Pular para o conteúdo principal

DIA DE FÚRIA >> Whisner Fraga

Era natural que muitos de nós saíssemos de Ituiutaba, pois, naquela época, o município oferecia poucas opções para quem quisesse continuar os estudos. Pois bem, Uberlândia era uma cidade em crescimento e a universidade federal de lá, uma alternativa para nós. Éramos, em geral, pobres e, portanto, obrigados a dividir com desconhecidos as casas situadas nos bairros mais próximos dos câmpus Santa Mônica e Umuarama.

A primeira dessas repúblicas em que morei albergava sete indivíduos, de modo que necessitavam de um oitavo. Cheguei até lá porque um amigo de um conhecido do empregado do ex-patrão de meu pai sabia de um primo que morava em um apartamento que estava com a parte de baixo da beliche desocupada. O aluguel saía barato, apesar dos quatro quartos que o local possuía, e se encaixa no orçamento de meus pais. Sim, porque estudante de Engenharia não trabalhava naquele tempo.

Dos sete que lá estavam, quatro eram estudantes, dois bancários e um vagabundo. Como eu era calouro no curso de Mecânica, me tornei o quinto universitário. Não vou descrever os sujeitos, porque isso é matéria de romance, não de crônica. Romance que pretendo criar, diga-se de passagem. Aos poucos, fui me acostumando à rotina da república, que, evidentemente, tinha suas regras.

Uma dessas regras era sacanear alguém, de segunda a quinta. Porque, de sexta a domingo, quase todos viajavam e a baixaria não teria público. Não foi no primeiro dia que eles confiaram em mim, a coisa foi lenta e se deu no terceiro dia em que eu lá morava. Isso porque eles precisavam de outra pessoa para apoquentar alguém que merecia há muito tempo: um vizinho barulhento e mimado que morava com os pais, no apartamento de baixo.

Lá todos tinham apelidos e, a bem da verdade, não me lembro do nome de ninguém, mas sei que, quem me chamou para a bagunça foi o Batman, um conterrâneo. O motivo da alcunha, vocês podem desconfiar: ele tinha o hábito de dormir durante o dia e trabalhar à noite. Isso porque estava no último ano do curso de engenharia elétrica e estagiava em uma importante fábrica de cigarros. Ia pouco à universidade e acordava por volta das dezenove horas para alguma peripécia. Tinha tempo de sobra, pois só precisava estar no estágio a partir das vinte e uma.

Batman estava com um travesseiro a tiracolo e ambos conversávamos encostados no peitoril, reclamando da vida. Morávamos no terceiro andar. Na janela de baixo, o moleque fumava um cigarro e ouvia Iron Maiden. O tom de nosso papo foi mudando e dali a pouco eu gritava. Que a vida estava difícil, que eu odiava aquele lugar, que eu não me acostumara à vida estudantil longe de casa. Nisso Batman começa a me recriminar, que eu sou fresco, que eu devia crescer e tal. Fomos nos empolgando com a atuação e dali a pouco começamos a simular uma briga: tapas, pontapés, xingamentos e a coisa ia engrenando.

Até que, em determinado momento, ouvimos a campainha: devia ser alguém do prédio, preocupado. Não fomos atender e nem paramos com a comédia. Dali a pouco, o clímax. Eu berro: “seu filho da mãe, vai falar merda no inferno, eu vou te jogar lá em baixo!” Ouvem-se barulhos amedrontadores e um grito, ao mesmo tempo em que Batman atira o velho travesseiro janela afora. Do apartamento de baixo escutamos um caos de gente desesperada, um gordinho uivando, num falsete de dar pena, que alguém lá de cima morrera esborrachado.

Comentários

albir disse…
Whisner,
muito divertidas suas memórias.
Zoraya disse…
Whisner, transforma logo isso em romance, vai!
whisner disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
whisner disse…
Zoraya e Albir, muito obrigado pela leitura. Um grande abraço aos dois.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …