Pular para o conteúdo principal

FAZENDO MEU FILME >> Carla Dias >>


Ano passado, assim que a companheira de Crônica do Dia, Paula Pimenta, anunciou o lançamento do seu livro, o “Fazendo Meu Filme”, me bateu de pronto a vontade de lê-lo. Depois de alguns dias, fiz a compra num site e o recebi na mesma semana.

Atrapalhada do jeito que sou, somando a criação de sei-lá-quantos projetos para aproveitar possibilidades, o meu trabalho aqui no IBVF e a correria que o final de ano promove, acabei deixando que essa vontade se atrapalhasse toda nos meus afazeres diários, e a leitura ficou pra mais adiante.

Mais adiante chegou junto com minhas férias e jurei que delas a leitura não passaria. Sendo assim, equipei-me com aquele cafezinho fresco que muito me apetece e fui cuidar de ler o livro.

Eu li, aqui mesmo, a crônica “A História Do Meu Livro”, da própria Paula, falando sobre como nasceu o “Fazendo Meu Filme”. O processo de criação de uma obra é sempre do meu interesse e, quando se trata da literatura, me causa curiosidade saber sobre a relação que o escritor mantém com seus personagens.

“Fazendo Meu Filme” é um livro cativante. Quem já passou dos dezesseis, idade da personagem central da trama, a Estefânia, que gosta mesmo é de ser chamada Fani, não precisa se preocupar. A cadência com a qual Paula conduz a história acaba nos levando a interagir com situações e emoções atemporais. Os cenários mudam com o decorrer do tempo, mas as encanações, o desejo e o medo de viver determinadas experiências, a confusão, a amizade, a distância e o amor estão lá... Entre outros tantos badulaques emocionais.

Confesso que ficou impossível não pensar nos meus dezesseis anos de idade - que já ficaram bem lá atrás e faz tempo! -, ainda que tenha sido tão diferente essa época do que conta o livro. Mas Fani acaba promovendo essa viagem com um jeito alto astral (apesar dos chororôs) que nos contagia. Daí para misturarmos nossas próprias lembranças com a história dela fica fácil.

Gostei muito da forma como a comunicação entre os colegas de sala e amigos próximos aconteceu. Apesar de ter achado tão bacana os bons e velhos bilhetinhos durante as aulas, os telefonemas quase histéricos na hora de contar as novidades, são as conversas por MSN entre Fani e sua amiga Gabi que garantem diversão, independente se o assunto é sério ou não. Aliás, o tom bem humorado que Paula agregou ao texto só fez deixá-lo ainda mais atraente ao leitor.

As citações de filmes que abrem cada capítulo, além de acentuarem a paixão de Fani pelo cinema, também servem para atiçar a curiosidade do leitor sobre o que virá a seguir.

A menina que. ao se inscrever em um intercâmbio, tem sua vida bagunçada,e a cabeça mais ainda, mergulha em uma série de questões nas quais muitas meninas da idade dela esbarram. Esse novo olhar com o qual Fani observa o mundo a amedronta e, ao mesmo tempo, fascina. Pensar em ficar distante, durante um ano inteirinho, da família, dos amigos, dos filmes que coleciona, do país, da paixão secreta e daquela que realmente importa, faz com que essa menina se aproxime da mulher que se tornará, compreendendo que na vida é possível desempenhar o mais belo dos papéis, criando seu próprio filme.

“Fazendo Meu Filme” pode ajudar, de uma maneira muito agradável, a muitas adolescentes a compreenderem suas encanações, assim como perceberem que é legal dar presente personalizado, ouvir música, tomar sorvete, ir ao cinema, reunir os amigos em casa... E também pode levar os adultos a uma jornada divertida e reveladora no país da doce Fani.

Confira: www.fazendomeufilme.com.br




Comentários

Paula Pimenta disse…
Ai, Carla, que lindeza! Até chorei! :)

Que bom que vc gostou do livro, muito obrigada pelo retorno e - por que não dizer - pela propaganda!

Beijo grande!
Carla Dias disse…
Ah, Paula! Que bom que você gostou da crônica. Eu a escrevi com o maior gosto, porque adorei o seu livro.

Sorte, viu? Que o "Fazendo Meu Fime" a ajude a alcançar muitos dos seus sonhos.

Beijos!
Júh disse…
admiro muito a capacidade de certas pessoas, que fazem com que fiquemos presa as palavras, que nos fazem chorar com coisas escritas em uma simples folha, quando lie o livro tinha 15 aninhos, hj 16 :D, ´fiquei presa a esse livro d uma tal forma que se lesse no final sempre chorava!!!!!
a história parecia tal real, tão viva q me via naquele meio!

amei, amo esse livro mais q tudo!!

e espero o 2 :D!

bjus

sucesso

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …