Pular para o conteúdo principal

S.O.S. ACADEMIA >> Albir José Inácio da Silva

Hoje me movimento já com algum desembaraço pelos aparelhos da academia, mas não posso esquecer minhas desventuras de principiante no fitness.

A timidez não chega a me paralisar. Se tenho que fazer, faço, depois contabilizo os resultados. Mas confesso que aquela garotada irreverente, fazendo coisas difíceis com facilidade, assustava um pouco minhas acumuladas primaveras.

Por isso escolhi um mês de férias no trabalho, para que tivesse o tempo necessário à adaptação e, como tinham me orientado, pudesse frequentar no meio da tarde — horário em que a academia ficava quase vazia.

O professor rabiscou uma série e explicou rapidamente os aparelhos, tudo muito fácil segundo ele. Sobre os pesos, ou carga — esse é o nome correto — disse que era pessoal e o aluno adaptava à medida que evoluía no treinamento. E seguiu para outras muitas atividades.

Tarde sonolenta, academia vazia, professor ocupado, um garoto solitário na esteira, uma magrinha e eu. Eu, meio perdido, com uma ficha na mão, articulações enferrujadas e alguma preguiça. Tudo em paz, beirando a harmonia.

Se há alguma coisa de que não posso reclamar é do acolhimento. Sempre aparece alguém com empatia e boa vontade para me ajudar nos começos difíceis. Foi assim com a magrinha. Eu não saberia dizer sua idade, talvez por causa das roupas coloridas, dos gestos harmoniosos e da magreza.

Sei que era só gentileza e paciência com este neófito, abandonado pelo professor e pela coragem. E me explicou aparelhos, alavancas e velocidades. Sempre que me via olhando a ficha, lia comigo e interpretava.

Fiquei observando seus movimentos no LEG 45: esticava e flexionava as pernas, travava e liberava o peso ao final ou início de cada série. Até que se levantou e foi ao bebedouro.

Acho que, embora muito grato pela ajuda até ali dispensada, quis impressioná-la, mostrar minha desenvoltura e independência. Olhei para o aparelho e achei que havia muitas e grandes anilhas, mas não me preocupei.

Se minha amiga, magrinha daquele jeito, pequenininha, conseguia levantar com facilidade, ritmo e um sorriso tranqüilo, por que eu não conseguiria? Sentei-me no aparelho, apoiei as costas e coloquei os pés na placa de sustentação, como a tinha visto fazer. Empurrei os pés e liberei o peso.

Meus joelhos bateram no peito, eu não conseguia respirar nem me mexer. Também não conseguia gritar.

A magrinha levantou a cabeça do bebedouro e viu meus braços agitados em desespero. Chamou por ajuda, e eu me lembro das pessoas retirando as anilhas e me segurando pelos braços. Minhas costas não se endireitavam mais. Minhas pernas estavam bambas. Sei que falavam comigo, mas eu não ouvia.

Aos poucos, as vozes foram voltando. Quiseram que eu me sentasse, mas eu tinha medo de não levantar mais. Consultaram-se sobre a necessidade de ligar pra SAMU e eu protestei. A academia parou, todos a minha volta, e eu querendo sumir. Só tinha certeza de uma coisa: nunca mais voltaria ali.

Mas voltei, anonimamente, outro horário, outro professor, outras magrinhas. Tinha aprendido um pouco mais sobre prudência e humildade. E sobre aparências e enganos.

Comentários

Zoraya disse…
Albir, sensacional, to rindo até agora!Esse seu lado eu nao conhecia, hahahahah
albir silva disse…
Zoraya, este meu lado mico é um King Kong.
albir silva disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla Dias disse…
Albir, eu adorei o texto bem-humorado, mas juro que entendo essa relação meio conturbada com a academia. Por isso continuo longe dela. Vou tentar me inspirar na sua perseverança. Beijo!
albir silva disse…
Coragem, Carla! Isso vai lhe render algum vexame, alguma luxação, várias histórias e, no seu caso, muita poesia. Beijo!
Ufa, Albir!
Mas que me rendeu umas boas risadas, ah, isso rendeu. :)
albir silva disse…
Que ótimo, Edu! Se existe uma coisa que o vexame precisa é de um lado bom.
albir silva disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
albir silva disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
albir silva disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …