Pular para o conteúdo principal

ACERTO DE CONTAS >> Fernanda Pinho

Chegou a hora da prova dos nove. Dos trinta, no caso. Há exatos 871 dias publiquei neste mesmo site uma pretensiosa lista batizada de “30 Coisas Para Fazer Antes dos 30”. Pois então, senhores, esse dia que parecia tão distante de mim a ponto de fazer resoluções publicamente, certa de que cumpriria todas, chegou. Fiz 30 anos ontem. Eu poderia fazer a desmemoriada e fingir que essa lista nunca existiu. Mas ser mais honesta comigo e com os outros está entre as minhas resoluções de moça de 30, o que me leva ao balanço a seguir.

Das coisas que não realizei e desisti completamente:

1 - Ir numa cartomante: Não quero mais brincar dessas coisas. O futuro está guardado nas mãos de Deus. Aprendi a ser menos ansiosa e a ter mais confiança.
17 - Experimentar todos os lanches da McDonald's: Sério. Que tipo monstro habitava dentro de mim quando escrevi essa lista? Ultimamente não posso nem passar na porta de um McDonald's.

Das coisas que não realizei por ainda não ter certeza se quero realizar:

2 - Fazer uma tatuagem: Posso pensar sobre isso até os 35?
8 - Escrever uma peça de teatro: Eu gosto de escrever, mas tenho talento para teatro?
9 - Ter um site sobre alguma coisa muito legal: Realmente estou interessada em ter mais trabalho do que já tenho?
15 - Voltar para a terapia: Estou precisando disso neste momento?
19 - Aprender a dançar forró: Pode ser outra dança?
21 - Organizar uma festa à fantasia, que tenha como tema os super-heróis: Quem topa?

Das coisas que pretendo realizar mas com ressalvas:

10 - Fazer um mochilão pela Europa: Muito a fim de ir para a Europa, mas posso sair daqui com todas as passagens compradas, hotéis reservados e uma enorme mala de rodinha? Já entrei naquela fase em que conforto é prioridade.
18 - Assistir um AtléticoXCruzeiro do meio da Galoucura: Quero muito também, especialmente para levar meu marido que ainda não viu essa paixão de perto. Porém, não preciso estar necessariamente dentro da loucura que é essa torcida.
20 - Viajar para outra cidade e ver um show da minha banda preferida, com minhas amigas. Exatamente como eu fazia antes dos 20: Seria melhor se eu não precisasse viajar. Exatamente como eu fazia antes dos 20, só quem viveu lembra. Já não dá mais para mim.
23 - Ver o sol nascer na Praça do Papa em BH: A ideia desse item era passar uma noite acordada. Agora, prefiro acordar cedinho e ir para a praça.

Das coisas que ainda desejo muito e ainda não fiz:

3 - Fazer alguma coisa mais útil para uma obra de caridade: Faltou vergonha na cara, mas pelo menos agora tenho planos bem sérios a esse respeito.
5 - Publicar um livro só meu: Essa justifico dizendo que não é algo que dependa só de mim e que no momento estou escrevendo uma história que gosto muito!
7 - Fazer Yoga, Shiatsu, Reike. Ou qualquer uma dessas coisas ou todas essas coisas: Faltou tempo.
11 - Fazer um cruzeiro: Faltou oportunidade.
12 - Fazer aula de uma língua que nunca estudei: Não estudei, mas em compensação tive que me especializar no espanhol, que já havia estudado.
14 - Mandar flores para um homem. Acho chique: Dia 8 é aniversário do meu marido. Quem sabe?
22 - Ver o sol se por no Juquinha, na Serra do Cipó: Apenas esperando voltar para o Brasil!
24 - Encher um porquinho de moedas: Sinto muito, não consigo parar de assaltar meus porquinhos. Talvez eu devesse levar esse tema para o item 15.
28 - Digitalizar todas as gravações em VHS feitas da minha infância: Faltou dedicação e paciência. Uma pena. Mas ainda vou fazer isso.
29 - Ir para a praia de maiô: Ainda não encontrei meu maiô perfeito. Porque para substituir o biquíni tem que ser maravilhoso!

Das coisas que fiz (Sim, sim. Não sou um fracasso completo):

4 - Cozinhar para alguém: Olha, quando eu fiz a lista eu não sabia nem fritar um ovo. Agora, tem mais de um ano que eu cozinho to-do-san-to-dia para alguém. Acho que isso compensa um monte de coisa que não fiz!
6 - Voltar a dirigir: Voltar eu voltei. Ganhei um carro e tudo mais. Só não tenho dirigido porque no momento não tenho essa necessidade.
13 - Praticar alguma arte marcial: Fiz boxe durante um tempo e achei chatíssimo. Tentei!
16 – Esquiar: Mais que esquiar eu queria conhecer a neve. Não apenas aconteceu como vim morar grudada nela.
25 - Ler todos os livros da minha lista chamada "Lacunas Literárias": Tenho lido. O problema é que quanto mais leio mais lacunas aparecem.
26 - Comer doces na Confeitaria Colombo, no Rio de Janeiro: Um beijo para minha amiga Calypso que foi quem me levou.
27 - Aprender a fazer massagem: Aprender não sei se aprendi, mas faço quase com a mesma frequência com que faço comida.
30 - Fazer um curso de automaquiagem: Fiz e ando viciada no tema muito mais que o pretendido.


Se eu me sinto mal por ter falhado tanto nos meus propósitos? Nenhum pouco. É incrível perceber quantas coisas maravilhosas e surpreendentes me aconteceram da data de publicação desta lista até hoje. Coisas que nunca entraram em lista alguma de resoluções. E por isso foram surpreendentes. E por serem surpreendentes, foram as melhores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …