Pular para o conteúdo principal

PODE CHEGAR, CALOR >> Mariana Scherma

A primavera não chegou oficialmente, mas o calorão já. Acho o máximo morar num país que faz mais de 30 graus ainda no inverno, mesmo que seja na reta final dele. Adeus casacos, cachecóis e meias grossas. Sejam muito bem-vindos shorts, saias, chinelos e biquínis. O que mais me encanta na primavera-verão é que tudo fica mais simples. A gente não precisa sair de casa com quinze blusas e quatro meias, nossas refeições ficam mais leves e as saladas se tornam ainda mais saborosas. Tomar banho volta a ser gostoso, a água gelada caindo do chuveiro é divina. Mas...

Como tudo o que é bom tem um mas, o do calor são as pessoas que vivem reclamando dele. Eu acho a coisa mais confusa brasileiro reclamando do calor e dizendo preferir inverno. Toda vez que ouço algo do tipo fico com uma certa raiva da cultura do Hemisfério Norte que a gente vive engolindo sem mastigar. Sim, na minha opinião é por causa dos filmes com bonecos de neve e mulheres chiques, cheias de casacos, que boa parte dos brasileiros diz preferir o frio. Culpo também o Papai Noel, que faz boa parte da população achar que Natal precisa daquelas refeições pesadas, típicas de países frios. Eu morro de dó de nossos papais noéis brasileiros que ficam nos calçadões durante o fim do ano, todos encasacados, suando litros e litros. Por mim, refeições de natal deveriam ser leves, menos leitoas e companhia, por favor. Nossa legião de papais noéis deveria usar calções, regatas e chinelos. E, claro, dar uma aparadinha naquela barba pesada.

Não sei o que você, leitor, pensa disso, mas tem também a turma que adora dizer que no frio as pessoas são mais elegantes. Como se ser elegante dependesse de bota e casaco. É possível ser elegante no verão, gente, claro que é. Desenvolvi uma teoria com alguns amigos de que as pessoas que vivem infelizes com sua imagem gostam do frio porque se escondem nas roupas e só vão se dar conta de que ganharam uns quilinhos quando chegam o calor e a vontade de ir à praia. Tem aqueles que dizem que no inverno as pessoas são mais cheirosas, também acho mentira das grandes. Já ouvi um monte de gente dizendo ter preguiça de tomar banho quando está bem frio, agora ninguém tem preguiça de tomar um banho (ou mais de um por dia) no nosso calorão. Óbvio que os perfumes franceses são mais fortes, eles precisam disfarçar a falta de hábitos de higiene que os gringos têm.

Para a turma que não gosta de verão por causa da infestação de insetos, como baratas e mosquitos, principalmente os da dengue, reservo minha maior indignação. Mais do que tudo, é aí que entra a questão da boa higiene. Dengue, pra mim, não é um problema restrito às prefeituras, é uma questão de limpar o seu próprio quintal. Você não deve culpar o prefeito e cia. por encontrar larvas de mosquito se deixa seu quintal cheio de bagunça e sujeira. Será que o calor deixa as pessoas mais lentas e preguiçosas? Algumas sim – e vão adiando a faxina da casa. Depois, não adianta reclamar das visitas indesejadas, ou melhor, dos insetos indesejados. Sair do sofá e dar uma geral enquanto as chuvas não chegam é o melhor que todos podemos fazer.

O verão é lindo pra quem o recebe de braços e guarda-sol aberto. E eu estou bem assim, já fiz meu estoque de protetor solar e regatas, me preveni de qualquer foco de mosquito da dengue aqui em casa, tenho meu veneno de baratas sempre à mão (e minha garganta também, sou dessas que mata barata no grito)... Sou contra desprezar esse calor tão nosso, tão brasileiro. Quando chegar dezembro e os papais noéis surgirem, também já preparei meu olhar de solidariedade a eles. Ninguém merece excesso de barba e casacos em pleno fim de ano.

Comentários

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …