Pular para o conteúdo principal

INUTILIDADES DOMÉSTICAS >> Cristiana Moura


Noutro dia, estava eu a espreitar a conversa alheia sobre compras feitas em viagens. O marido dizia aos que ali escutavam a conversa que ela e a amiga haviam comprado demais. Eles se hospedavam na casa de um amigo que muito consideram e o anfitrião já havia advertido previamente quanto ao excesso das compras.

Ela mesma confirmou. Eram sacolas e mais sacolas. Mostrou-me uma foto: as sacolas, ela e a amiga sentadas no chão do rol de entrada do apartamento onde estavam hospedadas. Na foto elas pareciam escondidas por detrás das compras. Estavam ali guardando as compras de lojas diferentes nas mesmas sacolas a fim de diminuí-las e assim parecer ser menor a extravagância das compras.

E a esposa foi contando em tom de animação dos diversos objetos e de suas utilidades. Foram tantos os objetos que se tornaram de consumo, sem talvez terem sido objetos de desejo, que me instigou. Um entre tantos me chamou especial atenção. Trata-se de um medidor de macarrão com a boca de boneco cuja função seria acertar a quantidade de espaguete para o número de pessoas para o qual se cozinha.

Ela descreveu o tal medidor e sua utilidade em tom de defesa.
— Você já usou?
— Ainda não.
— Quando foi mesmo que você comprou?
— Em setembro do ano passado.

Enquanto eu ouvia, fui me reportando a um dos escritos de Rubem Alves. Ele nos fala que o corpo carrega duas caixas — uma de ferramentas e uma de brinquedos. Na primeira carregamos ferramentas que são inventadas para tornar o corpo mais poderoso. As coisas desta caixa nos dão meios para viver. Na segunda, carregamos o que não é útil, não serve pra nada. As coisas da ordem do amor, aquelas que nos dão razões para viver. Nesta caixa ele colocou os poemas de Cecília Meireles, a música de tom Jobim. Aqui não se trata de utilidade, mas de fruição.

Fiquei sem saber em que caixa colocaria um medidor de macarrão. Por certo se trata de uma ferramenta. Entre essas, Rubem cita vassouras, papel higiênico — coisas úteis. Porém, no meu entendimento, o tal medidor é pouco útil. Inutilidade essa longe de ser a mesma da arte. Jamais ousaria guardar o tal objeto junto aos poemas de Cecilia ou à música de Tom. Pela minha cabeça passou uma lista de outras coisas, as que já comprei, as que ganhei, as que tenho e não desejei. Coisas que nem são úteis nem são da ordem do amor.

Como o corpo carrega as inutilidades domésticas?

Comentários

Isso me lembra que preciso fazer um bota-fora aqui em casa. ;)
Analu Faria disse…
Cristina, fiquei pensando nas inúmeras outras inutilidades que a gente compra, encontra, cria. Todas sem classificação. Será que a gente tem uma caixa de inutilidades? Será que a gente negligencia a caixa de inutilidades? E se a resposta às duas perguntas for sim, será que quando a gente negligencia a inutilidade, ela toma proporções que não deveria? Freudianizando as coisas aqui...
Cristiana Moura disse…
Pois é Analu... sem respostas. Mas vale um bota-fora em casa como pretende fazer o Eduardo



Zoraya disse…
o pior é que, se não somos muito conscientes das coisas, achamos mesmo q um 'medidor de macarrão' pode vir a ser útil, mesmo que nunca tenhamos feito um ovo frito sequer. Mas se eu encontrar um medidor de amor, juro que compro... Bom te ler, Cris!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …