Pular para o conteúdo principal

PELA CASA, PELA MEMÓRIA [Ana M. M. González]

Ele entrava pelos cantos todos e hoje viaja pelos túneis de minha memória. Era um cheiro, um aroma forte e bom. Quente. Saía dos muitos pães doces que se inventavam todos os finais de ano. Para mim, ele começava antes, quando minha avó se punha a amassar a farinha com a receita tradicional da família. Eu já adivinhava que ele estaria a dançar junto com a música e todo o movimento que se daria pela casa. Era um cenário completo, com sonoplastia e personagens. Castanholas e solados de vozes nas canções típicas e populares, selecionadas pela tia de cabelos alourados. Os elementos dessa narrativa não precisavam mudar.

Depois dessa faina de organizar as mesas e amassar os ingredientes, os pães iam para o forno. Alguns para o forno da cozinha. A maioria para a padaria do bairro, cujo dono emprestava grandes assadeiras, onde eram arrumados os pães por assar. Quantas? Não sei, não saberia dizer, porque meus olhos de criança se distraíam em meio à multiplicação dos pães, enfileirados pouco a pouco nas mesas da cozinha e da copa, com minha avó a formar as tranças para adultos e bonecos para os netos. Bonecos e tranças eram pincelados com gema de ovo e salpicados com açúcar cristal por último. Depois desses ingredientes prosaicos eles se transformavam. Voltavam do forno quentes e dourados, com muitos brilhos. Coisas do tempo do forno. Coisas da avó.

A massa continha erva-doce, os pequenos bonecos levavam uvas-passa no umbigo e nos olhos. Eram feitos para os netos, em número certo, dez ao todo. Carregavam dentro da massa o carinho que a avó punha em todas as fornadas. Os amigos que visitavam a casa sempre saíam com esse presente possivelmente desejado o ano inteiro. Era reinstalada a cada ano essa tradição do avô que, orgulhoso de sua posição na comunidade espanhola, fazia o papel político de boa acolhida das visitas a quem presenteava com alegria, chistes e pães perfumados. A música andava também pelos corredores, junto ao calor de tudo. Solidão nenhuma cabia por ali.

Será que eu fantasiei um tanto cenário e personagens? Depois de tanto tempo, a memória ganhou licença para qualquer seleção imaginativa e livre. Talvez eu esteja me perguntando agora: “onde estão todos?” A vida anda. Os cenários mudam e também as personagens e cenários em nossas narrativas de vida.

Mas a memória guarda aquela repetição que todo ano cumpria o ritual da fundação da natalidade, do espírito da comunhão. A família, que não era religiosa, nessa época marcava o clima do renascimento. Era então preciso também reiniciar a cada ano o fazer o pão, em meio ao receber as visitas e ao distribuir o presente. Era preciso fundar a todo ano a família, a amizade e o Natal.

Escuto as risadas das crianças. Sinto o movimento da casa. Vejo meu avô de perfil contando casos antigos. Persigo pelo ar o cheiro do pão doce. Ele ainda paira em minhas narinas. Vejo minha avó andando pelos corredores compridos da casa. Ela ainda acende a luz em minha caminhada a cada final e começo de ano.

Comentários

Debora Bottcher disse…
Que narrativa deliciosa... Trouxe à minha memória o tempo em que,
também eu criança, ficava às voltas com a cozinha da minha avó, o fogão à lenha, a casa à beira do rio, muitos primos pelos corredores, meu avô, meu pai e tios pescando à margem do quintal da casa, um falatório geral ao redor. Ali também tinha perfume de pães, doces, bolos e café nos finais de tarde, com a mesa cheia (minha avó teve 11 filhos, que geraram tantos mais!), as algazarras infantis, o barulho da casa que se juntava aos da pequena Sousas - cavalos e charretes na rua, o bonde, galinhas no quintal junto das águas do rio ao fundo.
São as memórias delicadas que abrigamos...
Um beijo enorme e obrigada, Ana, por texto tão singelo.
Juliêta Barbosa disse…
Ana,
Isto não é um texto, é uma canção de amor! Linda, linda, linda.
Alimentou a minha alma que tem sede e fome de coisas belas. Parabéns!
cArLa disse…
Que texto tão delicado! Senti até o cheirinho do pão.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …