e dinheiro envolvidos. E quando não houver mais sexo? A ambição permanece. Mas ainda é cedo para falarmos disso. Acompanhemos o desenrolar da história. E voltemos à ambição. 

Dr. Roberto era casado com a filha do principal acionista e diretor-presidente da empresa de incorporações onde era advogado. Conquistar a moça tímida e meio feiosa, que se encantou pelo jovem promissor e arrojado, foi moleza, perdão, foi facílimo para ele, bonito, musculoso, assertivo. Mais difícil foi suplantar a desconfiança do pai, que enxergou ali — acertadamente, aliás — um golpe do baú. Como, no entanto, a filha parecia feliz, e o rapaz era, realmente, muito competente, o velho foi baixando a guarda até chegar ao ponto de fazer, do genro, seu sócio. 

D. Volga chegou à empresa mais ou menos na época em que Dr. Roberto fazia corte cerrada à filha do patrão, e não só percebeu a manobra como a aprovou inteiramente. Tudo estava dentro da filosofia do cada um com seu papel.  Quem não está satisfeito, que o rasgue e jogue fora.  Ela foi, inclusive, ao casamento, cumprimentou os noivos e desejou felicidades ao — já, então — amante. 

E, dentro do papel de secretária-amante do chefe, cabia-lhe ajudá-lo nas pequenas falcatruas, ouvir suas queixas, fazer sexo alucinante, guardar segredos inconfessáveis, passar os finais de semana sozinha. E esperar o momento certo de ele se separar para ficarem juntos. 

E quando seria isso? 

Bem, primeiro, o velho pai tinha de morrer ou se aposentar. Enquanto ele fosse influente nos rumos da empresa, Dr. Roberto não poderia abandonar sua galinha dos ovos de ouro. A mulher lhe dava estabilidade e projeção. E ele ainda não estava rico e independente o suficiente para largar o osso. Estratégia que D. Volga apoiava plenamente.  

(Não estranhem o uso dos pronomes de tratamento “doutor” e “dona”. Era assim que eles se dirigiam um ao outro, até na intimidade — fazia parte da dinâmica do casal.) 

O dia chegou, como chega para todos, e o velho patriarca, finalmente, morreu, para desconsolo de todos os que o conheciam — menos para o casal de amantes, que só gostava de si mesmo e um do outro. Talvez. O patriarca, então, como dissemos, morreu, e deixou uma herança bastante significativa para a única filha, essa mesma, casada com Dr. Roberto. 

Falemos um pouco dessa moça, que se apaixonou e casou com o rapaz arrojado e trabalhador, apesar da contrariedade da família. Após dez anos de casada, continuava a olhar seu querido Roberto com os olhos esbugalhados de admiração e incredulidade com os quais o mirara pela primeira vez. Autoestima não fazia parte de sua personalidade e o vácuo emocional deixado por essa importante característica foi ocupado por um ciúme faminto, e uma fragilidade psíquica que a fazia beber em demasia, fumar e, desconfia-se, cheirar o que não devia. Esse somatório desditoso cobrava seu preço em doenças e achaques. E pronto. Falamos o essencial, voltemos à história principal.

Um momento. Eu disse dez anos de casada, certo? Sim, disse e mantenho. O caso entre Dr. Roberto e D. Volga continuava em não diria pleno, mas constante e estável vapor. 

Isso quer dizer que eles mantinham o relacionamento extraconjugal havia dez anos. Sob as mesmas condições. Sim, significava. E, tão discretos os dois, que nunca, ninguém, jamais desconfiou. 

Com a morte do patriarca chegara a hora, portanto, de Dr. Roberto cumprir o acordado sob os lençóis de D. Volga, separar-se da mulher e assumirem seu caso. Não foi, todavia, o que aconteceu. Embora ele fosse sócio na empresa, a esposa oficial era, agora, a única herdeira do falecido diretor-presidente, tendo herdado, inclusive, as ações com poder de voto. Uma separação, assim, de repente, poderia colocar ambos os amantes no olho remelento e glaucomatoso da rua. Algo soberanamente inadmissível, tanto para ele quanto para D. Volga. Até porque, a essa altura dos fatos, nenhum dos dois era jovem o suficiente para enfrentar a acirrada competição do mercado.

Cada um no seu papel. Era papel da amante ajudar seu amor a sair de uma situação difícil. Era papel do homem enganar a esposa e tentar sair de um casamento que já cumprira sua função. 

O que fazer? Esperar, decidiram. Saber viver em segredo e esperar, ensinara o avô russo de D. Volga, era a arma dos fortes.


Continua dia 12 de fevereiro.

Comentários

Carla Dias disse…
Isso é que é plano de carreira. :)
Curiosa para saber aonde essa história vai nos levar.
Não vou nem falar da história, mas você usou umas expressões bem legais, tipo "o olho remelento e glaucomatoso da rua". Divertido de ler. :)
Clarisse Amador disse…
Uma delícia seus textos, amiga! Adorei o comentário da Carla - rsrsrsrs (isso é que é plano de carreira - kkkkk)
Erica disse…
Ai meu Deus, não acabou?! Não vai me colocar a herdeira pra matar os alpinistas, né? rs
albir silva disse…
Acho que ainda vou ter pena desses dois.
Por que eu imagino a D. Volga com o rosto da Nicole Kidman e a esposa do Dr. Roberto com o rosto da Gabriela Duarte? Hey, Jung?!
Anônimo disse…
Hahaha, esse plano de carreira é muito demorado!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …