Pular para o conteúdo principal

CÉU, EU TE AMO! >> Sergio Geia




Tenho mania de ficar escutando música ativamente em busca de preciosidades poéticas. Quando eu falo escutar, eu falo escutar mesmo, me jogar de corpo e alma na canção e me deixar emocionar. Ponho o CD no aparelho, encho o copo de uísque e viajo.

Achei muita coisa boa no último CD do Chico. Na música Sem você 2, por exemplo: “Pois sem você o tempo é todo meu / Posso até ver o futebol / Ir ao museu, ou não / Passo o domingo olhando o mar / Ondas que vêm / Ondas que vão”. É melancólico, tá, eu sei, mas acho bacana. Acho que ele consegue captar um instante mágico – o cara se separou, tem o tempo todo pra ele (era o que queria), mas parece não estar feliz. Em Nina: “Nina diz que fez meu mapa / E no céu o meu destino rapta / O seu”. Acho isso maravilhoso: no céu o meu destino rapta o seu. Em Sinhá, Chico dá um show. Ele conta a história da sinhá que se envolve com um escravo. Será que se envolve mesmo ou é cisma do senhor de engenho? O escravo se defende: “Se a dona se banhou / Eu não estava lá / Por Deus Nosso Senhor / Eu não olhei Sinhá / Estava lá na roça / Sou de olhar ninguém / Não tenho mais cobiça / Nem enxergo bem / Para que me pôr no tronco / Para que me aleijar / Eu juro a vosmecê / Que nunca vi Sinhá”. No final, Chico desvenda o mistério: “E assim vai se encerrar / O conto de um cantor / Com voz de pelourinho / E ares de senhor / Cantor atormentado / Herdeiro sarará / Do nome e do renome / De um feroz senhor de engenho / E das mandigas de um escravo / Que no engenho enfeitiçou Sinhá”. Sacou? Simplesmente maravilhoso.

“Eu vim, vim parar na beira do cais / Onde a estrada chegou ao fim / Onde o fim da tarde é lilás / Onde o mar arrebenta em mim / O lamento de tantos ‘ais’”. Essa é de João Donato, letra do Gil. Lindo. “Quatro da manhã / Dor no apogeu / A lua já se escondeu / Vestindo o céu de puro breu / E eu mal vejo a minha mão / A rabiscar, esboço de canção”. Teresa Cristina e Pedro Amorim, canção interpretada por Roberta Sá, em Braseiro, na companhia pra lá de especial de Ney Matogrosso.

Amigo, preste atenção. O cancioneiro popular tem cada preciosidade. “Subo nesse palco / Minha alma cheira a talco / Como bumbum de bebê”. Como bumbum de bebê é ótimo. “Sou eu que vou seguir você / Do primeiro rabisco /Até o beabá / Em todos os desenhos / Coloridos vou estar / A casa, a montanha / Duas nuvens no céu / E um sol a sorrir no papel...”. Do Toquinho, essa pra mim é simplesmente mágica, dar voz a um caderno é um barato louco, e com uma poesia refinada dessas. Pra mim, um instante singular, superior, divino. “Nhonhô bebeu um gole de cada poro meu. E feito vinho de caju, amarrei-lhe a boca. E nosso amor foi todo a prova de Ebó. Não teve um só que separou eu de Nhonhô”. Céus, isso é Céu! É Muito bom! Olha a estética, amigo! Quando ela fala que o Nhonhô bebeu um gole de cada poro seu feito vinho de caju, eu piro. Quem afinal é esse Nhonhô?

Pois descobri que sou apaixonado pela Céu. Eu sei que é facinho, facinho de se apaixonar, afinal, ela é musa, mas não é disso que estou falando. É algo superior, meu jovem. Muito superior. É coisa visceral, de outras vidas, entende? De som, poesia, misturas. Não é um simples estado momentâneo de excitação, passageiro como o trem da estação. É algo maior, muito maior. É infinito. Eu ponho o Caravana, fecho os olhos, bebo algum uísque e vou. Ah, isso é Chico.

Ilustração: Céu – Revista Afro

P.S.: Sou fã de carteirinha da Cristiana Moura e de suas crônicas maravilhosas. No próximo sábado ela volta, para a nossa alegria.

Comentários

Zoraya disse…
Sergio, que viagem, essa sua crônica!Maravilha. Li com xícara de café quentinho e subi junto com a fumaça. 'A paz' é de longe, uma das músicas mais lindas que já ouvi, tanto na voz do Gil como na da Zizi Possi, é de chorar. E da Céu eu amo de paixão é Bubuia. Obrigada por já começar bem o meu dia!
Bonito, Sergio.
As mús(ic)as brasileiras são mesmo muito amáveis. :)
sergio geia disse…
Obrigado, Zoraya, pelo comentário gostoso. Valeu, Eduardo! Eu já conhecia a Céu, já tinha visto ela se apresentar no Metrópole, mas não conhecia o seu trabalho. O “Caravana Sereia Bloon” eu comprei e pensei: “porra, que disco é esse!”. Não só pelas letras (a primeira coisa que me arrebata), mas pela voz, as misturas instrumentais, as influências musicais também, tem muito de música jamaicana que eu acho uma delícia. A crônica veio dessa ideia, de falar da Céu, da sua poesia, e da poesia de outros artistas também. O CD “Chico” é maravilhoso. “O caderno” me deixa pirado. Ah, tem muita coisa boa...
sergio geia disse…
Eu quis dizer Metrópolis, claro, da TV Cultura. Metrópole é o nome de um teatro aqui em Taubaté.
Anônimo disse…
Com esse friozinho, a chuva caindo, as letras de cada canção lembrada nesta crônica dançando na mente e uma boa taça de vinho para aquecer... é o Céu, é a Céu!
Um brinde a essa maravilhosa crônica que desperta desde o início até seu fim todos nossos sentidos. Pena que acabou, ficou assim, um gostinho de quero mais.
Lu Ribeiro
Roseli disse…
Crônica maravilhosa como você é, sempre foi.
Roseli disse…
Crônica maravilhosa como você é, sempre foi.
sergio geia disse…
Agradeço aos amigos Lu Ribeiro, Roseli e Darci. Receber comentários, positivos ou não, é sempre muito bom. A gente às vezes erra a mão e a crônica não sai lá essas coisas. Em "Céu, eu te amo!" eu abusei da poesia dos grandes compositores. Fala sério, aí fica fácil rsrs
Analu Faria disse…
Vontade de passar a tarde deste domingo no sofá, ouvindo Céu!
Analu Faria disse…
Vontade de passar a tarde deste domingo no sofá, ouvindo Céu!
sergio geia disse…
Delícia de programa, Analu. Sugiro que ouça "Amor de antigos", é linda, linda, linda. Bem vinda ao Crônica do Dia. Às quintas estarei aqui espiando você e a Mariana. Gde abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …