Pular para o conteúdo principal

A FILHA DA MÃE >> Albir José Inácio da Silva

Jerusa posa de quem cumpriu o seu papel. Não que tenha se dedicado ou acarinhado a velha, mas tinha representado bem. Isso a deixa confortável, quase alegre, quando a última pá de terra é jogada. Óculos escuros escondem olhos secos, que passeiam pelos presentes a perscrutar-lhes os pensamentos, enquanto a voz simula emoção adequada à ocasião.

Foram doze anos aturando o mau humor e as reprimendas por causa de namorados, porque abandonou a escola e não parava em nenhum emprego. Doze anos ouvindo que gastava demais e não ajudava nos trabalhos da casa. Doze anos escutando ameaças de que tudo seria vendido e o dinheiro entregue a instituições de caridade.

Agora acabou o tormento. Já ia tarde. Dava-lhe nos nervos há tempos aquele monte de ossos entortados, aquela pele rançosa, aquele cheiro de mofo. Dali já avistava a saída do cemitério. Acabava de enterrar seu passado. Era vida nova. Sua vida e seus bens.

Um pouco à frente do cortejo percebeu olhos que a encaravam. Era Tica, a filha da vizinha. Não gostava da garota. No início sua presença na casa tinha até sido bem vinda. Fazia companhia pra velha, deixando Jerusa livre para os bordejos. Mas, com o tempo, passou a ser uma perigosa testemunha de sua impaciência, uma ameaça à imagem de boa filha que, a duras penas, tentava preservar.

Não sabia que tanto tinham para conversar, uma menina de doze anos e uma velha de mais de setenta. Enviando uns rótulos que a velha juntava, Tica inscreveu-a num sorteio anunciado na televisão, e Dona Honorina ganhou um celular. As duas passavam o dia todo mexendo no aparelho. Era um celularzinho vagabundo, mas com essas novidades de hoje: tira fotos, grava voz e faz até ligações. O que mais divertia Dona Honorina era ouvir a própria voz gravada. Dava gostosas e desdentadas gargalhadas.

Agora ali estava Tica com aquele olhar atrevido. Ainda bem que não teria mais de aturar aquela pirralha. Jerusa olhou de novo e viu, ao lado de Tica, a mãe de Tica com o mesmo olhar desafiador. Deu de ombros, não devia nada a elas.

Já via os carros do lado de fora, mas as pessoas andavam devagar. Tinha de acompanhar o cortejo, mas a vontade era de correr logo dali. Lembrou-se de ontem. A velha estava naquele fala, grava, ouve e ri, quando sentiu a dor no peito. Ainda bem que Tica não estava lá.

A SAMU chegou mais depressa do que Jerusa desejara, mas não teve jeito, a velha empacotou. E não havia surpresas, a velha era doente mesmo, era velha mesmo, e não poderia durar muito mesmo.

Envolvida lá com seus planos e pensamentos – a casa valia uma fortuna, havia outros imóveis e ainda ficava livre daquele traste - Jerusa nem se preocupou com aquela porcaria de celular. Tivesse lembrado e impediria Tica de levá-lo, nem que fosse para atormentá-la.

E é o que deveria ter feito. Sentada no sofá, ao lado da mãe, Tica vasculhou o aparelhinho, examinando melhor o que já considerava sua propriedade. Foi então que ouviram a voz sufocada de Dona Honorina: “... o remédio... aquele ali... embaixo da língua... depressa...”. Em seguida, nítida e forte, a sentença de Jerusa: “Não! Chega! Você já tomou remédios demais. É melhor descansar de uma vez, que assim descansamos todos”. E as imagens desse diálogo foram facilmente adivinhadas pela vizinha.

A última vez que Jerusa viu aquela maquininha do inferno foi na cama desarrumada, quando a mãe foi levada para o hospital. Mas agora, sob o pórtico do cemitério, reconheceu o celular na mão do homem que lhe barrou os passos.

“A senhora é a Dona Jerusa? Vire-se, por favor!”

Comentários

Zoraya disse…
Adorei!!! Bom demais quando o bandido tem um gostinho de vitória antes da queda.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …