Pular para o conteúdo principal

A TERCEIRA RAZÃO [Maria Rita Lemos]

Acordei, hoje, com muita vontade de escrever sobre o desapego.

As razões para isso são três: a primeira veio de uma notícia no jornal que li recentemente, dando conta do êxodo de lavradores chineses que, devido a grande seca na região, tiveram que deixar suas terras às pressas para procurar, na cidade, melhores condições de vida. Sem saída, tiveram que desapegar-se do que era seu.

Segunda razão: encontrei-me casualmente, no último final de semana, com uma amiga querida. Feliz, ela me contou que seu filho, que mora em outro estado, havia vindo visitá-la, por poucos dias, e ela estava fazendo compras no mercado para as comidinhas favoritas dele. Seus olhos se encheram de lágrimas, enquanto ela me contava que sempre que ele vem é assim: como um cometa luminoso, chega e parte, deixando saudade. Ela é muito apegada a ele, e sofre com sua ausência, ainda sabendo que ele está feliz, fazendo o que quer e onde quer.

Lembrei-me, ouvindo a amiga, de uma lenda. Conta a história de um mestre e seu discípulo, que estavam a caminho de uma aldeia vizinha, quando viram, na margem de um rio, uma bela moça tentando atravessar. O mestre ofereceu ajuda e levou-a, no colo, até a outra margem. Logo após, cada qual seguiu seu caminho. O discípulo ficou preocupado, porque aprendera que um monge não deveria jamais tocar numa mulher. Assim, voltando ao templo, ele perguntou ao mestre por que fizera aquilo com aquela moça, ao que ele respondeu: "Eu apenas deixei a moça do outro lado do rio, você é que ainda a está carregando..."

O desapego, das coisas e pessoas, tem que começar bem miudinho, quando nos desfazemos de coisas pessoais no nosso guarda roupa, por exemplo. Não apenas naquilo que não nos serve mais, mas no que queremos dar só para treinar esse traço importante de caráter. Quando mais sábios, podemos treinar com os sentimentos, que também estacionam no verbo "ter": pensamos que "temos" as pessoas. Meu amor, minha esposa, meu marido, meus filhos, meus pais, meu, meu, meu... aí chega a vida e tira algum ou vários deles, brincando conosco, nos ensinando, ou ambos. Perdemos o chão, ficamos sem referencial. Talvez aí seja a hora dolorosa de treinar o desapego, se não fizemos isso antes.

Vivemos num tempo em que vale mais quem mais tem, e a mídia o tempo todo apela para que compremos bens materiais, como se isso fosse o segredo da felicidade. Talvez esteja exatamente aí a nossa grande fonte de angústia.

No momento em que superarmos a vontade de ter, no mágico instante em que visualizarmos um carro magnífico pensando que não o temos, mas somos felizes ainda assim, já teremos avançado muito em direção à verdadeira qualidade de vida. Mais difícil, porém, que desapegar-se de coisas exteriores, é o desapego em relação às pessoas. Ninguém pode ser trancado, guardado, escondido num armário, à nossa disposição, sejam eles filhos, parentes, amados ou amigos.

É difícil lidar com esse conceito, mas é absolutamente correto: as pessoas ao nosso redor, por mais que as amemos, nos foram emprestadas, e podem partir a qualquer momento, para onde querem ou para o lugar de onde vieram. Todas as coisas e pessoas, nessa vida, vão e vêm. Roupas e sapatos se desgastam, carros novos rapidamente ficam obsoletos. Pessoas, ainda que queridas, separam-se de nós, viajam, morrem. Por algum tempo ou para sempre, é a dinâmica da vida, que não se detém nem nos dá tempo para recuperarmo-nos.

Desapego não é desamor, mas entregar-se por inteiro ao momento, sabendo que tudo e todos passam. Sofre muito mais quem se apega, seja ao dinheiro, ao status, à profissão ou aos que ama. Importante é "deixar ir", tanto as coisas como as pessoas. Se a chuva cai, vamos desfrutar do cheiro da terra molhada, bem como do brilho do sol, porque ambos são temporários. Rubem Alves diz que "amar é ter um pássaro pousado no dedo: nós o amamos enquanto o deixamos partir e voltar, à sua vontade".

Desapegar-se é entender que solidão não é estar sozinho, é ter coragem de partir ou deixar partir sem olhar para trás, sem se lastimar, sem sentir que perdeu. Lá em cima eu disse que havia três razões para essa reflexão de hoje - comentei a respeito de duas delas. A terceira razão para que eu escreva sobre desapego quero guardar bem dentro do meu coração. Tomara que esse texto, inspirado num simples encontro, também me ajude em minha terceira razão.

Comentários

Fernando Psidium disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla Dias disse…
Belo texto, Maria Rita. Espero que sua terceira razão para o desapego seja gentil com você. Um abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …