Pular para o conteúdo principal

FAVOR COMPARTILHAR ATÉ CHEGAR NA BEYONCÉ (PARTE II) >> Clara Braga


Mrs. Carter ou Beyoncé,

sim, sou eu de novo. Depois de escrever aquela primeira carta para você, senti que precisava te dar um retorno sobre como seria o show do Aerosmith. Como o show foi semana passada, aqui estou eu novamente para te dizer que, apesar de ter dito que eu espero que você volte à minha cidade, talvez seja melhor você esperar um tempo - um bom tempo - antes de vir novamente a Brasília. Pelo visto, construíram um local para que grandes shows viessem para cá, mas não prepararam pessoas para trabalharem nesses grandes eventos.

O som estava consideravelmente melhor, dessa vez eu consegui ser uma das pessoas que interagiam e cantavam junto. Mas como disse na carta anterior, dessa vez eu fui na pista, não sei como estava o som para as pessoas da arquibancada. Inclusive, acho que vou tentar descobrir, pois talvez seja o caso de também escrever uma carta para o Steven Tyler. Ainda assim, mesmo estando melhor, ainda estava ruim, um pouco abafado e embolado, não sei se existe um termo técnico para definir isso. Inclusive, teve um momento que não conseguimos reconhecer uma das músicas que foram tocadas, então decidimos usar nossa imaginação e concordamos que naquele momento ele estava fazendo uma homenagem a você cantando uma versão exclusiva de All the Single Ladies.

De qualquer forma, fiquei extremamente feliz de ter ouvido ao show além de visto, Aerosmith é realmente uma das melhores bandas de rock que existem e o show deles é maravilhoso. Aliás, você conhece o Steven Tyler pessoalmente? Acho que seria interessante um encontro entre vocês para trocarem figurinhas, ele revelaria o segredo para manter aquela voz incrível aos 65 anos de idade e você daria umas dicas sobre como obter e manter um corpo um pouco menos mirradinho… nada contra, mas o Joe Perry parecia ter saído diretamente daquele filme Convenção das Bruxas, já assistiu? Toda vez que ele tirava o colete, ou o chapéu eu lembrava daquela cena na qual as bruxas se reunem e começam a tirar as perucas, as máscaras e realmente se transformam em bruxas! Terrível!

Bom, mas deixando isso tudo de lado, deixa eu explicar porque o pessoal de Brasília não está preparado para shows grandes. Você acredita que em um estádio daquele tamanho, com diversos portões, eles limitaram a entrada de cerca de 25 mil pessoas a um portão? Claro que na hora que a banda de abertura começou a tocar uma grande parte do público ainda estava parado do lado de fora sem poder fazer nada. E o que mais dói o coração é que a banda de abertura não era uma banda qualquer, era Whitesnake!! Pense em um público que estava revoltado!

Isso sem contar que eles divulgaram que seria um show muito seguro, que as pessoas não precisavam se preocupar, mas na entrada tinha mais ou menos de 8 a 10 seguranças apenas revistando essas 25 mil pessoas, vai me dizer que não estava fácil fácil para alguém entrar com uma arma ou algo do tipo? Ninguém se quer abriu minha bolsa e meu namorado, para entrar, teve apenas que levantar a blusa! 

Bom, mas realmente pareceu ser um show seguro, não posso negar, não tiveram grandes ocorrências de roubo ou atos parecidos, a única coisa que assusta é que a única pessoa que eu vi comentar ter sido roubada, posteriormente encontrou o aparelho celular sob a posse de um dos policiais que fazia a segurança do lado de dentro do show, parece até mentira né?

Agora, sabe o que mais dá medo? É que se foi essa confusão com 25 mil pessoas, imagina a confusão que não vai ser na copa! Você não está pensando em vir, está? Se estiver, recomendo repensar a ideia. Eu estou pensando em fazer uma viagem para fora do país nessa época e ficar bem longe de toda a confusão, alguma dica?

Bom, mas vamos torcer para que até lá as pessoas já estejam mais preparadas para lidarem com grandes eventos, eu mantenho contato e assim que as coisas melhorarem por aqui eu te aviso, ai você marca um novo show, um show onde todos vão te ouvir, vão participar, vão conseguir entrar com calma e vão poder de fato se sentirem seguros lá dentro.

Enquanto isso, Brasil, vamos tentar manter em mente aquela pequena frase que ficou estampada em todos os telões do show durante a apresentação do Aerosmith quando eles mostraram a bandeira do Brasil: Ordem e progresso! Mesmo que para alcançar a ordem seja preciso, antes, causar a desordem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …