Pular para o conteúdo principal

O QUE TEM EM BELO HORIZONTE >> Fernanda Pinho



Quando percebem que sou brasileira, a primeira coisa que os chilenos me perguntam é: “de que parte do Brasil?”. Eu digo Belo Horizonte e daí, geralmente, é das duas uma: ou eles ignoram a informação por não ter o que dizer e contam que já viajaram/ou gostariam de viajar para Florianópolis ou Búzios, ou perguntam se Belo Horizonte fica perto do Rio de Janeiro ou de São Paulo. Ok. Não posso ser injusta, neste um ano e meio morando aqui houve uma meia dúzia de bem informados que retrucou o dado perguntando se eu torcia para o Atlético ou para o Cruzeiro (normalmente, fanáticos por futebol que, por conhecerem todas as equipes, conhecem todas as cidades. Depois ainda dizem que futebol não é cultura).

E há ainda alguns poucos que nunca ouviram falar de Belo Horizonte mas, diante da oportunidade, querem saber mais. E aí vem uma outra pergunta recorrente: “O que tem em Belo Horizonte?”. Interrogativa normalmente seguida de outra: “Tem praia?”. Eu digo que não, não tem praia. Mas tem montanhas e na falta do mar é possível apreciar as maravilhosas cachoeiras de cidades vizinhas. Conto que tem minério, mineradoras, dois milhões e meio de pessoas e paro por aí.


Não adianta muito tentar explicar o que realmente tem em Belo Horizonte para quem não tem uma relação sentimental com a cidade. Em Belo Horizonte tem um povo que vai te oferecer ajuda se o pneu do seu carro furar ou se você for roubada. Seja quais forem as circunstâncias. Em Belo Horizonte tem um boteco em cada esquina, prontos para servir quem é de cachaça ou quem é de cerveja gelada (sempre com tira-gosto). Em Belo Horizonte tem pão de queijo em qualquer padaria (e Mate Couro também). Em Belo Horizonte tem gente que sente fripadaná se o termômetro chega aos 20 graus. Em Belo Horizonte tem ruas confusas com retornos que te fazem sair da cidade. Mas tem gente disposta a te ajudar a encontrar o caminho, ainda que com uma explicação mais confusa que o trânsito em si. Em Belo Horizonte tem um céu com um azul que não existe em nenhum outro lugar do mundo. Uma profusão de cheiros que só existe no Mercado Central. Uma mistura de gente que só se vê na Feira Hippie. Em Belo Horizonte, às seis da manhã, o mundo já está em plena atividade. Em Belo Horizonte tem gente que lava a calçada (ou melhor, lava o passeio) com a mangueira enquanto conversa com o vizinho do lado. Tem mangueira, e jaboticabeira, e goiabeira. Em Belo Horizonte tem canudinho de doce de leite, frango caipira e feijão tropeiro. Em Belo Horizonte, tem gente que olha deslumbrada quando vê um estrangeiro. Em Belo Horizonte tem mineiro, mineirês, Mineirão e Mineirinho. Em Belo Horizonte tem um charme discreto, sossegado e despretensioso. Não é conhecida pelo mundo todo. Mas é inesquecível para quem conhece.

Foto: Osvaldo Castro, um desses forasteiros que se apaixonou.

Comentários

Larissa disse…
Adorei o texto!!! Até me emocionei ao reconhecer nas características que realmente essa é a nossa BH!! Parabéns!!!
Adorei o texto, minha cara! Eu amo BH radicalmente!

Bjs, Isabela.
www.universodosleitores.com
silvia tibo disse…
Lindo texto, Fê!
Traduz direitinho tudo o que BH tem de mais gostoso...
Delícia de texto sobre uma delícia de cidade...
Beijo grande!
Anônimo disse…
Exatamente esta sensação qdo viajamos para fora... e para dentro do país também viu? BH é vista como interior... e não é que é mesmo? Onde em meio a um trânsito caótico de "grandes capitais" vamos achar gente que faz bolo em casa ou outra delícia qualquer e leva um "pedacim" para os colegas de serviço? Ah... este jeito mineiro de ser.... não.. não há em outro lugar do mundo..nem nas famosas Rio e São Paulo que ficam alí óh... do ladim de Minas...
Cristiane disse…
Toda vez que chego a Belo Horizonto é como chegar em casa. Amo Belo Horizonte!
Lucas Conrado disse…
Olha, eu sou apaixonado por duas cidades nessa vida: Belo Horizonte e Santiago do Chile. Digo que BH é a Santiago Brasileira.

Uma cidade linda, construída no pé de montanhas. Um povo educado e receptivo. Árvores, muitas árvores, parques e praças...

Quando um chileno perguntar o que tem em Belo Horizonte, diz que é tipo Santiago. Mas uma Santiago mais quente e mais colorida.

E mais amorosa!
Anônimo disse…
Belo Horizonte é única! Não existe lugar igual no mundo!
Hueraldy disse…
uuuuuuuuaaaaaaaauuuuuuuuu que texto demais.....

Show, show, show...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …