domingo, 7 de junho de 2009

HOMENS BONITOS >> Eduardo Loureiro Jr.

_nyal_ - Flickr.comPara Júlio, Felipe, Fabiano, Felipe (mais um), Fábio, Felipe (outro), Manu, Felipe (mais esse) e Paulinho

Eu caminhava lentamente, distraído, quando senti duas mãos delicadas pousarem firmes em meus ombros — feito os pés de um passarinho. E quando parei, senti uma cabeça entre as minhas omoplatas — uma testa, um nariz, um bico. Eu já sabia quem era, mesmo sem precisar olhar. Era um homem bonito.

Quem me acompanha sabe que eu gosto de falar das mulheres lindas — lindas, lindas, lindas —, das aeronaves no pátio, da beleza que me intimida. Porque me apavora, a beleza das mulheres lindas, lindas, lindas é feito o estrondo quase incômodo das turbinas, o freio quase desconfortável no atrito.

Os homens bonitos são mais sutis: planadores, asas-delta. Chego mesmo a pensar que eles sempre estiveram por aí, eu é que não estava olhando na direção certa.

O homem bonito tem, antes de tudo, o sorriso. Sorri com a facilidade com que o vento sopra. Não precisa de motivos para sorrir. E, quando é preciso, gargalha. Feito criança ouvindo piada.

Presta atenção o homem bonito. Faz aquele silêncio de aluno interessado. Não reage. Aceita o impacto da novidade, da diferença e até mesmo do desagrado. Ele aprendeu — ou sempre soube — a paciência.

O homem bonito trabalha. Como trabalha! Parece que não tem descanso. Mas descansa no trabalhar. O degrau, que para um homem comum é mais um esforço, para ele é um repouso, uma pausa no se elevar.

Elevando-se em descanso, o homem bonito permanece, não arreda pé. Sabe o que não, sabe o que quer. Já está lá — faz um trailler no pensamento — antes mesmo de chegar.

O homem bonito abraça. Abraço de peito no peito. É a sua marca. E tem sempre um "eu te amo" na ponta da língua, que ele quase nunca diz para outro homem bonito ou não —, mas nem precisa: o homem bonito ouve eu-te-amos com audição canina. Ouve "eu te amo"do mendigo na esquina, da criança desconhecida, da mulher agitada e querida, do homem comum e bonito.


O homem bonito faz filhos, brinca com eles, lhes conta histórias e guarda as deles. Ser pai é sua profissão.

O homem bonito é o pátio onde pousa o avião. E é tão gentil — mas tão gentil o homem bonito — que faz o avião sentir-se maior do que ele mesmo.

O homem bonito pode ouvir, e é por isso que eu digo: eu vos amo, homens bonitos.




Partilhar

13 comentários:

Tia Monca disse...

Muito bonito, homem bonito!
Bj,
Tia Monca

Marisa Nascimento disse...

O homem bonito, se me permite dar pitaco no seu lindo texto, cria crônicas como esta que me fazem perguntar: Como pode escrever tão perfeito assim? :)

Juliana Mendes disse...

Adoraaaaaay...
Meu Deus, os bonitos são os melhores com certeza. Com todas as suas artes...
São bonitos me tudo que fazem.!
" eu vos amo, homens bonitos".

C. S. Muhammad disse...

Bonito mesmo é este texto. Trouxe um sorriso bom para estas bandas de cá.

Anônimo disse...

Homens bonitos também choram, porque choro é reconhecimento do poder sentir com a alma e os olhos são as janelas por onde ela melhor se expressa. Seu texto provocou isso em mim. Obrigado pela moradia.

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Grato, Tia, Marisa e Carla. Vocês sabem deixar um homem sem palavras. :)

Sim, Juliana, os bonitos são os melhores, seja lá o que isso queira dizer. :)

Anônimo, grato por compartilhar a água que vem da alma.

Júlio Linhares disse...

Emoção... Gratidão... Felicidade... LUZ, PAZ e AMOR... Suas palavras são doces... Fez-me brotar luz líquida dos olhos comoventes. A cada instante confirmo que “a Felicidade é ter Jesus dentro do coração..." Suas palavras mostram isso!!! AMO Vc pelo que és.

Letti disse...

Linda a crônica. Uia.
Você é, definitivamente, um homem bonito, amigo Eduardo.
Beijo grande!

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Continuemos felizes então, inspirador Júlio. :)

Grato pelo "definitivamente", Claudia :) Você é exageradamente linda, ou lindamente exagerada, minha amiga. :)

Ana disse...

Há tantas e tão variadas formas de fazer-se bonito, e creio que para cada um a beleza traz uma mensagem diferente.
A sua beleza, caro Eduardo, a princípio pouco óbvia para mim, despontou de forma radiosa na primeira vez em que vc me dirigiu a palavra, olhando para mim, falando tão desarmado de si; mas ao mesmo tempo não para mim, esta pessoa aqui, especificamente. Poderia ser qualquer outra. Falou de si, de uma vivência pessoal, de um sentimento, e seus olhos brilhavam; mas não por mim, pelo que dizias. A partir dali, sem querer, passei a querer que fosse também para mim aquele brilho; que tivesse algo de pessoal, não só no seu relato, mas também no 'a quem' você relatava...
Uma bobagem ilógica, irracional, mas que tem me feito sonhar, dormindo, com sua figura; com uma frequência que incomoda, qdo penso que vc sequer sabe meu nome, e mal reconhece minhas feições, involuntariamente conhecidas.
De tantas formas de ser bonito, me vi tocada pela sua forma.
Deveria também me desculpar por admirar tão platônica e irracionalmente um homem que não chegou a ver em mim uma bonita mulher? Ou que sequer se apercebeu de que ali havia uma mulher?
Não sei. Sei da inconveniência do que escrevi aqui; mas só poderia dizer aqui, neste lugar, desta forma.
Espero, seja lá por que motivo for que tenham começado, que esses sonhos findem, ou que me levem a algum lugar... em que eu não só olhe e sonhe, mas também seja vista e admirada... por um homem bonito, como uma bonita mulher.
Respeitosamente (acredite, o tanto quanto for possível), Ana.

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Ana, não há muito o que eu possa dizer senão, talvez, que a beleza está mesmo nos olhos de quem vê. Grato pela generosidade do que enxergou em mim. Desejo que você encontre um homem bonito.

Nan Hoelzle disse...

Eu aqui babando em cima desse texto "Bonito"...
Salvei ele em meus favoritos e gostaria de poder formata-lo?
Me daria essa honra?
Se puder ficarei feliz!
Bjs
Nan Hoelzle

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Nan, grato por babar. :)