Pular para o conteúdo principal

AQUELE QUE FAZ ANJO VOAR
>> Eduardo Loureiro Jr.


Eu gosto de pensar que se não tivesse trocado o curso de Engenharia Elétrica pelo de História, há 20 anos, eu não teria conhecido Fabiano e Manu, nós não teríamos formado Os internos do pátiO, o patio.com.br não teria sido criado, o Crônica do Dia não existiria e eu não estaria aqui escrevendo para vocês — o que seria uma pena.

É bom olhar para trás e perceber que tomamos a decisão correta. Embora isso nos deixe um pouco desconfiados em relação às decisões erradas: não teremos uma nova chance?

Sim, parece haver outras chances. E a prova é que Fábio, que é da minha idade, e que formou-se em Engenharia Elétrica, tornou-se um interno do pátio, trazido por seu irmão Roberto, o menino da psicologia que fisgamos enquanto tentávamos pescar as meninas da Psicologia. Se eu tivesse feito Engenharia, haveria a esperança de eu ter chegado ao pátio pelas mãos dele.

Eu poderia ter conhecido Fábio nos corredores da Engenharia, mas o conheci, alguns anos depois, no bosque da Pedagogia, onde, uma vez por semana, os internos se reuniam para ler poemas próprios e alheios à luz de uma lanterna. Fábio não me chamou a atenção naquela primeira noite. Ele é uma daquelas pessoas pelas quais levei anos para me apaixonar.

Fabiano reconheceu Fábio primeiro. Fez para o tímido baixista um poema vestido de canção:

Fábio toca baixo.
Fábio toca muito baixo.
Como quisesse fazer criança dormir.
Como quisesse fazer anjo voar.

Enquanto fazíamos canções, Fábio fazia linhas melódicas complementares no baixo ou no violão. As notas que Fábio arranjava para as nossas músicas eram meninas da Psicologia — lindas, lindas, lindas — que se rendiam surpreendentemente aos nossos poemas de queixo caído.

Mas Fábio sempre teve essa mania besta de ser um engenheiro dos mais trabalhadores. Quando traço meus planos do que vou fazer quando ganhar na mega-sena acumulada, sempre incluo um diálogo imaginário que é mais ou menos assim:

— Fábio, quanto você ganha por ano?
— $$$$,$$.
— Pois eu lhe pago cinco vezes isso para você passar pelo menos os próximos cinco anos dedicando-se exclusivamente à música.

(Vocês não conhecem o Fábio, então, para terem uma idéia, pensem que é o mesmo diálogo que eu teria com a Carla Dias — aqui do Crônica do Dia —, trocando apenas a música pela literatura.)

O sempre pontual e metódico Fábio, cheio de cuidados e flanelas com seus instrumentos musicais, revela sua genialidade nos improvisos. Fábio toca lindamente quando escuta uma música pela primeira vez. Não sei como ele consegue isso. É um milagre, um milagre que se repete sempre. Não acreditam? Escutem isso:


Sempre que venho a Fortaleza — estou aqui agora —, reúno os internos para um "pátio", o nome que damos aos nossos encontros, que não mais acontecem no pátio da universidade, mas na casa da Luiza, da Nininha ou do próprio Fábio. Luiza, nossa ex-professora, eterna mestra e amada amiga, de vez em quando reclama que a gente só fica tocando e não conversa. E minha desculpa é um verso de Manu, feito para a própria Luiza: "O nosso amor, Luiza, tem que ser vivido de forma musical". Se eu não precisasse de desculpas, diria apenas: "Eu quero ouvir os sons que o Fábio faz o máximo de tempo que eu puder."

Fábio finge que toca seu violão quando, na verdade, está tocando é as cordas de meu coração. E é um toque tão terno, e ao mesmo tempo tão firme, que eu de vez em quando me desconcentro e esqueço a letra e os acordes de minhas próprias composições. Feito nessa canção:


Hoje é aniversário do Fábio. Às 16h, os internos estarão em sua casa, onde ele nos receberá ao lado de sua esposa Jariza e de sua filha Clarice. Nós faremos um pátio de muita música — tudo bem, um tanto também de conversa — e viveremos nosso amor por algumas horas. Meu gravadorzinho estará registrando tudo e, por trás da voz de Clarice, brincando animada no meio da sala, um dia, no futuro, vocês poderão ouvir o som que faz o nosso interno coração quando ele sai pelo pátio da nossa boca.



Comentários

Felipe disse…
Não conheço Fábio, mas dê a ele um abraço e meus parabéns. Não só pelo aniversário... o cara toca demais mesmo! Escutei a música umas três vezes seguidas. :)
Ai, Eduardo! Hoje o que li aqui foi o texto de um talento falando sobre outro. Às vezes me sinto uma intrusa fazendo comentários tão simplistas diante de algo tão grandioso...
Tia Monca disse…
O aniversário é do Fabio e nós é que ganhamos o presente de ouví-los :)
Parabéns Fábio! Tudo de melhor para você e todos que você ama!
Tia Monca
Felipe, Marisa e Tia Monca, espero que o Fábio venha aqui ler os parabéns de vocês. :) Acrescentei ao final da crônica uma canção do próprio Fábio sobre o pátio, que ele tocou e cantou ontem.
cArLa disse…
Lindas: música e crônica. Faça-me um favor e ganhe logo na megasena, tá?
Tá certo, cArLa, farei a minha parte. :) Embora já tenha ganho várias mega-senas na minha vida, como as que estão descritas nas Casas de 2008. ;)
ana disse…
E no encontro do pátio, nunca tentaram um bolão pra mega-sena?
Tem muito talento aí, pra ser investido...
bjs
Ah, Ana, nos encontros do pátio só se pensa em música e poesia, nunca em loterias. :)
Anônimo disse…
Tudo q vc escreve eu gosto Edo. Sou até suspeita para fazer comentários. Bjos Dil
Grato, Dil! Bom tê-la de volta por aqui. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …