Pular para o conteúdo principal

MINHA FOLIA >> Eduardo Loureiro Jr.


Parece que é Carnaval. Não estou de todo certo, mas ouvi falar. Em algum lugar, longe da minha vista e de meus ouvidos, deve haver foliões mais ou menos embriagados. Alguns, a essa hora da manhã, devem estar curando a ressaca com mais bebida. Em Aracati, estão todos na praia de Majorlândia. Em Olinda, subindo ou descendo ladeira atrás de um bloco de nome estranho.

Se eu não tivesse outro motivo para desgostar do Carnaval, bastaria uma foto antiga de um menino gordo vestido de pirata: chapéu, tapa-olho, cara de poucos amigos, colete, banhas e calça. Ainda existe gente que tem saudades da infância...

Aqui em Brasília, se alguém quiser, suponho que seja possível "brincar" o Carnaval. Você tem que ir atrás, não é como em outros lugares em que a "brincadeira" vem até você — lembrando sua outra denominação: entrudo. Podem falar o que quiser de Brasília, mas aqui, mesmo nesses dias, se liga o rádio e se ouve música, Música.

Sei que estou bancando o chato, que melhor seria bancar o folião, mas minha folia, minha loucura (Comprenez vous?) é outra. Também tem bloco, também tem canção, também tem fantasia, mas minha folia é outra. Minha loucura é pensar que posso ser tudo que quero ser. E sou pirata e pierrô e arlequim. Não me travisto de mulher, porque mulher já sou. Me embriago de água da torneira até arrotar. Abro a tampa verde do frasco que fica sobre a pia, com água do mar, e mergulho, dou cambalhota, pego carretilha.

Que são cinco dias de loucura? Depois do Carnaval, todo mundo volta para a sua sanidade e eu ainda tenho mais trezentos e sessenta dias para pirar. Todo dia, bêbado desse mundo, penso loucamente que esse mundo é tudo. Não é. Esse mundo é todo fantasia, todo cenário, carnaval que só a morte de cinzas pode acabar.

Sim, minha loucura é viver em outro mundo que não esse, ser outra pessoa que não essa, escrever outra coisa que não aquela que eu mesmo escreveria. Minha folia é não ser eu mesmo, sem artifícios: mascarado sem máscara, embriagado sem álcool, travestido sem roupa. Sendo o que não sou: elevador de santo — tanto baixa quanto sobe.

Carnaval é matinée, é vesperal. Na festa que vale, noturna e diuturna, dou baile, dou balão. Dou banho de cuia quando o assunto é ser outra pessoa, outro Pessoa.

"— Quem é você?"

Não vou dizer. Adivinhe se gosta de mim.

Comentários

Felipe disse…
Olinda fervendo, Recife borbulhando e aqui tudo congelado. -7ºC e 7000 km de distância.

Vou comer neve de colher, que é o melhor que eu faço. Assim faço de conta que estou tomando um raspa-raspa nas ladeiras de Olinda. Sem álcool, claro, como em todos os carnavais da minha vida. Que nunca foram menos bons por causa disso. ;)

À bientôt, mon ami!
Cláudia disse…
Eduardo, o carnaval é democrático! O importante é a folia, seja ela onde for e como for. Confetes e serpentinas para você!
Fabio Barros disse…
Se São Paulo é o túmulo do samba, Brasília é o túmulo do Carnaval. Assim, você está no lugar certo... hehehe

Ah! Encontrei Adriana hoje a tarde em Olinda! :)
Felipe, você poderia criar um bloco com um nome bem greante por aí no Canadá. A situação merece. :)

Claudia, você acertou: confete e serpentina são a parte mais simpática do Carnaval para mim. :)

Fábio, minha lápide aqui tá uma delícia. :)
Kinha disse…
Ah....carnaval....

Cinco dias de descanso e silêncio completo...ou deveria ser...porque eu estou trabalhando...risos

Estou pensando se me dispo de minha fantasia de "doutora"...risos

Abraço grande
Kika disse…
Me identifiquei totalmente.
Não aguento mais as peladas pulando na avenida.
Devia ter 4 dias de silêncio e paz, pra comepnsar essa barulheira, não?
beijos, excelente crônica!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …