Pular para o conteúdo principal

ESTÁS AÍ?! >> André Ferrer

O nome do sujeito é Enrique, mas seria perfeito se fosse João. Ela, coincidentemente, chama-se Maria, Maria Teresa, e é interpretada - ou melhor, interpretada e dublada - pela bela e talentosa atriz Andrea Carballo. O que se vê e se escuta no vídeo abaixo - eu logo senti - mais parece um conto de Dalton Trevisan. Para quem não sabe, o autor paranaense explora os chamados “desastres do amor” em histórias curtas cujos personagens atendem obsessivamente por João e Maria.

Ni una sola palabra de amor, contudo, não teria chamado a atenção se fosse apenas um roteiro ficcional. No mês passado, o curta-metragem foi publicado na web e imediatamente visualizado 70.000 vezes (até ontem, 1 de setembro, eram 982.711 visualizações).  Há duas coisas interessantes neste campeão de downloads. Uma delas é a interpretação de Andrea (confira!).

O outro aspecto notável é a história atrás do vídeo - que foi premiado e esteve em inúmeros festivais pelo mundo desde a sua produção em 2011.

Graças a uma secretária eletrônica garimpada numa feira de antiguidades, o cineasta Javier “El Niño” Rodriguez produziu um curta de aproximadamente oito minutos. O material, no mínimo inusitado, é a gravação contida na fita que o aparelho continha. Enrique e Maria Teresa nem desconfiavam que o drama vivido há mais de uma década estava registrado e se transformaria numa obra de arte.

O áudio (a voz feminina que toma grande parte do curta) dublado e interpretado por Andrea são as investidas de uma mulher cujo desespero atinge o ápice e declina para um estado de cômica resignação. Ela liga insistentemente para Enrique. Deseja conversar com o marido e, entre uma frustração e outra, percorre diferentes fases entre a raiva, o cansaço e a resignação. Por causa de uma briga, Enrique a abandonara e estava hospedado na casa de um amigo.

Anos mais tarde, eis que a história sai do esquecimento, resgatada de um mercado de pulgas. De uma hora para outra, o casal ficou famoso. A TV argentina, que também ostenta Ratinhos e Nelsons Rubens, não descansou até encontrar os donos das vozes de Ni una sola palabra de amor. Assim, o curta premiado se tornou popular. Ganhou status de reality show. Maria e João - digo, Enrique - prometem “bombar” ainda mais em setembro.


Comentários

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
Zoraya disse…
André, como sempre, seus textos nos inspiram a procurar, a ler, a saber mais. Obrigada! Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …