Pular para o conteúdo principal

NÃO, BRIGADA >> Ana Coutinho

Meu marido diz que tenho os olhos maior do que a boca. Discordo solenemente, mas sou abrigada a admitir que tenho alguma dificuldade em dizer uma frase corriqueira, tola, dita por todos ao menos uma vez na vida: “Não, brigada”. Deve ser algum bloqueio, algum trauma de infância, algum carma a ser enfrentado. Chego a invejar aqueles que conseguem, diante de uma bandeja de brigadeiros, dizer, sem nenhum esforço aparente: “Não, brigada”.

Dizem assim, “brigada”, sem o “o”, porque faz parte do seu dia-a-dia negar algo que não lhes interessa. A mim, não.

Sou incapaz de dizer "não, brigada" para um pedaço de frango do prato alheio, para um gole de coca do colega, para um quadradinho do chocolate do outro. Também tenho dificuldade em negar experimentar uma blusinha básica, uma sapatilha nova, ou uma voltinha pra tomar um café. Se me perguntam, talvez por educação, “Ana, vou tomar uma café, quer?”, eu levanto e vou. Não tomo café, mas vou – e, às vezes, chego a depositar o café no copinho, só pelo prazer de segurá-lo quentinho nos meus dedos, ficando depois com aquele problema nas mãos, o café dentro do copinho de plástico, sem destino fácil.

Embora o problema maior seja com alimentos de forma geral, também tenho dificuldade com outras coisas. Se o cabeleireiro me diz que franja pro meu rosto é ótimo, até nego uma vez, mas torço pra que ele diga de novo, para que então eu possa dizer minha frase favorita: “Vou experimentar”.

Experimentar, experimentar, experimentar. Não é disso que é feita a vida? De experiências? E tudo é experiência. Uma empadinha de abóbora, para mim, pode ser uma experiência única e me sinto absolutamente inquieta e angustiada se não souber que gosto tem aquela coisa estranha que alguém me oferece, normalmente com um sorriso no rosto.

Quanto mais esdrúxulo, mais me interessa. Se o maître diz que tem um pato delicioso, lá vou eu pedir o pato e me arrepender loucamente depois, enquanto imploro que meu marido ceda-me um pedaço de seu habitual frango grelhado. Nem passa um dia, ainda no mesmo jantar, todas as sobremesas do cardápio me parecem interessantes. Tudo, tudo me interessa, com exceção de cigarro e drogas ilícitas em geral, posso dizer que sou incapaz de pronunciar as palavras mágicas: “Não, brigada”. Por essa razão, já tentei transformar bolinhas de queijo e sorvete em drogas ilícitas. Raramente consigo. E se meu companheiro não partilhar da minha rara negativa e resolver aceitar, perde o dele para mim em questão de segundos.

A vida por vezes torna-se tão irresistível em de suas novidades que me sinto sempre aquém do que posso ter. Sempre encantada com uma nova possibilidade, com um novo jeito, um novo gosto, uma nova tentativa. O preço desse encantamento pode ser uma franja horrorosa, um pato esquisito ou uma blusa encalhada no armário. Meu consolo é que o preço da não tentativa, o preço pago por aqueles que conseguem viver sempre com o mesmo filé com fritas, pode ser ainda mais imensurável.

Comentários

Ana, sei que vou parecer exagerado... Mas você é a melhor cronista que eu conheço. Tudo bem, o Machado de Assis é genial, mas ele já morreu. E o Verissimo é incrível, por isso mesmo até duvido que ele existe. Mas você... você é fenomenal! E eu já lhe dei até um beijo no rosto. :) Ainda bem que no dia em que uma grande editora lhe descobrir, e lhe oferecer a publicação de um livro com suas deliciosas e perfeitas crônicas, você não corre o risco de dizer "não, brigada". :)
Juliêta Barbosa disse…
Ana,
O preço desse encantamento chama-se "viver". E viver como já disse alguém é correr riscos.E só experimentando é que podemos dizer: esse eu quero, este não, isso me pertence, isto não, e a partir daí fazermos as nossas escolhas. São elas quem nos definem.
Parabéns, ótimo texto!
Amor amor disse…
Experimentar coisas é muito bom, mas eu me atenho a experimentar o que não me traz consequências muitos sérias. Por exemplo, agora só de olhar, sem vestir já sei se a peça vai ficar encalhada ou não no armário, já experimento virtualmente em questão de segundos, e já consigo dizer não, brigada, nessas horas, hahaha....
Ah, mas tem coisas que eu queria que dessem certo, e queria experimentar uma coisa e depois a outra, pra ver qual dava certo. Mas às vezes, a vida só nos dá oportunidade de experimentar uma opção, né? Aí fica complicado... :os

E o Eduardo tem razão, vc é demaaaaaiiiissss!!!

Beijinhos doces cristalizados!!! ;o)
Monica disse…
Ana,
Muito bom! Desejo que você não perca nunca sua vontade de experimentar e que a vida continue lhe permitindo pegar o frango grelhado, de alguem que tá por perto, quando o resultado do novo não lhe satisfizer :)
Um abraço,
Monica
Carla Dias disse…
Muito bom, Ana!
Experimentar sem culpas é uma ótima meta para os que adoram um "Não, brigada". Bjs!
cArLa disse…
Ana, que engraçado... me lembrei de quando era pequena. Minha mãe me empanturrava de comida antes de ir a uma festa só para que eu fosse "polida" e dissesse" não, brigada" para o prato de brigadeiro e afins.:)

Ah... como eu queria dizer: "sim, brigada! Posso pegar 2?"
Como nos tolhimos e nos deixamos tolhir...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …