Pular para o conteúdo principal

A PREPARAÇÃO >> Leonardo Marona

Apenas vinhos baratos, por uma ressaca fraterna. Muito deve estar relacionado à forma com que um se acomoda de frente para a fera sedenta. Sim, é fundamental ajustar o espírito para receber a luz forte. Abrir as janelas, ouvir o som de lá fora, tentar capturar as nuances que se acumulam e se atropelam. Dar uma ou duas voltas pelo ambiente, tocar objetos de vidro e de metal, sentir o frio se comportar diante da pele ainda confusa, administrar a ansiedade em desenvolver pirâmides.

Que se pode fazer senão preparar o corpo, não sentar agora, tomar um copo de seja o que for, entrar em conexão com o movimento torrencial, alimentar com qualquer substância levemente venenosa o corpo, adaptá-lo ao leve, muito leve cinismo criador?

Recuar tantas vezes quantas necessárias também pode engrandecer a sujeição às idéias ainda soltas num pequeno espaço sem luz, mas cheio de calor. As janelas ainda abertas. Um calor insuportável e as plantas paradas. O som dos carros que passam pela avenida comporta uma solidão de ultraje. Os seres invertebrados da noite parecem tão felizes...

As reticências de repente assustam. Há que se ajeitar perante o assento. Barbaridade essa barba grossa, esse cabelo desgrenhado. As pernas doem, o corpo reclama em qualquer língua ancestral. Ainda mais essa repentina sensação constrangedora de faltar um Quê imprescindível. Buscar esse Quê. Vale a pena abrir as gavetas? Tudo vale a pena... Destino mais enfadonho. O de tudo valer a pena. A sensação de ser lhama da montanha gelada serve apenas para acalentar o espírito. Conhaque também. Preparar o cinzeiro, limpar as cinzas mais antigas, trazer o aparador para o charuto enrolado num excelente país escravocrata, almofadas para o assento, que por baixo se começa a pensar.

Sim, estalar os dedos um no outro, Get out of town, todos de repente, todos os dedos, roídos e sem digitais bem-definidas, todos assim sobre a mesa, abrir enfim uma garrafa, talvez seja mesmo a hora, o tic tac, tic tac, tic tac do relógio, um momento, isso não é Machado de Assis! Que dedos horríveis, pobres coitados, dedos em pânico. Cada vez mais reticente... Importantíssimo enterrar os mortos, deixá-los com sabedoria de pasto. Mas é inevitável e perfeitamente ordinária a conclusão de que talvez um belo bico de pena ajudasse em qualquer petição poética.

Carregar por que a tinta dos infelizes? Nada disso, com um bom preparo atinge-se a excelência. Frieza, e avante! Sente-se, cuidado com a postura, deixa a máquina rodar seus eixos, deixa a fúria tomar corpo. Um gole a mais ou a menos, que há de fazer contra? O principal é traçar um objetivo claro. Realizar devidamente a tarefa e recuperar a esperança das massas. Está tudo pronto, a favor de uma dialética proveitosa. Como comecei mesmo isso aqui? Era uma frase bonita. Meio sem sentido. Mas bonita. Apenas vinhos baratos, por uma ressaca fraterna. Pois muito bem. Tantas voltas para chegar de novo a isso? Ó palavras desconexas, por que nos acompanhais por becos tão sólidos e abstratos? A cabeça ereta contra o encosto reclinável, por favor, endireite essa postura, estale os dedos, deixe Julie London soltar sua voz de branca sem preconceito, e então o que dizer mais, o que dizer?

Comentários

cArLa disse…
Palavras desconexas às vezes criam arte, não? :)
Léo, o leitor é que precisa de uma preparação para tanta perfeição na escolha das palavras e no encaixe perfeito do começo ao fim do seu texto. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …