Pular para o conteúdo principal

ENREDADOR >> Carla Dias >>


Nasceu...

Então?

Escreveu muitas histórias, assim, vivendo cada uma delas, nem todas por gosto. Descobriu-se autor de apenas parte de sua vida, que a outra se esbarra frequentemente às escolhas de outros. Vem exercitando a capacidade de lidar graciosamente com essas escolhas que têm o poder de modificar o desfecho das suas próprias, tentando minimizar o poder delas de afetar sua biografia.

Aconteceu de se interessar pelo improvável, desde cedo. Sendo assim, céu e inferno se misturam aos seus interesses.

Quando no céu: encanta-se.
Quando no inferno: inquieta-se.
Quando mergulhado em ambos: deleita-se.

Estudou dedicadamente a arte da manipulação. Há dias em que a usa em benefício alheio, em outros, exerce o direito ao egoísmo, mas sempre a usa de forma elegante. Há os que o temem e os que o respeitam, mas também há os que dele duvidam e sem reservas. São essas pessoas que mais lhe atraem a atenção. Observá-las é como requintar sua habilidade, já tão afiada, de levá-las aonde ele deseja.

Considera-se uma pessoa comum, de rotina desinteressante, cuidadoso no trato com suas expectativas mais poderosas e seus desejos teimosos. Dedicadamente, ele tenta ser o indivíduo que cabe nessa definição. Porém, como ser considerado comum ao ser inspiração até mesmo para os intelectuais e suas filosofias? Quando o que diz reverbera nos mais importantes – e imponentes – círculos?

Gosta de pensar que continua a ser um homem de história a ser escrita, com mais poder autoral sobre ela. Mais poder que qualquer outro para decidir seu caminho. A ironia se debruça no fato de que ele não tem um algo ou um alguém que lhe impulsione a prospectar possibilidades. O que vem vivendo, desde sempre, é à sombra do seu talento de se infiltrar nas histórias de outros, de tal forma que, eventualmente, ele se torne mais dono dos desfechos delas do que das suas próprias.

À noite, deita-se em sua cama, sozinho, fumando um cigarro atrás do outro, bebendo sua bebida preferida e se lembrando das conquistas vazias do dia.

Nasceu...

Então, que a vida lhe caiu feito roupa de domingo, a mais bonita, de melhor caimento, que serve para orientar a fantasia de que se é o que se demonstra em um único dia, quando, por gosto ou por necessidade, tem de se atuar como se a vida não oferecesse menos do que o aprazimento.

Ele sabe que tem todas as ferramentas necessárias para ser uma pessoa mais útil a si e aos outros. Sabe que tem inteligência para se tornar participante ativo dos seus enredos e da vida daqueles que aprecia. E que existe a possibilidade de o deslumbramento que muitos sentem por ele se tornar mais robusto se baseado na realidade. Ainda assim, escolhe continuar a se esgueirar pelas histórias alheias, furtando delas restos de prazer, tecendo nelas fragmentos de seus reais desejos, construindo uma realização falseada, de quem não soube, depois de nascido, render-se à vida.

Imagem: foto da obra “The Burghers of Calais”, de Auguste Rodin.

Comentários

Carla, parece que você se enreda na vida da gente para extrair matéria para os seus personagens. :)
whisner disse…
Que texto fantástico. Parabéns.
Zoraya disse…
"que a vida lhe caiu feito roupa de domingo, ", ai, Carla, que essas suas frases deveriam ser reunidas num livro em formato de asas de borboleta. Amei, como sempre.
Carla Dias disse…
Eduardo... Sou definitivamente grata aos que me emprestam suas biografias.

Whisner... Obrigada!

Zoraya... Adorei a ideia :)

Cristiana... Agradecida!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …