Pular para o conteúdo principal

COSPLAY >> André Ferrer

Vai à ONU e descarrega o “mimimi” escarlate nos desumanos ouvidos capitalistas enquanto lá fora, em Manhattan, o apartamento de 22 mil Reais a diária aguarda. Em Paris, comunistas brasileiros fazem compras e compõem sambas-protesto dedicados a um homem de bem, herói injustiçado que, nos Anos de Chumbo, derramou o próprio sangue na luta contra o imperialismo. Ó Notre-Dame dos Mensaleiros livrai-o! E também todo o resto de nós deste cinismo: Pedro Pedreiro exilado em plena farra turística às vistas do Sena. É claro, na margem esquerda.

No discurso dessa tropa vermelha, o Capital funciona mais ou menos como o demônio na boca dos televangelistas. Nenhuma coerência se sustenta fora do velho jogo do maniqueísmo. Daí a minha resistente desconfiança de que vivemos uma época infantil. No máximo, pré-adolescente.

Para crianças, a coerência não admite nuances. Ou você é bom ou está contra o herói. A criança inicia o reconhecimento das tonalidades cinzentas, entre o preto e o branco, na pré-adolescência. O caminho até a maturidade, onde, afinal, a paleta de cores revelar-se-á complexa e implacável, é árduo e cheio de crises. Há uma forte tendência à recusa. O mundinho simples e maniqueísta, perfeitamente dividido entre Deus e o Diabo, Tio San e Guevara, é muito melhor. E não tenho dúvidas de que a maioria das pessoas prefere a facilidade ainda que esta signifique o confinamento do espírito.

Por outro lado, é muito fácil dominar e lucrar mediante estas duas características: (1) ter o conhecimento de que as pessoas adoram o branco e abominam o preto, sempre incapazes de enxergar os infinitos tons de cinza, e (2) não ter caráter algum. Ora, qualquer cidadão que inventar um produto esotérico-marxista e aplicar uma estratégia de marketing voltada para os crédulo-dependentes do Bolsa Família ficará poderoso e rico neste país. Aliás, o cenário em toda a América Latina é favorável aos políticos inescrupulosos e aos falsos profetas. Reproduz, em preto e branco, aquela imagem satírica do Mao Tsé Tung na Disney, agora, no entanto, em proporções continentais. Engana-se quem ainda só pensa na Venezuela.  Tem “mané” fazendo cosplay de bolchevique do Panamá à Terra do Fogo.

Nada contra os cosplayers. Trata-se de um fenômeno natural. Marca de uma época na qual a protelação da seriedade avança tanto na vida das pessoas, que deixa espaço livre para a infância e a adolescência intermináveis.

Comentários

Zoraya disse…
Excelente, André! Que maneira interessante e diferente de ver nossa constante recusa em tomar atitudes e ver a infinitude de nuances e interesses que há por trás das aparências.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …