Pular para o conteúdo principal

HOMENS BONITOS >> Eduardo Loureiro Jr.

_nyal_ - Flickr.comPara Júlio, Felipe, Fabiano, Felipe (mais um), Fábio, Felipe (outro), Manu, Felipe (mais esse) e Paulinho

Eu caminhava lentamente, distraído, quando senti duas mãos delicadas pousarem firmes em meus ombros — feito os pés de um passarinho. E quando parei, senti uma cabeça entre as minhas omoplatas — uma testa, um nariz, um bico. Eu já sabia quem era, mesmo sem precisar olhar. Era um homem bonito.

Quem me acompanha sabe que eu gosto de falar das mulheres lindas — lindas, lindas, lindas —, das aeronaves no pátio, da beleza que me intimida. Porque me apavora, a beleza das mulheres lindas, lindas, lindas é feito o estrondo quase incômodo das turbinas, o freio quase desconfortável no atrito.

Os homens bonitos são mais sutis: planadores, asas-delta. Chego mesmo a pensar que eles sempre estiveram por aí, eu é que não estava olhando na direção certa.

O homem bonito tem, antes de tudo, o sorriso. Sorri com a facilidade com que o vento sopra. Não precisa de motivos para sorrir. E, quando é preciso, gargalha. Feito criança ouvindo piada.

Presta atenção o homem bonito. Faz aquele silêncio de aluno interessado. Não reage. Aceita o impacto da novidade, da diferença e até mesmo do desagrado. Ele aprendeu — ou sempre soube — a paciência.

O homem bonito trabalha. Como trabalha! Parece que não tem descanso. Mas descansa no trabalhar. O degrau, que para um homem comum é mais um esforço, para ele é um repouso, uma pausa no se elevar.

Elevando-se em descanso, o homem bonito permanece, não arreda pé. Sabe o que não, sabe o que quer. Já está lá — faz um trailler no pensamento — antes mesmo de chegar.

O homem bonito abraça. Abraço de peito no peito. É a sua marca. E tem sempre um "eu te amo" na ponta da língua, que ele quase nunca diz para outro homem bonito ou não —, mas nem precisa: o homem bonito ouve eu-te-amos com audição canina. Ouve "eu te amo"do mendigo na esquina, da criança desconhecida, da mulher agitada e querida, do homem comum e bonito.


O homem bonito faz filhos, brinca com eles, lhes conta histórias e guarda as deles. Ser pai é sua profissão.

O homem bonito é o pátio onde pousa o avião. E é tão gentil — mas tão gentil o homem bonito — que faz o avião sentir-se maior do que ele mesmo.

O homem bonito pode ouvir, e é por isso que eu digo: eu vos amo, homens bonitos.


Comentários

Tia Monca disse…
Muito bonito, homem bonito!
Bj,
Tia Monca
O homem bonito, se me permite dar pitaco no seu lindo texto, cria crônicas como esta que me fazem perguntar: Como pode escrever tão perfeito assim? :)
Juliana Mendes disse…
Adoraaaaaay...
Meu Deus, os bonitos são os melhores com certeza. Com todas as suas artes...
São bonitos me tudo que fazem.!
" eu vos amo, homens bonitos".
C. S. Muhammad disse…
Bonito mesmo é este texto. Trouxe um sorriso bom para estas bandas de cá.
Anônimo disse…
Homens bonitos também choram, porque choro é reconhecimento do poder sentir com a alma e os olhos são as janelas por onde ela melhor se expressa. Seu texto provocou isso em mim. Obrigado pela moradia.
Grato, Tia, Marisa e Carla. Vocês sabem deixar um homem sem palavras. :)

Sim, Juliana, os bonitos são os melhores, seja lá o que isso queira dizer. :)

Anônimo, grato por compartilhar a água que vem da alma.
Júlio Linhares disse…
Emoção... Gratidão... Felicidade... LUZ, PAZ e AMOR... Suas palavras são doces... Fez-me brotar luz líquida dos olhos comoventes. A cada instante confirmo que “a Felicidade é ter Jesus dentro do coração..." Suas palavras mostram isso!!! AMO Vc pelo que és.
Letti disse…
Linda a crônica. Uia.
Você é, definitivamente, um homem bonito, amigo Eduardo.
Beijo grande!
Continuemos felizes então, inspirador Júlio. :)

Grato pelo "definitivamente", Claudia :) Você é exageradamente linda, ou lindamente exagerada, minha amiga. :)
Ana disse…
Há tantas e tão variadas formas de fazer-se bonito, e creio que para cada um a beleza traz uma mensagem diferente.
A sua beleza, caro Eduardo, a princípio pouco óbvia para mim, despontou de forma radiosa na primeira vez em que vc me dirigiu a palavra, olhando para mim, falando tão desarmado de si; mas ao mesmo tempo não para mim, esta pessoa aqui, especificamente. Poderia ser qualquer outra. Falou de si, de uma vivência pessoal, de um sentimento, e seus olhos brilhavam; mas não por mim, pelo que dizias. A partir dali, sem querer, passei a querer que fosse também para mim aquele brilho; que tivesse algo de pessoal, não só no seu relato, mas também no 'a quem' você relatava...
Uma bobagem ilógica, irracional, mas que tem me feito sonhar, dormindo, com sua figura; com uma frequência que incomoda, qdo penso que vc sequer sabe meu nome, e mal reconhece minhas feições, involuntariamente conhecidas.
De tantas formas de ser bonito, me vi tocada pela sua forma.
Deveria também me desculpar por admirar tão platônica e irracionalmente um homem que não chegou a ver em mim uma bonita mulher? Ou que sequer se apercebeu de que ali havia uma mulher?
Não sei. Sei da inconveniência do que escrevi aqui; mas só poderia dizer aqui, neste lugar, desta forma.
Espero, seja lá por que motivo for que tenham começado, que esses sonhos findem, ou que me levem a algum lugar... em que eu não só olhe e sonhe, mas também seja vista e admirada... por um homem bonito, como uma bonita mulher.
Respeitosamente (acredite, o tanto quanto for possível), Ana.
Ana, não há muito o que eu possa dizer senão, talvez, que a beleza está mesmo nos olhos de quem vê. Grato pela generosidade do que enxergou em mim. Desejo que você encontre um homem bonito.
Nan Hoelzle disse…
Eu aqui babando em cima desse texto "Bonito"...
Salvei ele em meus favoritos e gostaria de poder formata-lo?
Me daria essa honra?
Se puder ficarei feliz!
Bjs
Nan Hoelzle
Nan, grato por babar. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …