Pular para o conteúdo principal

DO CORAÇÃO >> Eduardo Loureiro Jr.

© Al Francekevich/CORBIS.comDe vez em quando sinto uma saudade besta de um tempo antigo quase feliz.

Por exemplo, quando eu escrevia o que me passava pela cabeça. Ou abria um livro de provérbios ao acaso, pegava a primeira frase em que batia os olhos e escrevia uma crônica. Ou parodiava o texto diário do Luís Fernando Verissimo. Ou disparava críticas contra políticos e autoridades em geral. Ou carregava nas palavras, ironizando as idiossincrasias dos outros. Bons tempos aqueles em que escrever era uma aventura inconsequente -- e eu ainda tinha direito ao trema.

De certa forma, ainda escrevo o que está dentro de mim, descondenso o leite a partir de uma simples frase, admiro o Verissimo, questiono autoridades e carrego palavras. Mas agora tem o meu coração...

Hoje em dia a pressão dos dedos sobre o teclado tem o ritmo lento de 68 batimentos por minuto. Já não é possível escrever sem que as palavras venham, mesmo que ensanguentadas, do coração. Como as que se seguem...

*

Deve ter começado com as discussões que eu presenciava de meus pais. No princípio, eu fechava a porta do quarto. Depois, além de fechar a porta, comecei a ouvir música. Em algum momento, passei a escrever.

O recolhimento, a música e a escrita são isso para mim: a fuga de uma discussão. Diante da elevação de vozes, da oposição de argumentos, das reclamações, das ofensas, fugir tornou-se uma especialidade. Não que meus pais brigassem tanto assim, porque se eles fossem mesmo constantes em suas discussões, eu seria um iluminado monge, um músico virtuoso ou um escritor genial. Como vocês mesmos podem comprovar, eu não sou. Talvez eu tenha me saído melhor na fuga em si. Fujo com um talento que me permitiria desafiar qualquer outro fujão, mas minha habilidade de fuga é tão pura e elevada que fujo até mesmo desse confronto entre pares.

Fujo das pessoas, porque onde há pessoas existe já a semente da discórdia, da diferença entre os corações. Minha mestra Luiza às vezes reclama que eu, nos encontros do pátio, prefiro a música à conversa. A explicação é essa, Luiza. Eu fujo. E quando o Fábio toca junto -- tornando-se meu cúmplice --, a fuga é perfeita.

Se eu tivesse de pagar algum carma e precisasse escolher uma limitação física, escolheria a surdez. O paraíso pra mim não precisa nem mesmo ser bonito, basta ser silencioso. Quem quiser me irritar basta fazer barulho. A paz pra mim -- acho que já escrevi isso antes -- é mais um deixar de fazer algo do que propriamente um fazer alguma coisa. Não é reivindicação, é aceitação.

Sempre que encontro minhas pessoas queridas, procuro colocar o máximo da minha afeição naquele momento. Porque não sei quando vou vê-las de novo, porque nem mesmo quero vê-las de novo tão cedo. Sou um fugidor fingidor, e até que me saio bem -- embora tenha estragado um pouco os planos ao confessar o crime nesta crônica.

Com as pessoas que convivem comigo todo dia, não há muito como fingir: troco a fuga grande por dezenas de fugas pequenas: para o banheiro, para o computador, para a cama: silêncio, silêncio, silêncio. Penso que a fala é supervalorizada -- mas sou eu sozinho contra uma humanidade inteira, e tagarela. Desconto a pouca fala nas muitas palavras escritas. Não que eu escreva muito bem, mas eu escrevo muito. Escrevo quando quero, você me lê quando quer. Cada um na sua. Não há contato, não há possibilidade de discussão. A escrita flui, a música é ambiente e a porta está sempre fechada -- meu paraíso particular.

De vez em quando arrisco um movimento pra fora -- uma aparição, um encontro, um evento --, mas vou sempre com meu paraquedas e minha rede de proteção: o retorno previsto para minha casa quarto, meu quarto casa.

*

Já faz tempo que é assim, e é difícil pensar que um dia, talvez, não seja. Mas pode ser que um dia eu sinta uma saudade besta do tempo antigo quase feliz que é agora.

Comentários

Tia Monca disse…
:o)
Junoca, ri sosinha, lendo sua crônica, pois hoje foi um desses dias que falei demais!
...E meu marido se sentiu muito, muito incomodado! Tá calado até agora.... rsrsrss
Tia Monca
Eduardo, enquanto lia sua crônica, o comentário que ia fazer surgia à minha frente. Mas mais algumas linhas de leitura e esse escritor fujão me rouba as palavras já escolhidas. Não acho justo. Você as tem muito mais que eu. :) Enfim, o comentário que eu julgava original era: Você procura o silêncio, porque desconta a pouca fala nas muitas palavras escritas.
Eu, que só conheço sua voz das músicas que você posta aqui, prefiro, egoisticamente, que seja assim mesmo. :)
Ana disse…
Silêncio é música
para os ouvidos
dos sensíveis de coração.

Curiosidade...seu silêncio se sente confortável com a música?
Debora Bottcher disse…
Valha-me, Eduardo... Pode-se dizer que temos almas gêmeas no silêncio, e (pior!) nessa coisa de aproveitar o momento com pessoas queridas porque, sim, também eu, não sei quando vou querer vê-las novamente... E, obviamente, não é por não amá-las, não querê-las bem - sempre, tanto e mais -, mas porque também careço de silêncio. Deve ser isso que as pessoas cujos pais discutem têm em comum, mesmo que, no seu caso, discutissem pouco (os meus discutiam demasiadamente e confesso que só parei de pensar que ia enlouquecer quando fui embora de casa). :)
Super beijo, sempre um presente te ler...
Ana (a mesma) disse…
Silêncio para não ouvir palavras duras; para não escutar mentiras e hipócritas meias-verdades; para se livrar da ferida que um tom de voz alterado pode causar; para se proteger daqueles que usam a palavra com leviandade e crueldade, sem perceber que ela fica gravada em nossos ouvidos, em nossa mente, em nosso coração, às vezes por tantos e tantos anos.
Eu, assim como você, também aprecio muito o silêncio... mas não sei ainda se por fuga ou covardia. Cedo ou tarde, precisaremos ouvir...e falar...
Se assim nos foi concedido o dom, que não o desejemos de outra forma; que aprendamos a escutar e enxergar, para que não se ceguem nossos olhos, nem se ensurdeçam nossos ouvidos.
Se fosse me privar de algum sentido, seria a visão, porque acho mais cruamente invasivo e revelador ver que ouvir.
Mas que o criador me ensine a ver, ouvir e responder adequadamente aos que, tendo olhos, não veem, e tendo ouvidos, não escutam... e tendo a fala, não sabem associá-la à sabedoria de se calar quando não há nada de bom a se dizer.
Caro Eduardo, te desejo uma boa semana, com muitos e preciosos momentos de silêncio.
Tia, ao lado de todo grande homem calado, há sempre uma grande mulher falante. Mas você podia dar-lhe uma folga aos domingos. :)

Marisa, esse é o problema de falar ou escrever demais: a gente "rouba" a fala dos outros. :) Vá desculpando a injustiça.

Debora, quer dizer que não estou sozinho dentro do quarto?

Ana, a música é o paraíso do silêncio. :)
C. S. Muhammad disse…
Ah, saudade besta é inevitável. :)
Então já parei de tentar evitá-la, Carla.
Cristiane disse…
Eduardo, caramba! Você não está sozinho no quarto... eu tô lá, junto com você. Claro que não nos vemos, nem nos ouvimos, silenciosos que somos, amantes do silêncio.

Também prefiro a escrita a fala, o e-mail (mil vezes!) ao telefone. "Escrevo quando quero, você me lê quando quer. Cada um na sua". Perfeito!

E para o silêncio a melhor companheira é incontestavelmente a música. Compartilho com você uma das minhas companheiras no silêncio: http://www.radiouniversidade.com.br/. Não tem propaganda e, muitas vezes, locutor. Apenas música, de qualidade.

"O paraíso pra mim não precisa nem mesmo ser bonito, basta ser silencioso." Eu poderia ter escrito isto.

Beijos
Cristiane, daqui a pouco esse quarto vai ficar pequeno pra tanta gente. :) Já estou ouvindo aqui a Rádio Universidade. Eu gosto MUITO de rádio: da surpresa das canções. Só não escuto mais por conta das propagandas e dos "minutos informativos". A rádio que você me indicou está um paraíso até aqui. :) Grato,

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …