Pular para o conteúdo principal

É mesmo algo muito raro >> Leonardo Marona

Eu queria ao menos por uma vez ser coerente. Dizer sem pecado as belezas do mundo. Queria ver as cores cada uma no seu lugar. E que o sangue não me assustasse tanto. Queria sentir prazer em acordar dormir acordar levantar deitar segurar a ampulheta virada para baixo. Eu queria que o sol me dissesse qualquer coisa de “continuemos então de mãos dadas”. Que a poesia recolhesse meus órgãos para um local seguro, longe do monstro sem forma que me apedreja. Ah, como eu gostaria, por um dia, uma hora, tratar os seres humanos como iguais e amar a mim mesmo tanto que seria possível gostar de um igual a mim. Mas o mundo exige certa dose de brutalidade. É algo estritamente necessário para a separação dos grãos. Com um metro e setenta de altura, segundo o laudo militar, minhas chances são tão ínfimas quanto as de Napoleão. Mas só de ver e sorrir por simplesmente estar vendo, apenas reagir às manifestações da terra como se tudo fosse importante e estivesse no seu devido lugar, “ver por outro prisma”, apenas romper com a idéia preconcebida ainda dentro do cerne. Queria finalmente olhar, e ver. Ver tudo e não esperar nada porque estaria vendo realmente tudo, mas, moralmente, a idéia de não esperar nada me assusta e me aproxima de cometer uma atitude qualquer impensada. Queria, queria, queria. De que adianta falar que adoraria provar a doçura de cada pessoa, lamber os dedos que tocaram o favo e dar de provar da substância a qualquer um? De que adiantaria mais essa interrogação? Queria, sim, queria olhar para vocês e não precisar escrever nada, pensar em vocês como página branca mais bonita. Queria um texto branco para ninar meu pavor de continuar com essas perguntas vazias e essa adolescente insubordinação. Mas estou perdendo a batalha, sinto-me cada vez mais como qualquer um. Apenas não me esqueci. A memória é o que nos impede de aceitar totalmente. E tenho um repentino ímpeto de pular da cadeira, vestir a calça mais velha, entrar no primeiro boteco e olhar a todos nos olhos e que nesse único movimento todos os órgãos transbordassem por dentro de cada corpo. E as doenças seriam bem-vindas e os aleijados e os mal-cheirosos e até mesmo os crápulas incorrigíveis abraçariam a mesma causa. Que comoção seria a tomada das ruas, os chocalhos nas mãos das crianças e as bebidas divididas por pessoas que pela primeira vez se olhassem. Mas, em vez disso, a confusão da sensibilidade leva à propagação da dor. E nas ruas ninguém se olha, mas todos esperam algo de algum lugar. Um meteoro, um dilúvio, qualquer coisa que as faça sacudir a carcaça para aceitar mais. E esperando envelhecemos distantes uns dos outros. E velhos nos tornamos cada vez mais parecidos. As crenças vão se transmutando em horríveis carrancas, as expectativas cada vez mais ácidas e menos humanas. Vivemos as cascatas de uma troca de pele inédita. Queria a doçura, de fato, queria a poesia funda de alguém que respirasse mais alto. Mas os ídolos envelheceram e representam o outro lado. Estamos sozinhos e procuramos ajuda em pleno sol. Corpos em chamas que não chamam atenção. São dúvidas que não serão respondidas, a carne dura do tempo achatado por hipóteses remotas. E vivemos às custas dos que possuem tudo e não têm nada. E nem mesmo a língua pátria está mais do nosso lado. Acabaram com os acentos, os pontos hesitantes, os travessões intransponíveis, as vírgulas lispectorianas. É um tempo duro de notícias temerosas e praias cheias. Nossas pernas agüentam ainda mil quilômetros, mas temos um buraco no peito, que não é tuberculose, não é amor ferido, não é piedade, não são leituras equivocadas ou buscas rudimentares. Existe um desaparecimento ao lado de cada um. Aos delicados, deve-se dizer: cuidado! A poesia não é mais a poesia que salva uma vida. A poesia agora quer tomar o espaço da vida. Já tomou. É mesmo algo muito raro não se perder a ternura.

Comentários

Ah, Léo... Essa ficou no pontinho que eu gosto. :) Muito bom esse equilibrismo entre utopia e apocalipse.
Juliêta Barbosa disse…
Ah, Léo, entre a utopia e o apocalipse, existe o mundo real, e ele nos pede que façamos a nossa parte. Um pouco de doçura aqui, uma ternura escondida alí e podemos transformar o mundo com nossos pequenos gestos. Será isso, utópico também? Acredito que a tentativa ainda é melhor do que cruzar os braços e ver o circo pegar fogo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …