Pular para o conteúdo principal

DOS TIJOLOS [Monica Bonfim]

Alguém me contava, outro dia, um final de um filme — se não me engano dirigido pelo Mel Gibson — onde alguns índios numa praia não viam a aproximação das caravelas; o único que enxergava os navios era o pajé.

E lembro que em “Ilusões”, Bach faz seus personagens discutirem sobre isso: “Vivemos mesmo no mesmo mundo uns dos outros? É relevante para nós o que apavora os outros? Chegamos a enxergar a barata que deixa a outra apavorada? Vemos a loja que não está mais lá?”

Outro dia passei por uma construção que minha memória não registrou seu adiantamento: esse prédio já estava aí deste jeito anteontem quando eu passei? Tenho a teoria (não creio que seja original) que nossas dificuldades são muros que nos impedem de enxergar o óbvio; uma coisa assim, tipo antolhos de cavalos... Só nos deixam enxergar uma parte da realidade. Ou talvez essa dificuldade de enxergar algumas coisas seja uma forma de nossa mente se defender da quantidade de informações que podemos processar sem o reboot do sono: enche o RAM, tem que reiniciar, senão trava mesmo.

Mas, enfim, o cerne da conversa é: quanta coisa ficamos sem enxergar na nossa vida? Quanta coisa nos recusamos a enxergar até que as fichas começam a cair e acabamos por nos perguntar se tanta coisa ÓBVIA estava ali tão clara o tempo todo e como é que não tínhamos visto aquilo. O amigo que nunca foi tão amigo assim, o namorado que jamais foi fiel, o empregador que teimava em não reconhecer nossos méritos, as relações eternamente doentes que alimentamos diariamente... Tanta coisa que a gente empurrava para debaixo do tapete e criava justificativas, desculpas tão esfarrapadas, que hoje a gente pensa que não engoliríamos aquilo se alguém nos contasse.

Pior ainda são os defeitos claros e óbvios que a gente tem, que não tolera nos outros e que teimamos em não ver... Quantas vezes somos mesquinhos ou egoístas ou mesmo pouco generosos com os outros e conosco mesmos... Ai, ai...

Tantos muros que temos a derrubar para enxergar melhor a nós e à nossa vida, não? O problema são os tijolos... Os tijolos que voam na hora que resolvemos que vamos derrubar os muros... A gente sempre se machuca.

Comentários

Oi, Monica! Lembro de ver visto essa história do pajé no filme "Quem somos nós". Mas é assim mesmo como você escreveu, nossas cegueiras. O lado bom é que com o tempo a gente pode ir aprendendo a não fazer os muros e a nos poupar dos futuros tijolos voadores. :)
Kinha disse…
Risos..como sempre, grande Eduardo...tem razão....

Veja minha próxima que eu falo exatamene dessa evolução....

Beijo grande
Moniquinha,

Vc está arrebentando.
Mais um show de bola, esta crônica. Sabe quando estes muros ficam claros? Quando aprendemos uma palavra ou um conceito novo que, dali para frente, parece saltar na nossa frente a cada esquina que dobramos. Sempre esteve ali e não vimos? Quando meu filho estava sendo alfabetizado, tinha um CD-ROM chamado "O menino que aprendeu a ver". Era assim mesmo, a leitura permitiu que ele enxergasse um mundo todo novo. Continue mandando essas pérolas.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …