Pular para o conteúdo principal

BABÁ DOS BEATLES >> Albir José Inácio da Silva

Lando baixou os olhos do suplemento esportivo e viu que uma das guias estava frouxa. Amassou de susto o jornal, pegou a alça em baixo da perna e puxou as cordas com força. Três cães latiram, reclamando porque foram esfregados nos galhos do arbusto. Mas onde estava Ringo?

Lando correu até a borda do canal e olhou a água até onde a vista alcançou, olhou em volta e viu que ele desaparecera. Logo o Ringo!

Dona Honorina tinha duas grandes paixões na vida: os Beatles, mortos ou vivos, e os cães. Não qualquer cão — os seus  cães:  John, Paul, George e Ringo. Quanto aos Beatles, ouvia-os durante todo o dia e não lhe davam trabalho, a não ser apertar o play. Mas com os cães era mais complicado.

Na entrevista de emprego com Dona Honorina, Lando jurou paixão pelos animais, chorou ao lembrar seu gato falecido e disse que sempre sonhou com esse trabalho. A velha ficou encantada.

—Seu Lando, sei que o senhor tem amor pelos bichos, mas cuidado principalmente com Ringo. Além de desobediente, ele é atrapalhado e não tem medo de nada. Teve problemas no parto e foi abandonado pela mãe, o que deixou o pobrezinho cheio de traumas — exortou a senhora.

Acostumado a trabalhos pesados e ameaças de patrões, ele estava no céu com o novo emprego —quatro cãezinhos fofinhos que dormiam na cama da dona. Levava-os a passear duas vezes por dia, munido de sacos plásticos e garrafas de água. Três vezes por semana bebiam água de coco, que só podia ser comprada na barraquinha de confiança da Dona Honorina.

Obviamente ele não teria esse emprego se ela pudesse pessoalmente passear com seus bichinhos, mas o reumatismo não deixava. Lando era já a quarta tentativa de arranjar uma babá. A primeira foi embora porque gritou com George. O segundo resolveu cortar uma mecha do cabelo de John porque achou que atrapalhava sua visão. O terceiro comprou água de coco em barraquinha desconhecida, o que desarranjou o pobre Paul.

Dona Honorina não precisava saber, mas para Lando cachorro era cachorro, ele os acompanhava quando iam na direção certa e os arrastava quando cismavam de andar para outro lado. Não entendia de psicologia animal, de traumas e da necessidade de tratar esse assim e aquele assado. Jamais maltrataria ninguém, nem cachorros, mas entende que a educação passa às vezes por cascudo e beliscão.

Não podia dizer que nada o incomodava naquela história. Ele comprava ração, remédios, xampus, levava para consultas, banho e tosa no “pediatra” — como dizia Dona Honorina —e sabia o preço de tudo. Sabia também que seu salário não cobriria meia semana de gastos dos totós. Mas era conformado, cada um tem no mundo o lugar que merece — meritocracia.

Mas e agora? Onde estava Ringo?

Lando arrastou o trio remanescente pelas calçadas, vagou por ruas e becos, perguntou a comerciantes, porteiros e transeuntes. Ganhava salário-mínimo, quanto custava um cachorro daqueles? Existe crime de abandono de cachorro como de criança?  E se a velha morresse de desgosto, seria responsabilizado? Por que não conferiu as coleiras? Por que tinha de ler jornal?

Entrou no elevador social para desespero do porteiro. Suspendeu no colo os sobreviventes, desgrenhou os cabelos, acelerou a respiração e entrou na sala.

— Dona Hororina! O Ringo, sabe como são os meninos nessa idade, viu passar uma cadelinha, soltou-se da coleira, disparou atrás dela e desapareceu — foi o que Lando conseguiu arranjar.

Ela resfolegou um gemido, os braços caíram e a vista escureceu. Lando soltou os cães para socorrê-la, mas ouviu um latido e virou-se pra porta que tinha ficado aberta. O porteiro trazia Ringo no colo.

Antes que Seu Onofre falasse, Lando pegou o baterista, agradeceu, fechou a porta e emendou:

— Como eu dizia, Dona Honorina, Ringo desapareceu. Mas eu vasculhei o quarteirão e o achei num beco. Corri atrás dele com os outros no colo. Ele deu a volta e entrou aqui no estacionamento. Eu vim deixar os três para buscá-lo, mas Seu Onofre fez esse favor.

Dona Honorina respirava ainda com dificuldade quando Lando colocou Ringo no seu colo. Os outros se aninharam em volta. Ela olhou para o Lando — um herói.

Comentários

Genial, Albir!
Ri a valer. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …