Pular para o conteúdo principal

BRICOLAGEM, PALAVRÃO E HOMEOPATIA
>> Analu Faria

Eu gosto de umas palavras sem nem saber o significado delas. Tipo “bricolagem”. Quando ouvi essa palavra pela primeira vez, fiquei repetindo para mim mesma “bricolagem, bricolagem, bricolagem...”. Em seguida, criei diálogos imaginários com ela, tentando adivinhar o significado. Uma forma de artesanato? “Quero aprender bricolagem, minha tia é artesã e disse que bricolar [é claro que eu ia derivar um verbo disso] é superdesestressante.” Uma manobra política? “Os deputados usaram de bricolagem na aprovação do projeto de lei.” Ou ainda uma brincadeira irritante de criança? “Parem de bricolagem, vocês dois, ou eu chamo a diretora!”

Outras palavras eu trago comigo como remédio. Muitas são palavrões. Toda vez que estou acometida de alguma tristeza não requisitada, ou de raiva, ou, pior, de preguiça, valho-me de um deles. Bosta é meu favorito. Faz uma explosão na boca quando a gente fala, assim: b*OOO*sta! (Eu geralmente acrescento um “ô” antes: “Ôôôô b*OOO*sta!”). É terapêutico!

Está claro, pelo menos para mim, que um dos aspectos determinantes para que eu goste de uma palavra é o seu som, o aspecto fonético (que me corrijam os linguistas, se eu estiver usando o termo equivocado aqui): como eu disse, eu não sei o significado de muitas das palavras de que gosto e quanto aos palavrões, bem, eu sei que há algo de subversivo em proferir um palavrão, mas nem todo palavrão me parece interessante, nem todos soam “terapêuticos”. E definitivamente não posso dizer que gosto da palavra bosta pelo que ela significa. O negócio é que é bom falar — e ouvir — certas palavras e me afeiçoo a elas por conta disso.

Mas há uma outra “música” na comunicação verbal, que não tem nada a ver com o som das palavras ou com a cadência das frases. É uma música que se ouve na comunicação escrita e na falada. Eu não sei descrevê-la, mas aqui talvez minha percepção tenha relação com o significado. Por exemplo: Cecília Meireles, para mim, escrevia poemas que soam como "música instrumental para se ouvir tomando o chá das cinco". Acho até que não sou fã dela porque músicas de chá das cinco não são a minha praia. Aliás, nem chás das cinco. Clarice Lispector é Pink Floyd, o que me deixa incomodada — leio, ouço, me toca, mas transborda — e eu já transbordo demais em atividades cotidianas. Segundo minha homeopata, essa, aliás, é a causa da minha asma. Então, como tenho asma, leio Clarice com moderação. Hilda Hilst é Nirvana e Pearl Jam, ela e eles, alguns dos meus favoritos. Guimarães Rosa é jazz (hard bop, provavelmente): é a simplicidade inteligente que acelera meu coração e destransborda meus excessos.  Adélia Prado é a MPB de Caetano e Maria Bethânia — é impossível não gostar de Adélia Prado, se você for um brasileiro que gosta das coisas daqui e tiver um coração.

Machado de Assis e Shakespeare, eu não sei classificar. Não me vem à cabeça uma banda ou um estilo musical que se encaixe no que eles escreveram. Mesmo assim, a “música” deles me agrada muito. E minha homeopata disse que pode fazer bem para a minha gastrite. "Com exceção de 'A Mão e a Luva'", ela disse, "'A Mão e a Luva' pode ter um efeito contrário. Mas se quiser reler, toma um chazinho de Espinheira Santa junto."



Em tempo: segundo a Wikipedia, bricolagem é um termo “usado nas atividades em que você mesmo realiza para seu próprio uso ou consumo, evitando deste modo, o emprego de um serviço profissional."

Comentários

Zoraya disse…
ótimo, Analu! Muito divertida a crõnica!Agora, na boa, essa sua homeopata merece uma crônica só pra ela, genial! Ler A Mão e a Luva com um chá de espinheira santa e dizer que ler Machado de Assis e Shakespeare podem fazer bem pra sua gastrite foi incrível! beijos
Anônimo disse…
Pena que só quinzenalmente você faz crônicas assim Analu...
albir silva disse…
Muito bom esse paralelo entre palavra e música, Analu. Agora vou ficar atento a essas equivalências, inclusive terapêuticas.
Bela combinação de palavras e sons, Analu.
Analu Faria disse…
Obrigada, pessoal!

Zoraya, ótima ideia! Vou pensar numa crônica só sobre Dra. Cleonice.

Zena disse…
ôôô saudade de falar ô booooosta com você!!! Ah... dentro de mim repeti e senti, amiga, o prazer de proferi-la. Sucesso fofa!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …