quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

ATÉ QUE A VIDA NOS AMPARE >> Carla Dias >>


Tire os sapatos, desarrume os cabelos dançando pela sala, desarrume a casa com a sua alegria, descanse olhando o mundo pela janela. Lançar-se à felicidade não se resume a sorrir para a foto, a posar para a situação, a fazer de conta que está bom como está. Lançar-se à felicidade é, primeiramente, um desafio que demanda ousadia.

A ousadia de considerar a felicidade quando tudo anda meio mais ou menos.

Como lhe deixa mais ou menos não ter o emprego que gostaria, e por isso você acumula horas de reflexão sobre como seria bom estar em outro lugar, fazendo outra coisa, sendo outra pessoa. Só posso lhe dizer o seguinte: dê uma segunda chance a um disco que você ganhou e do qual não teve coragem de escutar mais de uma música. Permita-se deslumbrar pela beleza de um fim de tarde, mesmo que o observe da janela do escritório. Beba um café fresco, porque ele sempre deixa o dia mais animado. E saiba que, talvez, seja hora de descartar a sensação de estar no lugar errado e começar, se não a aceitar que o lugar é certo - o que pode ser -, começar a procurar uma nova casa para seus projetos de vida.

Se eu fosse você, abraçaria aquela pessoa pela qual sente um apreço danado, e abraçaria demorado. Eu sei, eu sei... O mundo é complicado, a vida, às vezes, faz a gente girar feito pião, desorientando-nos. O sapato aperta, a roupa esquenta muito, a comida não é a preferida, cai o sinal do celular, da tevê a cabo, temos de chegar na hora em lugares os quais nem gostaríamos de conhecer.

E sei que dá medo, porque abraço demorado pode finalizar platonice, de acordo com o olhar lançado após o feito. Mas o máximo que pode acontecer é você perceber que ali não haverá segundo abraço. E quem, afinal, se contentaria com afeto com edição limitada?

Afeto a gente solta no mundo, e ele sempre nos traz algo positivo de volta. Em dias mais inspirados, traz alguém que vem para ficar.

A gente sofre um tanto pensando estarmos no lugar errado, vivendo as situações erradas, lidando com as pessoas erradas. Mas a verdade é que, quando se trata da vida, nada está errado. Tudo apenas está. É possível mudar ao tirar os sapatos, despedir-se dos incômodos, esvoaçar cabelos no secador de mãos do shopping, desarrumar o dentro de alguém por pura alegria, inspirar o olhar lançado pela janela. Assim, é possível que o abraço vingue, rendendo companhia para a vida.

Que se lançar à felicidade é descartar fórmulas, e orientar-se pelo desvario das possibilidades.

Imagem: sxc.hu

carladias.com



Partilhar

2 comentários:

Zoraya disse...

Carla, você, como sempre, dando alento e bons conselhos embrulhados em lirismo. Cadê o livro?

Carla Dias disse...

Zoraya... Fico feliz que haja quem escute meus conselhos nesse tipo de embrulho :)
O livro, eu prometo, vai sair da teoria. Mas nesse momento estou às voltas com um que já vinha escrevendo, antes das profissões surreais. Vai sair! Beijo.