Pular para o conteúdo principal

INVEJA E MALEDICÊNCIA >> Albir José Inácio da Silva

A inveja tem me levado à maledicência, numa combinação de pecados que muito provavelmente vai me conduzir às profundas do inferno.

Minha cara encarquilhada e minha boca murcha não param de denegrir rostos luzidios e lábios grossos, chamando-os de caras de empada e beiços de gamela, como se fossem crimes os milagres estéticos com que a modernidade nos presenteia. No fundo me consome a inveja da coragem com que esses intrépidos enfrentam os procedimentos com agulhas e bisturis, além da inveja óbvia pelas diferenças alcançadas.

Se me virem falando mal de alguém, podem procurar porque lá no fundo vão descobrir a acidez da inveja. Sou, de regra, bonachão, compreensivo, perdoo quase tudo, faço discurso bonito de compaixão. Mas se me pica a inveja, qualquer sucesso alheio vira vexame e qualquer nobreza, escândalo.

Mas minhas inveja e maledicência não se limitam às decepções estéticas que sofro no espelho. Alcançam assuntos mais sérios, como administração pública, de que eu deveria manter respeitosa distância, recolhendo-me à bagatela, em vez de sair por aí reclamando de coisas que deveria aplaudir, como os trens, por exemplo.

Para quem não é do Rio, devo informar que os ônibus não são melhores que os trens. Ambos transportam pessoas como se fossem gado, com temperaturas de forno crematório, em carros velhos, sujos e perigosos, que não respeitam horários nem pessoas. Mas os empresários desse setor contam com poderosos lobbies que se infiltram nas casas legislativas, impedem comissões de inquérito e garantem a continuação do descalabro. São intocáveis em seus lucros, mas sempre perdoáveis em seus desatinos.


Diga-me, leitor, existe ato de maior coragem para um administrador público, candidato às próximas eleições, que declarar alto e bom som que “está muito satisfeito com a Supervia”, um serviço que ele deveria fiscalizar, que maltrata e humilha centenas de milhares de eleitores todos os dias?

É preciso ter muita fibra. Porque seria mais fácil fiscalizar, punir, descredenciar, cassar, proscrever da contratação com o poder público, já que assim contaria com apoio do povo, teria respaldo legal, cumpriria com o seu dever e, sobretudo, atenderia à moral e à dignidade. Mas não. Ele faz o mais difícil.

E são esses gestos assim, ousados, grandiosos e despojados - ele não pensa nem na própria eleição - que deflagram minha inveja e maledicência. Maledicência de que esta crônica é exercício, como você já percebeu.

Tive cólicas com a coragem demonstrada pelo senhor vice-governador ao vir a público defender a incompetência e elogiar quem deveria punir. Sempre ouvi que suicídio é pecado e covardia. Por isso, só de mim pode partir a sugestão pusilânime para que o ilustre governante se desculpe à moda japonesa nos casos de desonra: o haraquiri.

Mas o verdadeiro, o de faca nas tripas. Porque o político ele parece que já tentou.

Comentários

Zoraya disse…
Textaço, aço, aço, Albir. Deveria ser colocado em todos os outdoors da cidade. Lavou minha alma. Valeu.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …