Pular para o conteúdo principal

MANUAL DE INSTRUÇÕES >> Mariana Scherma

Uma confissão: eu nunca consegui chegar até o fim de um manual de instruções. De carro, de celular, de tevê, todos me fazem desistir na terceira página ou até antes. Se sofresse de insônia, teria sempre um manual na cabeceira, é melhor que suco de maracujá. Mas admito que eles são importantes, tanto que resolvi fazer um manual para levar o dia a dia numa boa. Talvez seja útil pra você, nem que for pra curar a insônia por vir...


Acorde sorrindo. Antes de levantar, antes da primeira espreguiçada do dia, ainda deitado, dê um sorrisão, daqueles de arcada dentária completa. Sorria pro nada, pra você mesmo, pro dia que tá começando (não importa se é segunda ou sábado). É como se você disse: to te dando uma chance, dia.

Mantenha distância de gente negativa demais. Sabe aquele tipo que senta do seu lado só pra reclamar. Nada está bom pra esse fulano, o calor, o frio, a situação financeira, o esmalte lascado... Gente muito reclamona deixa o ar pesado e difícil de respirar, são os poluidores do bom relacionamento.

Tá puxado o dia? Tome um sorvete, sem se importar com o horário. Eu juro que nunca vi ninguém bravo ou estressado tomando um picolé, uma casquinha ou um sundae extra grande. São aqueles cinco minutinhos de folga do mundo, das preocupações, só você e seu gelado. 

Sue a camisa (ou o top). Parar significa enferrujar nossas próprias engrenagens. Não entendo gente que cuida do carro como se fosse uma extensão de si mesmo, mas finge que não vê a barriga tomando a frente da situação. Sem contar que um pouco de exercício deixa a gente mais alegre, bem disposto e oxigena as ideias. Ache seu esporte preferido e borá lá.

Todo mundo precisa de um hobby. Você merece uma distração que faça sua cabeça viajar. Pra mim, ler, assistir a filmes e (re) ver Friends e The Big Bang Theory funcionam como um reset pra mente.

Faça sua trilha sonora. Eu adoro playlists pra cada momento, dia, semana... Música é como se fosse um segundo ar (tão necessário quanto o oxigênio). Eu não consigo ficar estressada se tem um CD bom tocando em casa. Música pra cozinhar, tomar banho, até playlist de faxina eu tenho.

Tente não julgar os outros. Na maioria das vezes, você se arrepende do pré-julgamento e do preconceito nosso de cada dia. Dê um voto de confiança e não de desconfiança. Imagina se todo mundo resolver pensar desse jeito que mundão mais lindo não vai nascer?!

Não empurre os problemas. Se der pra resolver na hora, faça isso. Se não der, resolva assim que der. Mas ficar sofrendo e reclamando deles não faz nada se auto-solucionar, vai por mim.

Você tem uma beleza só sua. Ninguém tem um corpo igual ao seu, então pare de querer ser a Fernanda Lima ou o David Beckham. Comparação com foto de revista ou imagens da tevê é injusto e não vai fazer você melhorar. Isso só tende a deprimir. Pra melhorar, faça o seu melhor por você mesmo.

Dê uma chance aos seus prazeres ocultos. Assistir a um programa besta, ficar de roupa velha em casa, começar uma refeição pela sobremesa... Você precisa de uma folga do que todo mundo considera certo.

Aceite que não sabe tudo e, por isso, permita-se aprender. Pra mim, ser esnobe é um dos maiores defeitos. Tanto um cachorro vira-lata quanto um professor com doutorado na Sorbonne podem lhe ensinar algo que vai fazer diferença na sua vida, basta abrir a cabeça.

Comentários

nossa amei sua cronica,adorei mesmo,vou seguir o blog com certeza!!! se der dá uma olhadela na minha tambem!! sou iniciante então...é complicado,mais uma vez amei!!! www.cronicasdodiaadia1.blogspot.com.br
albir disse…
Mariana,
Você pode não ser muito boa para ler manuais, mas é ótima para prepará-los.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …