Pular para o conteúdo principal

DE VOLTA PRA CASA >> Sílvia Tibo



Já são três anos sem você. Mas é engraçado, parece que nos vimos ainda ontem. 

Talvez porque eu tenha sempre uma foto sua em algum ponto da casa. Talvez porque a senha do computador que eu acesse diariamente, assim que me levanto, seja uma palavra de que você gostava. Talvez, ainda, porque são raros os dias em que nada me leva a você. 

Há quem veja tudo isso como tristeza, melancolia e luto. E então, diga que preciso superar a perda pra continuar vivendo. A estes, respondo que sua partida não se trata exatamente de algo que precise e possa ser superado. E, muito menos, de algo que eu queira superar. Ao contrário, sua presença, nessa vida, é o que eu mais desejo preservar. 

Há, também, os que (bem intencionados, reconheço) dizem que o vazio certamente vai ser preenchido quando vierem os filhos. A estes, respondo que sua ausência física não é, propriamente, um buraco, apto a ser preenchido com o que quer que seja. Até porque se, por um lado, nossas mãos não podem agora se tocar, nossas almas estão invariavelmente ligadas. E por vezes se encontram, nos meus mais belos sonhos.

Além do mais, com o perdão da sinceridade, não acho que filho substitua mãe. Assim como mãe não substitui marido. Marido não substitui irmão. Irmão não substitui amigo. Cada um no seu quadrado, é minha opinião. 

Nos últimos dias, ao tempo em que a primavera chegava e o frio se despedia, as lembranças se acirraram. Não só (e propriamente) porque se aproxima a data em que você partiu, mas, sobretudo, porque flores, cores e dias lindos de sol me dão a certeza de que você permanece viva em algum lugar. 

Na semana que passou, entre flores, saudades e raios de sol, andava à procura de algumas horas livres pra ler um bom livro, disparadamente (e para o estranhamento de muitos) minha maior diversão. 

Assim que o trabalho permitiu, fugi pra um lugar tranquilo e comecei a devorar a nova obra de Leila Ferreira, cujo título, “Viver não dói”, me pareceu bem pertinente. Lá pelas tantas folhas, me deparei com algumas poucas palavras que, juntas, definem exatamente essa sensação de permanência, que nem a morte parece ser capaz de apagar. 

Está lá, na página 175 do livro, estampada com todas as letras: memória é “um lugar sagrado onde os sentimentos não têm data para existir e a nitidez das imagens costuma ser bem maior do que as fotografias”.

À definição perfeita de Leila, permito-me (humildemente) acrescentar que a memória é o que mantém incólume a nossa essência. E é, ainda, o que nos dá alguma certeza e segurança nessa vida. Porque, para além das mudanças e turbulências que o tempo invariavelmente traz, a memória está sempre ali, pronta a nos reportar ao lugar de onde viemos, àquilo que realmente somos. Nos dias em que o chão nos falta, é ela quem, gentilmente, nos leva de volta pra casa. 

Comentários

Cynthia França disse…
Linda crônica, Silvinha! Você escreve com uma delicadeza rara, que muito admiro! Acho que não preciso dizer que ler um bom livro é também a minha maior diversão, e, coincidência ou não, estou lendo o "Viver não dói", da queridíssima Leila Ferreira. Parabéns por traduzir em palavras sentimentos tão elevados!
Carla Dias disse…
A perda de alguém que se ama é sempre um mistério, quando se trata de como encarar a ausência. Na tentativa, algumas pessoas o fazem com delicadeza e valor à vida por esse alguém vivida. É o que percebo nas suas palavras. Beijo!
silvia tibo disse…
Cynthia, querida!
Obrigada por suas sempre doces palavras... quando eu crescer, quero ser uma grande escritora, como você.
Grande beijo!
silvia tibo disse…
Carla,
Lidar com a ausência é mesmo uma tarefa difícil, que tenho sido obrigada a cumprir diariamente nesses últimos três anos... Mas acho que, para além da perda de quem se ama, ficam as belas recordações, guardadinhas na memória. E é essa memória que me mantém viva.
Obrigada pela leitura e pelo carinho!
Beijo!
Fernanda Pinho disse…
Ai, Sílvia! Você e esses textos que me dão vontade de abraçar o computador. Só posso te pedir que continue transformando suas memórias nessas coisas lindas!
silvia tibo disse…
Fê!!! Digo o mesmo a você!!! Rsrs.
Obrigada...
:)
Karoline disse…
Querida Sil,
você tem um talento maravilhoso.
Quando puder venha à sua "casa".
Abração e estou com saudades!!!
silvia tibo disse…
Muuuuitas saudades, Karol!
:)
Zoraya disse…
Silvia, poucos nascem com a arte de colocar a dor em palavras. Muitos escrevem, poucos conseguem. Você tocou meu coração e tocará qualquer outro que ler esse texto.
silvia tibo disse…
Obrigada, Zô... pelas palavras sempre carinhosas.
Beijinhos.
Juraci disse…
Filhinha, este é um mês em que as lembranças e a saudade ficam ainda mais vivas para nós, no terceiro ano da partida de Mamys. Sua crônica celebra, com muito carinho e afeto, a sua memória, que nunca vai se apagar. Só não a vemos, mas ela continua conosco! Beijinhos!

Pai

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …