Pular para o conteúdo principal

PINTANDO O 7 >> Carla Dias >>

A arte brasileira é diversa. A riqueza da nossa cultura é real.

Essas frases não são de anúncio do governo, elas não se referem exclusivamente a alguma campanha de marketing ou projeto específico. Certamente, utilizam-se muito tais alegações, até mesmo em conversas casuais sobre o que é ou não palatável na cultura brasileira. O grande problema é que a maioria das ideias para melhorar esse cenário permanece na teoria.

Na prática, sim, o Brasil é berço de uma diversidade fantástica, que impregna de beleza a nossa cultura e enriquece nossa identidade através da arte que abriga. Na prática, a maioria de nós é absorvida pela facilidade do que nos chega através dos meios de comunicação e da eficácia de um marketing que cria um cenário propício para efemeridades.

Quando falo sobre artistas que admiro profundamente, pessoas das quais as criações não chegam ao grande público, não ataco a existência dessas celebridades fugazes, pois acredito que até mesmo elas têm sua importância e merecem seu espaço. O que lamento é não haver o mesmo empenho em levar ao conhecimento das pessoas o trabalho de artistas que podem, sim, ser apreciados sem serem relegados ou destinados ao baú daqueles que não se parecem com a cara do mercado.

Também acredito que se trata de um trabalho pessoal, que cada um de nós é responsável pelo que consome, física e emocionalmente. Mas se queremos popularizar sem banalizar a arte feita no Brasil, temos de olhar adiante do que nos é oferecido. Temos de aprender a procurar o que pode, certamente, enriquecer também a nossa alma.

Domingo passado, fui assistir a um musical. Achei que não fosse conseguir, porque me atrapalhei com o trabalho e não tinha me dado conta de que já era o último fim de semana da temporada paulistana. Graças a uma amiga, que já tinha dito que iria comigo, conseguimos comprar os ingressos antes que esgotassem.

Fiquei sabendo sobre este espetáculo porque um ator que admiro muito e sobre o qual já escrevi aqui no Crônica do Dia, Jarbas Homem de Mello, também era um dos integrantes do elenco do musical.

7 o musical foi minha primeira experiência como espectadora de um musical. Essa minha estreia pessoal em dia de encerramento de temporada foi das mais enriquecedoras porque dei sorte de assistir, de cara, a um espetáculo que me ganhou do início ao fim: o texto de Charles Möeller, as letras de Claudio Botelho, a música de Ed Motta, o talento inquestionável do elenco, a presença do Jarbas Homem de Mello, enriquecedora e marcante, a voz fantástica de Alessandra Maestrini, as presenças de Zezé Mota, Eliana Pittman e Rogéria, a cadência da Orquestra 7, o cenário e, claro, o teatro Sérgio Cardoso lotado.

7 é um espetáculo muito bem orquestrado. A história é interessante, tem um ritmo cadenciado, um toque cômico que cai bem às tragédias pessoais dos personagens. A música e as letras são muito bem costuradas à trama, o elenco é de primeira... Adorei ver a Susana Faini no palco.

Certamente, este musical atende à proposta de seus criadores, Charles Möeller e Claudio Botelho, referências no teatro musical brasileiro. 7 é o primeiro musical autoral da dupla e estreou em 1º de setembro de 2007 no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro. Foi um dos grandes vencedores do Prêmio Shell de 2007, sendo premiado em três das seis categorias nas quais concorria.


Uma pena eu ter assistido ao último dia de espetáculo porque, tivesse tempo, eu panfletaria sobre o musical, carregaria amigos, também estreantes nessa jornada, para conhecer esse universo. Mas acho importante que fique claro: 7 o musical foi um sucesso na sua temporada paulistana, e espero que ele volte a nos visitar. Neste caso, meu pesar é por aqueles que perderam a chance de conferir o musical. Sendo assim, vou deixar alguns links que podem interessar a quem ficou com uma vontadezinha danada de conferir o espetáculo.

Através desses links, vocês poderão conhecer um pouco mais sobre a obra, seus criadores e manter contato com a produtora responsável pelo espetáculo, mantendo-se informados sobre uma possível reestreia.

7 o musical - www.7omusical.com.br
Charles Möeller e Claudio Botelho - www.moellerbotelho.com.br
Aventura - www.aventuraentretenimento.com.br

www.carladias.com
http://talhe.blogspot.com

Comentários

Carla, você é uma Brasileira com "B" maiúsculo! Como é bom sentir essa sua admiração pela arte e pelos artistas nacionais, em especial por aqueles que estão iniciando sua batalha.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …