Pular para o conteúdo principal

O PODER DA FOFOCA >> Mariana Scherma

Ser jornalista, ter perfil em redes sociais e o simples fato de morar no planeta Terra são os principais fatores que me fazem estar sempre por dentro de algumas notícias de celebridades. Por mais que eu não queira saber, eu sei. Por mais que eu não queira comentar, de repente, solto algumas fofoquinhas e meu pai vem com uma exclamação “como você sabe desses assuntos, né?”. É, pai, eu sei. E eu também sei que ele não fica superorgulhoso desse meu tipo de sabedoria popular, enfim...

Mas vamos à questão. Como jornalista, desconfio de todas as fofocas e também acredito que onde há fumaça pode ter um show de reggae, quer dizer, pode ter fogo, sim. Por isso, quando fizeram todo aquele anúncio sobre o caso Cauã Reymond, Grazi e Isis Valverde, eu desconfiei de que era nada a ver e, depois, achei que tinha tudo a ver. Porque só porta não muda de opinião, né? Quando vi que a minissérie se chamaria Amores Roubados, achei piada pronta. Mas aí suspeitei de um complô pela boa audiência. No fundo, eu sou dessas que vê conspiração em tudo. Adoro, ué. Uma coisa é certa: enquanto não ler uma declaração de um dos envolvidos, vou seguir acreditando e duvidando, mas sem alarde. SEM alarde.

Ufa, cheguei na parte onde eu queria. Desculpa levar dois parágrafos do seu dia pra isso. Mas o que mais me chama a atenção nessas pseudonotícias de celebridade é como o povo ama uma traição. Pra muita gente, ver o circo pegar fogo entre casais é tão bom quando uma final de Copa do Mundo, tipo Brasil X Argentina. E sempre que eu vejo as pessoas eufóricas com essas fofocas, não consigo deixar de me perguntar o que eles ganham com isso. Muita gente vestiu a camisa da Grazi e chamou a Isis de tudo o que é nome feio. O que essa galera ganha com isso? Ainda comparando ao futebol, vestir a camisa do seu time e ser campeão é uma emoção boa, mas no caso de traição (ou não), é uma emoção vazia.

O poder da fofoca é uma coisa incrível mesmo. Também mobiliza multidões, como um esporte, mas, às vezes, tenho a impressão de que sempre rola uma torcida grande pela infelicidade alheia, principalmente se você é bonito e aparece na tevê. Como se isso já fosse sorte o suficiente. Algo como: “tá na Globo? Ah, merece um chifre!”. É por isso que eu admiro artistas que não falam um “a” sobre sua vida privada. Se você gosta do trabalho dele, não precisa saber sobre seus romances, sobre suas preferências no café da manhã... Aprecia o trabalho e pronto, ué. Confesso que fico até mais fã de artistas que não possuem perfil em redes sociais, isso conserva o mistério.

Fofoca é uma coisa louca mesmo. Você sabe, veste uma camisa e sai xingando um dos personagens da fofoca como se fosse um juiz de futebol (não que o juiz mereça os xingamentos). Fofoca dá às pessoas um poder de juiz soberano, todo mundo tem um julgamento pronto pra soltar. Pobre de quem vira alvo. E vamos combinar, pra virar alvo de fofoca não precisa nem ser celebridade.

Comentários

gostei muito, odeio fofoca, me conta outra... shasuhuas
albir disse…
Tem razão, Mariana, pra virar alvo basta estar ao alcance.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …