Pular para o conteúdo principal

ANI-VERSÁRIO -- Paula Pimenta

Outro dia, conversando com amigos, chegamos à conclusão de que existem dois tipos de aniversariantes: os que odeiam e os que adoram a data. Os que odeiam, geralmente se escondem, proíbem os familiares de dar parabéns, fingem que é um dia comum e fazem de tudo para esquecer... Já os que amam, saem por aí espalhando para o mundo inteiro. Lembro que vi uma peça (“5 X Comédia”) há uns anos, onde a Fernanda Torres fazia o papel de uma aniversariante assumida. Na peça, ela contava que fazia tanta questão de que todos soubessem dos seus aniversários, que inclusive em um deles, enquanto ela dirigia, o motorista do carro ao lado sem querer virou o rosto para ela e recebeu imediatamente um: “Hoje é meu aniversário, viu?”

As peculiaridades de cada aniversariante não param no amar ou odiar a data. Alguns ficam saudosos com a proximidade do dia. Relembram cada um dos anos já vividos e pensam que os próximos nunca serão melhores do que os passados. Outros, vêem o aniversário como um marco propício para mudanças, uma espécie de Reveillon: fazem resoluções, pensam o que vão descartar, iniciam um regime... Têm aqueles que mentem a idade. Não importa quantos anos estejam fazendo, sempre diminuem uns 2, 5, 10 anos... E também existem os que mentem para cima! Mas acho que esses últimos só fazem isso até completar uns 18...

A música “Parabéns pra você” também desperta diferentes emoções. Já repararam como alguns aniversariantes empolgam e batem palmas junto com os convidados? Outros ficam só olhando para aquele tanto de velas, pensando provavelmente no pedido que fará na hora do sopro, ou pra quem dará o primeiro pedaço do bolo, ou que não tinha necessidade daquela situação constrangedora...

Há uns anos, contei para uma amiga que eu gosto de fazer de conta que é feriado no dia do meu aniversário. Desmarco tudo, peço folga no trabalho e faço só o que eu gosto. Claro que isso não é possível em todos os anos, mas eu sempre tento, afinal, tem que ter uma compensação por ficar um ano mais velho! Acho, inclusive, que deveria ter uma lei obrigando cada pessoa a ter seu feriado particular. Nada de aulas, nada de trabalho. Um dia livre, inteiro, de presente pra você.

Tenho um amigo poeta que hoje me falou: “Versário: lugar onde se guardam os versos”. Achei lindo. Juntando a poesia dele com o significado de “Ani” – pelo latim “annus” (ano), ani-versário seria então o lugar onde todos os anos guardamos nossos versos...

Para quem ainda não adivinhou, sou uma daquelas loucas por aniversário, capaz inclusive de usar uma crônica para que mais pessoas descubram que “hoje é meu aniversário, viu?” Na hora do “Parabéns”, certamente estarei olhando para as velas e desejando que – em todos os meus próximos feriados particulares - eu ganhe inspiração para guardar versos, cada vez mais cheios de poesia...

Comentários

Anônimo disse…
Gostei muito!
Você soube colocar aqui o que são seus aniversários...uma verdadeira e alegre poesia.
Beijos!
Mamãe
C. S. Muhammad disse…
Paula! Feliz aniversário!!
Acho que inspiração e poesia nunca vão lhe faltar.
Bjs
Carla Dias disse…
Deixei meus parabéns no Orkut, ainda ontem. Mas passo por aqui pra te dizer que sou das que mentem a idade pra cima e já estou chegando aos 40! Pois é... Aos quase 39 anos de idade, digo que tenho 40, desde o 35, só porque dizer "quarenta" me parece bem mais agradável sonoramente do que dizer "trinta e cinco".
Como felicidades podemos desejar a qualquer momento: felicidades, menina da lua! E bjs!
Letti disse…
Ainda tem bolo?
Felicidades, viu!? E parabéns!
Parabéns prolongados, Paula! Bela comemoração essa da crônica.
Eu cheguei atrasada para a festa, mas trouxe os parabéns e a torcida para que seu aniversário tenha sido do jeito que você gosta!
Marcelo Lino disse…
Olá Paula,
Estou gostando muito de seus textos. E meus sinceros parabéns. Já virei um fã seu e quero me tornar um amigo. Já add seu blog ao meu...Ainda sou novo no mundo dos blogueiros, ainda estou me atualizando, no entanto, acho que poderemos trocar muitas idéias em relação a tudo(rs*).

Meu link:
http://mdlino2008.blogspot.com/
Obrigado,
Marcelo Lino
Paula Pimenta disse…
Muito obrigada Mamãe, C.S., Carla, Claudia, Eduardo, Marina e Marcelo! Foi um aniversário muito bacana! :)
Anônimo disse…
parabens!!1(atrasado)
sou sua fa
adorei o seu livro
muitos anos de vida!!
cacau disse…
Parabéns atrasado!!!! Adoroo suas crônicas... Me vi nessa,kkkk

Bjos e FELICIDADES SEMPRE :-)
Anônimo disse…
Sou professora e adorei sua crônica, principalmente porque o texto se encaixa perfeitamente no padrão que eu procurava e usei e uma de minhas prova, espero que não haja problemas.
Obrigada pelo ótimo texto
Kika disse…
Paula,
parabéns atrasado!
sabe que eu smpre penso que, essas pessoas que não gostam de aniversário, é porque ainda não tiveram a festa de aniversário, que fizesse valer a pena, esse envelhecer que estamos fadados...
:)
beijos
Kika
Bia disse…
E pensar que nessa época você não devia nem imaginar que iria escrever séries que fariam tanto sucesso! Vim aqui depois de tanto tempo para ver um dos lugares onde a "coisa toda" começou.
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …