Pular para o conteúdo principal

A FELICIDADE.EXE >> Carla Dias >>


O que é a felicidade?

Seria um clique e a execução descarada da nossa necessidade de sorrisos, abraços, cafezinhos, vinhos e comida boa, cafuné, compreensão?

Quando recebi a notícia de que o novo disco do compositor, violonista e cantor Élio Camalle teria o título de A FELICIDADE.EXE, antes mesmo de me esbaldar nas definições tecnológicas, peguei-me namorando as metáforas, saboreando a ideia de haver esse jeito virtual de clicar em emoções executáveis. Mas claro que ele já tinha pensado nisso antes:

Ela me abriu a janela e disse: clique aqui e seja feliz! Foi o que eu fiz, cliquei.
(Programa)

Como seria experimentar um programa que nos ensinasse a ver a vida através de frames de felicidade?

Eu suspeito das pessoas felizes em tempo integral. Admiro profundamente as que sabem saborear a felicidade sempre que ela aparece. Por isso mesmo o A FELICIDADE.EXE me soou íntimo. Quem ouve o disco passa pelos altibaixos oriundos dos tradicionais sentimentos cravados na alma do ser humano, passando pelo abandono e pelo encontro, pela percepção clara de que a poesia gargalha, enquanto se debulha em lágrimas.

Que raio de amor é esse que me pegou sem prévio aviso, sem dinheiro e sem filtro solar, sem os meus óculos escuros?
(Festa da Solidão)

Sábado passado, fui à Casa das Rosas, esse espaço cultural super bacana que fica na Avenida Paulista, aqui em São Paulo. Fui assistir ao show de lançamento do CD A FELICIDADE.EXE e, claro, dar um abraço no amigo que não via há um tempão, o pai do Théo.

Tu, revelando o filho de um tempo atrás, eu, construindo o pai que um dia serás.
(De pai pra filho)

Élio Camalle é um dos meus compositores preferidos, mas também aprecio, e muito, o instrumentista. Ele faz o violão cantar o número de identidade, e falo de número de identidade musical! Também gosto demais da sua voz a cantar sua poesia que, mesmo dolente, remete à esperança de compreensão e regalo.

Deus da minha necessidade, da minha imaginação. Deus da minha cidade, do pavor de morrer cedo, do medo da solidão, vim aqui lhe confessar: dia desses fui feliz, vi que era lindo o mar.
(Dúvida)

Mesmo quando o artista enfia o pé na irreverência, há uma sutileza abastada de tramóias para nos pegar no pulo. Ele brinca com a palavra para abordar seriedades, e o faz como o menino que gosta de estilingue e tenta, diariamente, acertar uma estrela, mas só para que ela venha a Terra lhe fazer companhia.

Vou viajar pro beleléu, morar na casa do chapéu. Onde Judas perdeu a sola do pé. Vou sem saber pra onde vou. Vou longe! Vou desaparecer do mapa, tomar um chá de sumiço.
(Longe)

A felicidade é uma dona indecisa. Às vezes, ela medita milênios sobre meandros, só para decidir, bandeando para a urgência, a quem atenta e a quem atende. Sobram, então, a alegoria dos corações partidos, amores intrincados, as volúpias domesticadas.

Se seu amor foi embora, amanhã é outro dia. A dor dá asas, a gente voa sem geografia. Inda que doa, dá à pessoa sabedoria.
(Amplificador)

Entre uma canção e outra, encontrei uma bela declaração de amor para fazer quando o desejo já passou a rasteira na gente:

Benfica comigo, cola o teu umbigo no meu. Benfica comigo, cola o teu umbigo nu no meu umbigo.
(Neguinha Monamour)

E a necessidade de encontrar alguém que não parta ou nos parta ao meio de tanta espera:

Hoje eu quero alguém que combine comigo, que tenha a cara, rara metade de mim.
(Caso)

Élio Camalle teceu um disco que pode até usar e abusar dos termos da tecnologia que assola nossa modernidade, mas o manteve nas beiradas de uma ironia sedutora e atemporal, debruçando-se no bom e velho olhar de quem compreende que a maioria das novidades são reinvenções e que nem sempre estamos preparados para a melhor das versões da realidade.

Cortei os pulsos da tarifa telefônica; apaguei a conta de luz; tirei seu nome do meu RG; e pus a corda no pescoço da segunda-feira.
(Felicidade)

Para quem gosta de enveredar por novos caminhos, o A FELICIDADE.EXE é um bom rumo a se tomar. Conhecer o trabalho de Élio Camalle, partindo desse disco, pode ser uma jornada bem interessante. Há outras canções neste álbum que não citei, assim como faixas interativas. Porém, depois deste, permita-se sentir tentado também a conhecer os discos anteriores. Há muito a ser apreciado na discografia desse compositor.




Agora que vocês conhecem um pouquinho de algumas letras do FELICIDADE.EXE, confiram a página de Élio Camalle no Myspace para conhecerem a música:

http://www.myspace.com/eliocamalleoficial


Imagens: 1) Capa do CD - 2) por Alessandra Fratus - 3) por Gabriela Moraes - 4) por Michele Andrade

http://www.carladias.com/
http://talhe.blogspot.com/

Comentários

Carla, você sempre nos mostrando essas coisas bonitas... Grato,
Carmem Silvia disse…
Li, gostei e divulguei no twitter.
Juliêta Barbosa disse…
"Que raio de amor é esse..."
"Diz quem te convidou pra festa..."

Carla,

Gostei de ouvir o Élio. Vou escutar as outras músicas. Obrigada por apresentá-lo, ainda não conhecia o seu trabalho.
Carmen Novo disse…
Que bonito!
Beijos pra vc e sucesso pro Élio.
Carla Dias disse…
Eduardo... É sempre bom dividir as coisas boas, não?

Carmen Silvia... Muito obrigada! Você conhece o trabalho do Élio, e sabe que ele merece que sua música ganhe o mundo.

Juliêta... Sou suspeita, mas nem tanto. Quando gosto de algo, é porque realmente me caiu no gosto. Acho que se você abrir seu coração, encontrará uma boa jornada nas canções do Élio.
Carla Dias disse…
Carmen Novo... Ah, minha amiga, legal seria se você estivesse aqui vendo essas pessoas bacanas que também você conhece... E é!
Adriana Dias disse…
Felicidade existe? Depende... Tristeza existe? Para tudo há seu avesso. Excelentes os comentários,cheios de poesia rsrs. Não conheço o cntor, mas, fiquei curiosa. Afinal, para merecer tanta melodia nas linhas virtuais desta crônica!!! Bjks
Carla Dias disse…
Felicidade existe, sim! E não depende, viu? Quando sabemos que ela dá as caras de vez em quando e aprendemos a recebê-la nessas ocasiões, acredite, ela vem e se instala na biografia da gente. Neste caso, como a música do Élio.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …