Pular para o conteúdo principal

MI BUENOS AIRES QUERIDA [Ana González]

Viajar é exercício de imaginação. Imagens e desejos que se adiantam ao deslocamento físico me capturam e me provocam. Foi assim dessa vez. O destino era Buenos Aires.

Logo após a chegada ao hotel em San Telmo, fui ao café da manhã duas quadras à frente. Aconchego em lugar antigo de histórias a serem adivinhadas. Enquanto bebericava o chá com leite e comia as torradas negras com um tipo de queijo cremoso, percebi que em dois ou três ônibus que passaram pelas janelas que davam para a esquina, grupos barulhentos agitavam bandeiras verde-brancas. Seria manifestação política?

À procura do centro, saí pelas ruas do bairro histórico e boêmio, andando por seu esquadrinhado geométrico de ruas estreitas e casas com portas de bandeira alta. Eu olhava os janelões fechados, com vontade de saber o seu interior. Alguns quarteirões depois encontrei o que buscava.

Enquanto isso, grupos de homens a pé com bandeiras verde-brancas iam à mesma direção. Curiosa, seguia ao lado deles. Ao longo do caminho fui me dando conta da enormidade do movimento que se armava. Essa era a Buenos Aires da mídia impressa atual e dos telejornais. Mas, não era a da minha fantasia.

À frente, em um cruzamento de grandes avenidas, uma pequena multidão se reunia, agitando bandeiras maiores e organizando o som de bumbos. Não brinquei com a sorte. Decidi subir a avenida em frente, mudando um pouco o itinerário planejado.

Foi assim, com uma surpresa não pertencente a roteiros turísticos, que iniciei o ritual da Buenos Aires que me coube. Durante os dias da estada não pude esquecer esta experiência, apesar dos parques verdes e dos museus de Palermo. Apesar da visita guiada no Teatro Cólon, em que tentei inventar um rosto para o terceiro arquiteto que finalizou sua construção. Outros dois, falecidos antes do projeto concluído, como fantasmas saíam detrás das colunas a me assombrar enquanto a guia descrevia a sala em estilo francês para as sutilezas de uma elite rica, com mocinhas em idade de casar sendo apresentadas para a sociedade. Très chic, sans doute.

Lá fora, vi pessoas mexendo nas caixas de lixo na rua, vi mendigos dormindo em praças. Vi sinais de uma situação econômica questionável, com a moeda do país dividida entre a oficial e a outra, ilegal. O dinheiro sumido do bolso das pessoas, o cambio furando as regras do governo controlador. Desgaste dos tempos atuais. Os dados novos da realidade não diminuíam o desejo por essa cidade. Mas, havia enorme distancia entre a fantasia e a realidade, entre a memória e a presença.

Em cafés apreciei delícias pecaminosas e a postura discreta das pessoas a folhear livros e jornais. Nas inúmeras livrarias que se multiplicam, me consolei da pobreza ledora brasileira. Sinais do passado reverberando na elegância dos casacos, nos gestos lentos, nos vitrais coloridos. Ou no desenho das praças e dos museus. Ou no perfil dos prédios e quarteirões de arquitetura grandiosa. Era dia de sol aberto e vento gelado que cortava a pele enquanto os olhos se alongavam largamente por onde o ônibus aberto passava. Tratava-se de uma linda cidade pequena o suficiente para em três horas se entregar ao viajante.

Nas fotos de Evita, espalhadas em bancas e casas de comércio, as saudades do povo. Clima de tango, intenso, emocional. Outras fotos de Guevara e do casal Kirchner apareciam aqui e ali.

Mas a iniciação da manhã do primeiro dia se mesclava a esses e a outros tempos e espaços, em flashes que se multiplicavam. Eu estava desconfortável como um turista mal agradecido, que rejeita o que lhe é oferecido. Traição. Tentei me desculpar. Será tremendo engano frustrar-se.

Recolho-me ao hotel em estilo colonial. Ao abrir a porta da entrada, os dois cães se aproximam mansos. Encontro a máquina de costura na sala de entrada, perdoada em sua velhice por não mais cerzir nem fazer as costuras de camisolas. Os vasos pelo corredor até o meu quarto me recebem e me fazem recordar o belo. Um cachorro latindo na vizinhança. E pergunto à pequena e barulhenta geladeira: Vou poder dormir?

Há nostalgia e um presente que não se quer. Resistência vã, luta inglória. A cidade é tudo o que eu percebo dela, inclusive (ai, principalmente) a realidade. Portanto, desisto e enquanto tento dormir olho o madeirame no teto.

Repasso as lembranças de uma cidade desejada de forma quase obscena. Volto aos corredores do Teatro Colón. Os dois fantasmas lá estão. Em seguida, reconstruo da primeira manhã o momento inaugural de uma estranha iniciação. Então, vindos detrás das muitas colunas, surgindo pelas escadarias atapetadas, me deparo com outros fantasmas. São muitos, vindos de teatros de outras cidades amadas do mundo. Em festa, em profusão. Não portam bandeiras, mas movimentos leves. Envolvo-me nessa transparência. Não reclamam, mas convidam-me. Sem surpresa, com alívio, entro na festa. No tapete vermelho aveludado, todos dançamos um tango.

www.agonzalez.com.br        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …