Pular para o conteúdo principal

A REZADEIRA - 1a PARTE >> Zoraya Cesar

Os joelhos estavam duros pela artrose, mas a musculatura era ainda rija, os tendões esticados como a corda de um arco antes do tiro. A mulher era franzina e seca como um gafanhoto, não havia uma gordura, peso, barriga, nada excedente. Seu semblante era severo; as orelhas, grandes; a boca, uma linha fina e sem lábios, como a de alguém acostumado a ouvir muito e falar pouco.

Era idosa, muito idosa, certamente, mas sua idade era indefinível. Podia ter 70, 80, 90 anos, impossível precisar. A pele negra contrastava com os cabelos brancos aqui, amarelados ali, cortados rentes à cabeça. Usava um vestido muito simples, de cor clara, sem enfeites, e andava devagar, compassadamente, apoiada num grosso cajado, que parecia mais pesado que ela, tão raquítica.

Perdera a conta dos anos, mas sabia que desde pequena estava na labuta, a pele áspera e as mãos calejadas comprovando o duro trabalho na roça. Nem se lembrava mais quando deixara de ser a Menina Dinda para ser conhecida como Velha Vó Dindinha. Mal sabia ler ou escrever, mas isso nunca lhe fizera falta. Era quituteira e doceira por profissão, e gerações de famílias abastadas não abriam mão de seus serviços nem pelo chef de cuisine mais badalado da cidade.

Ela possuía, no entanto, outra especialidade, pela qual era ainda mais afamada. Uma especialidade que exigia visão além das aparências e dos corpos opacos; audição para ouvir vozes que não pertenciam mais a esse mundo; olfato para diferenciar o ponto em que um chá de ervas deixa de ser um remédio para se transformar em veneno.

Rezadeira, benzedeira, bruxa, feiticeira. Dindinha nascera com um dom. Tirava quebrantos, curava espinhela caída, afastava mau olhado, quebrava as forças dos inimigos, expulsava demônios, sarava diversos males com suas garrafadas de ervas, fazia partos e dava simpatias para curar bebedeira, amansar marido, trazer esposa de volta, colocar filho na linha. E tudo funcionava.

Se ela conhecia magias negras? Sim, muitas, maléficas e letais. Mas, por mais que pedissem, ameaçassem, oferecessem fortunas, ela jamais cedeu. Desde que descobrira seu dom, decidira que seguiria o seguinte lema: fazer o bem, mesmo que difícil; não fazer o mal, mesmo que possível. De forma que Velha Vó Dindinha nunca amealhara riquezas, apenas o necessário para uma velhice tranquila. Estava aposentada e sua pensão pouco mais que modesta dava para todas as suas necessidades, nunca precisara de muito. Não tinha folga, sábado, domingo ou feriado; nunca tirara férias. A qualquer hora que dela precisassem, estava a postos.

Enquanto morara em Salvador, era a primeira das iabás a se apresentar para lavar as escadas de Nosso Senhor do Bonfim. Quando veio para o Rio de Janeiro, em vez de lavar escadas, limpava a sacristia e fazia a comida do padre da paróquia, sempre de graça. Ia à missa todo domingo, e tinha duas grandes devoções: Nossa Senhora do Desterro e São Cipriano.

Mesmo para os fortes, contudo, a face feia da velhice um dia bate à porta, e com Velha Vó Dindinha não foi diferente. Seu corpo todo doía incessantemente, e os sentidos, antes perfeitos – até então ela mesma colocava o fio na agulha! – se apagavam aos poucos. Revolta, não sentiu, sabia que não nascera para semente.  A afilhada foi morar com ela, para ajudar na lida da casa e nos outros afazeres. E como Deus não desampara quem trabalha em seu Nome, a afilhada, além de excelente pessoa, também recebera o dom, e assumira o lugar da madrinha como quituteira, benzedeira e outras ‘eiras'.

Velha Vó Dindinha estava doente e cansada, mas enquanto estivesse sobre a Terra cumpriria sua missão sem se queixar e ajudaria quem dela precisasse.

Foi num domingo chuvoso que ela recebeu um telefonema...


Continua no dia 17 de julho.

Comentários

Anônimo disse…
Faltou colocar o endereço da rezadeira e da afilhada, porque estou precisando, hehehe...
Erica disse…
Como assim continua dia 17 de julho? O aperitivo estava bom, mas cadê o prato principal? Eu me recuso a tecer comentários sobre histórias sem final rsrs
Analu Faria disse…
Meu Deus, como Vó Dindinha se parece com a minha avó!!!
Meu reino (se eu tivesse um) pelo dia 17!
albir silva disse…
Acho que ela vai precisar quebrar a própria regra de só fazer o bem. Aguardemos...
Zô, ainda não deu para saber o final do conto, mas essa vó dindinha dava um romance, de tão rica
Carlos disse…
Essaas rezadeiras deviam ser tombadas pelo Patrimônio Histórico e consideradas uma das maravilhas do mundo pela Unesco. Aguardo o dia 17.
Zoraya disse…
Pessoal, obrigada. Velha Vó Dindinha agradece! E mais não fala, pq ela ouve muito e fala pouco... até dia 17!
Rosana Ortega disse…
Louvo sua forma de explicar que ela era negra só a partir da segunda linha do segundo parágrafo. Relevante era tudo o mais, sua cor era elemento secundário e você soube tratar essa informação com excelência.
Preciso dessa bruxa do bem. Dizem por aí, que o meu texto precisa de mais ternura. Será que existe magia para isso Zoraya?! Abraços!
Anônimo disse…
ih caramba ... essa velhinha vai aparecer no ID ...
aretuza disse…
deixou todos nós curiosos!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …