Pular para o conteúdo principal

O ESTRATAGEMA - PARTE I >> Zoraya Cesar

Depois de muito esforço e de concordar em pagar uma boa pensão,  Lucio finalmente conseguiu que Violeta saísse de casa, assinasse a separação e parasse de aborrecê-lo com seus recados carinhosos, seus emails, presentinhos, bilhetes, declarações de amor. Violeta era um grude, já entrara na meia idade e Lucio não a agüentava mais. 

Em menos de dois anos ele se apaixonou novamente e - tem homem que não consegue ficar sozinho - casou com a meiga, compreensiva e loura Cristiny. Alguns dias após a cerimônia, chegou o primeiro sinal de que Violeta não murchara nem fenecera na poeira do tempo. O presente de casamento foi parar diretamente nas mãos de nova esposa, acompanhado de um cartão gentil e meloso, e Lucio se preparou para a grande cena de ciúmes. Suou frio.

Cristiny, no entanto, teve uma reação totalmente inesperada: achou tudo muito civilizado e delicado da parte de Violeta e colocou o presente na sala. Lucio só faltou chorar de alívio, finalmente encontrara uma mulher sensata (Caros Leitores, não se zanguem comigo, essa é a opinião dele). 

Violeta continuou a dar sinais de vida. De tempos em tempos, em intervalos cada vez mais curtos, escrevia cartas a Cristiny, como se fossem velhas amigas, contando pequenos segredos e intimidades de Lucio (“nunca lhe ofereça chá, ele diz que é coisa de doente; quando ele acordar mal humorado, nem chegue perto; ele ‘funciona’ melhor de manhã...”), e falava de seus próprios erros, alertando Cristiny que não os repetisse... Lucio ficava louco de ódio, mas a esposa achava interessante alguém ainda usar cartas e disse entender a posição de Violeta, afinal, era difícil se conformar em perder um homem como ele. 

Lucio começou a ficar realmente exaltado quando passou a receber mensagens de Violeta em seu email particular, ao qual pouquíssimas pessoas tinham acesso. As mensagens, carinhosas, lembravam os velhos tempos, incluíam detalhes picantes e recordações românticas. Aquela mulher não tinha noção? Estava querendo destruir seu casamento, isso era óbvio. Até onde iria a tolerância de Cristiny com os desvarios da ex-mulher? Desativou seu email, trocando-o por outro. As mensagens continuaram chegando, misteriosamente, quase lhe causando um ataque de nervos, pois, por mais que pesquisasse, não conseguia rastrear o paradeiro de Violeta. 

A coisa toda foi tomando proporções maiores, Violeta agora mandava presentes, todos relacionados às coisas que faziam enquanto casados. DVDs dos filmes que assistiram juntos e que ele gostara; lançamentos dos autores que ele admirava; até uma geléia de limão italiana que ele adorava, caríssima (“não reparem, encontrei numa promoção, não pude deixar de lembrar o tempo de vacas magras, quando tínhamos de dividir um milk-shake”). Lucio tinha tremores de ódio com a intrusão inconveniente, mas Cristiny continuava tranquila, e ainda brincava, Amor, não sabia que você era fã de Piratas do Caribe, vamos ver juntinhos? 

Ele não achava a mínima graça, conhecia Violeta, devia estar armando alguma. A essa altura, vocês devem estar se perguntando por que Lucio não procurou a polícia ou um advogado para dar um fim à perseguição. A verdade é que, enquanto estavam casados, Lucio se envolveu em algumas falcatruas pesadas, e Violeta de tudo sabia. E se vocês me perguntarem por que uma mulher possessiva como Violeta não denunciou o marido, movida pela dor de cotovelo, eu não saberia responder. Talvez ela não quisesse perder a pensão. Talvez o amasse de verdade. Quem sabe? 

Mais algumas semanas se passaram até que Lucio resolveu dar um basta naquilo por conta própria e, respondendo a um dos emails de Violeta, pediu um encontro. Lucio tinha um plano. E uma arma não registrada. 

No dia marcado, às nove horas da noite, ele subiu as escadas apodrecidas de um prédio velho e mal cuidado, num subúrbio distante, sem porteiro, sem vigilância. Um lugar tão pobre que nem traficantes havia. Paredes pichadas, cheiro de gordura e comida velha, sons de televisão no último volume, vozes iradas, crianças chorando. Uma pocilga. Como Violeta podia estar morando ali, com o dinheiro que recebia da pensão? Mas ela podia morar no inferno se quisesse, desde que o deixasse em paz. 

A porta estava aberta. Ele entrou cautelosamente e encontrou Violeta estendida num sofá velho e rasgado, cercada de bebida e comprimidos. A louca, lembrou Lucio, é diabética, não podia beber. Violeta respirava com dificuldade, os olhos fechados. Ele se aproximou um pouco mais e pensou em todos os segredos que a destemperada guardava, no perigo que representava à sua carreira e ao seu novo casamento. Se um dia ela enlouquecesse de vez e abrisse a boca... Lucio pegou uma das almofada jogadas ao chão e fez que nem nos filmes de bandidos, encostou-a no peito de Violeta e atirou, uma única vez, no coração. 

Saiu com a almofada debaixo do braço e teve o cuidado de não tocar em nada. Olhou para os lados enquanto se dirigia para a motocicleta, mas não havia ninguém – não que ele visse. 

CONTINUA NO DIA 25 DE OUTUBRO,  A PARTIR DAS 10H.

Comentários

Mauro disse…
AAAAAH, não vale, quero o resto logo!!! Essa mulher é maquiavélica, tenho certeza!
Anônimo disse…
Eu quero a continuação logo, como o Mauro!!!
Vou ficar imaginando o que será que a Violeta aprontou - será que ela morreu mesmo...
Vc voltou das férias inspirada!

Cecilia
Alexandre Durão disse…
Zoraya. Excelente retorno. Estava sentindo falta. Aguardo o final, ansioso. Beijos.
Anônimo disse…
Essa Cristiny é muito loura! Será que ela nao tá vendo que tá todo mundo doido? Uma psicopata e um assassino na mesma família? Ô loura azarada.
Erica disse…
Cristiny é nome de periguete... e essa Violeta deve estar tramando alguma. Se ela morreu de verdade, devia estar gravando tudo com uma câmera escondida pra não deixar o Lucio se safar... você continua com essas histórias de mulheres vingativas... Desse jeito daqui a pouco vai ter material suficiente para publicar um livro inteiro e o titulo pode ser "Homens estúpidos e mulheres vingativas" rs
Anônimo disse…
Quero ler o fim da trama....acho que a Violeta não morreu...beijios. Aglae

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …