Pular para o conteúdo principal

VIDA PERFEITA #SQN >> Fernanda Pinho

Acordou atrasada e poderia ter atribuido à pressa o fato de a saia lápis 38 ter rasgado quando tentou vesti-la. Mas seria injusto com a pressa. Já havia se pesado secretamente e sabia que as festas de fim de ano lhe haviam trazido quatro quilos de volta. Optou por uma calça de cintura alta 40. A primeira que viu pela frente, já que não havia tempo para a escolha. Tudo bem. A calça também fazia um belo par com a blusa amarela de seda que estava usando pela primeira vez. Primeira e última, conforme lhe passou pela cabeça quando, ao chegar no escritório, sentiu o calor do café da mocinha do almoxarifado inundar sua barriga depois de um esbarrão inesperado. Diante do incidente, aceita emprestada de um colega uma camisa branca de malha, sem graça e masculina. Melhor que passar o dia melada de café. Tenta se concentrar no trabalho, mas sabe que não irá render enquanto não fizer aquilo. Vai ao banheiro e liga. Ele demora, mas atende. Ela despeja tudo o que havia ensaiado durante a noite de insônia. E coloca um ponto final. Mais um. Já foram tantos que virou reticências…

Enxuga as lágrimas, retoca o corretivo, passa duas fases no Candy Crush e já é quase hora do almoço. No restaurante de sempre, lembra-se do episódio da saia rasgada e pede uma salada. Come a salada. Lembra-se do episódio do telefonema e pede um prato executivo com picanha, farofa e batata frita. Come a picanha, a farofa e a batata frita. E um brigadeiro, já que foi almoçar sozinha e ninguém viu. Tudo certo. É a primeira vez em que sente alguma satisfação naquele dia.

Consegue até reunir alguma energia para passar a tarde analisando entediantes planilhas no Excel. Com fones de ouvidos devidamente ligados, uma vez que não suporta o ruído que o colega da mesa ao lado faz ao mastigar chicletes.

Antes do happy hour com as amigas, decide encarar a academia. A culpa pela picanha na hora do almoço ainda não foi digerida. Ignora solenemente a existência de alguns aparelhos e resolve que é dia de caminhar na esteira. Correr, só amanhã.

Como era de se esperar, o encontro com as amigas é revigorante. gargalhadas até a terceira dose de tequila que desce junto com as primeiras lágrimas, descumprindo a promessa feita quinze minutos antes de que não choraria mais por ele.

E chorou até a cama, onde encerrou aquele diazinho besta. Ou não tão besta. Ao menos, postou a foto do look do dia feita no elevador, escreveu no Facebook uma indireta em forma de frase atribuída ao Caio Fernando de Abreu, contribui com a imensa coleção do Instagram de fotos de saladas e pessoas na academia, contou pra todo mundo que estava ouvindo U2 durante o expediente, e deu check-in no bar onde esbanjou felicidade com as amigas.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …