Pular para o conteúdo principal

E VOCÊ, VOLTARIA? >> Clara Braga

Ele entrou no ônibus para ir trabalhar. Logo depois, ela entrou no mesmo ônibus, também ia trabalhar. Se fosse um livro do John Green eles iriam se apaixonar e viver um lindo romance até algum deles descobrir que está com leucemia, mas estamos falando desse nosso Brasil que está ficando "muito doido"!

Ele entrou no ônibus armado, é da polícia. Ela, médica! Os dois acreditavam que seria apenas mais um dia comum, mal sabia ele que pela primeira vez se sentiria na responsabilidade de atirar contra pessoas, correndo o risco de tirar uma vida para, talvez, salvar a vida de outras tantas.

O caso virou manchete em todos os jornais, foi reportagem destaque no Fantástico! Mas o caso chama atenção não por ser assalto a um ônibus, mas sim porque o policial teve que atirar nos bandidos para salvar as vidas que estavam no ônibus. Quando o tiroteio acaba, um dos assaltantes fica ferido, e quando a médica percebe que ele ainda está com vida, volta para o ônibus e socorre o bandido até a chegada de uma ambulância.

Você socorreria uma pessoa que minutos antes estava apontando uma arma na direção da sua cabeça?

Eu não sei se eu teria estabilidade emocional suficiente para sequer pensar em ter uma atitude dessas! Da mesma forma, não teria condições de rir e fazer pouco caso da situação, como fez um outro policial que chegou mais tarde na "cena do crime", mas voltar e ajudar realmente foi uma atitude louvável.

Mas o que mais me chamou a atenção foi a forma como a reportagem abordou o caso. Foi uma das poucas vezes que vi o foco na pessoa que fez o bem, nada daquelas cenas apelativas que fazem a gente ficar chocado na frente da televisão. Finalmente deram a oportunidade do bem se manifestar, mostrar que ele está em falta, mas não em extinção.

Normalmente não damos importância, nem sequer refletimos sobre a maneira como as notícias são abordadas, mas tal elemento é de extrema importância. A reportagem poderia ter sido apelativa, poderia ter deixado todos os telespectadores morrendo de raiva do policial que desejou que o homem ferido fosse encontrar o diabo, poderia ter nos deixado com vontade de uma vingança irracional de olho por olho, dente por dente. Mas não, a reportagem acabou dando uma lição, mostrando uma mulher que, mesmo tendo sido assaltada mais de dez vezes, enxergou o assaltante como, antes de tudo, um ser humano que estava entre a vida e a morte e que ela poderia mudar o resultado dessa história positivamente.

Em vez de ter raiva, assisti à reportagem e fiquei refletindo: quantas vezes nós temos a oportunidade de voltar e ajudar alguém que esteve com “a arma na nossa cabeça”? Claro, leve em consideração as proporções das situações, mas acho que se não conseguimos passar por cima de situações pequenas, podemos até nos chocar com atitudes como a do policial, mas também não teríamos a racionalidade e a leveza de ajudar alguém que já teve sua vida em nossas mãos.

Comentários

Kanokosou disse…
Situação Deveras Conflitante! É difícil escolher entre essas duas opções, ajudar a quem a pouco tempo atrás almejou o seu fim, mas mesmo assim a médica assimilou as circunstâncias e o mensurou como Ser humano, acima de suas ações. De fato a atitude dela foi positiva. Que este relato seja um paradigma para aumentarmos nossas faculdades sentimentais!
Eu não voltaria a assistir reportagens sobre assaltos e assassinatos, apesar da sua bonita crônica, Clara. :)
Analu Faria disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Analu Faria disse…
Essa crônica não me vai sair da cabeça...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …