Pular para o conteúdo principal

E O QUE É FÉRIAS? >> Clara Braga

Férias, segundo o dicionário da língua portuguesa da Larousse Cultural, significa dias consecutivos destinados ao descanso dos trabalhadores e estudantes.

Segundo a wikipédia, férias é um período de descanso periódico de uma atividade constante, geralmente trabalho ou aulas, e maior que um fim de semana. O período de férias varia de acordo com a legislação de cada país. No Brasil, a legislação trabalhista estabelece um mínimo de 30 dias consecutivos de férias após o período de doze meses de trabalho.

Deixando de lado os significados técnicos, para muitos férias é sinônimo de viagem. Talvez não na atual crise, mas no geral… Em Brasília, as pessoas correm logo para perto de uma praia, principalmente aqueles que conseguem tirar férias no período da seca.

Para outros, férias é sinônimo de trabalho dobrado. Nada melhor do que férias para investir no crescimento da sua própria empresa. Ou talvez seja um ótimo período para crescimento pessoal, então férias passa a ser sinônimo de muito estudo e, também, de aprimoramento de alguns hobbies, vai saber.

É também um período no qual as pessoas tiram o atraso e colocam em dia todos aqueles livros e filmes que estavam só aguardando a chance de serem lidos ou assistidos.

Tem gente que acredita que férias também é sinônimo de engordar! Faz dieta o ano todo para nas férias enfiar o pé na jaca. Ou talvez a comida não seja exatamente o foco, mas o fato de estar viajando e querer provar comidas diferentes faz com que a consequência seja uns quilos a mais.

Indo pelo lado oposto, tem aqueles que enxergam nas férias a chance de investir ainda mais pesado nos exercícios físicos e acabam emagrecendo. Recentemente conheci corredores que marcam suas viagens de férias para lugares nos quais terão provas de rua para que eles possam participar. Não vou negar, é tentador! Existem corridas famosas e clássicas em paisagens maravilhosas, como Paris.

Férias também podem ser o período em que você vai resolver tudo aquilo que não conseguiu resolver enquanto estava trabalhando. Banco é um exemplo clássico disso. Como pode o banco só funcionar das 10h às 16h (levando em consideração as possíveis variações), se esse é justo o horário que a maioria das pessoas estão em seus locais de trabalho? 

Férias pode significar muita coisa, mas não importa qual seja o significado de férias para você, uma coisa é certa, férias mesmo, sem nenhuma obrigação envolvida, só são 100% possíveis quando você viaja. Se você ficar na sua cidade alguém vai ficar com inveja da sua “falta do que fazer” e vai logo te pedir um favor. Nada demais, só aquele favorzinho básico, afinal, você nem tem nada para fazer. Essas pessoas só esquecem que o princípio básico das férias é exatamente esse, não ter nada de obrigação para fazer e, então, poder escolher aquilo que você quer fazer!

No geral, férias nada mais são do que um período que a maioria aguarda ansiosamente e que, quando termina, já se precisa de outro, pois raramente lavam o conceito técnico a sério, ou seja, raras são as pessoas que de fato só descansam.

Mas no final, nada disso importa, o que importa mesmo é que eu, finalmente, estou de férias!

Comentários

Feliz férias, Clara!
Estou aproveitando as minhas para acompanhar mais de perto o Crônica do Dia. :)
Analu Faria disse…
Para mim, férias = estudo.
É a vida...
Clara Braga disse…
Te vi mais presente por aqui Eduardo, que bom! Sempre bom ler seus comentários!

Ana, rlx, isso é só uma fase!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …