quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

A EXPERIÊNCIA >> Carla Dias >>


“Experiência é uma professora brutal, mas você aprende.
Meu Deus, você realmente aprende.”

C. J. Lewis


Na teoria, percebemos que somos pessoas capazes de derrubar quase todos os obstáculos que vivemos na prática. E não que essa capacidade seja apenas uma ilusão, mas é que, na teoria, somos mais ousados e desprendidos. Na prática, sentimos falta das facilidades.

Hoje, batendo na porta dos quarenta anos de idade, posso dizer que tenho dentro de mim um Banco de Teorias, que visito frequentemente para ver se alguma delas está pronta para cair no mundo.

Outro dia, reli um poema antigo que só, que diz muito sobre quem eu era bem antes de quem sou hoje. Diz tanto que me envergonhei de ter deixado aquela pessoa lá trás, guardada no meu banco particular, trazendo para a prática somente o que dela era fácil de carregar. Ao mesmo tempo, as experiências que escolhi para viver me soaram ousadas em muitos aspectos, assim como a maioria das que me escolheram deram de me doer aqui e ali.

O grande barato da teoria é que ela alimenta o nosso espírito. Quem já se pegou dizendo “se eu fosse... eu faria...”? E quantos não levaram esse pensamento adiante e se tornaram... e fizeram?

A teoria pode ser o que se propõe: um esboço do que se pretende pôr em prática. Ou pode se tornar uma mistura eloquente de planejamento e sonho.

De qualquer forma, a experiência é a chave de tudo. Experimentar o que escolhemos e o que nos escolhe. Aprender com as situações cotidianas que, ainda ontem, eram apenas teorias. E, obviamente, as experiências nem sempre são das mais agradáveis. Mas, por mais brutal que possam ser, há sempre um aprendizado entranhado nelas.

Aldous Huxley disse: “experiência não é o que acontece com um homem; é o que um homem faz com o que lhe acontece.” As experiências não são apenas as dos laboratórios, dos cientistas, oriundas das práticas dos alquimistas. E se não sairmos da teoria, de vez em quando, seremos apenas pessoas aceitando o que a vida propõe e fazendo absolutamente nada com esse aprendizado. Seremos baús transbordando de teorias, com práticas ressequidas a sua volta. Seremos inexperientes e tolos, alvos fáceis para a intolerância.

Imagem: The Alchemist por Sir William Fettes Douglas

www.carladias.com



Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Pois é, Carla... Se teorizar é bom -- e é! --, também é muito bom experimentar e errar por aí. :)

albir disse...

Carla,
Faz bem refletir junto com você.

Carla Dias disse...

Eduardo... Experimentar é um jeito de surpreender o sonho.

Albir... Faz bem tê-lo refletindo comigo : )