Pular para o conteúdo principal

Para criar em 2009 >> Ana Coutinho >>

Está um pouco em cima da hora, eu sei, mas é preciso fazer. Porque é preciso se comprometer, senão com os outros, comigo mesma e com aquilo que — ao menos hoje — sonho.

Sonho em passar 2009 magrinha e feliz, fazendo ginástica, bebendo água de coco e chá verde.

Também pretendo trabalhar um pouco, mas não muito, e comer bem. Sei, sei, é um pouco contraditório, mas e daí, é sonho oras.

Quero trabalhar pouco, mas quero ganhar muito, isso é importante ressaltar. Quero comprar coisas boas, mas não quero perder a noção. Não vou ceder às sandálias gladiadoras, não vou usar macacão e nem enfiar um chapéu preto na cachola em nome da moda. Não. Vou ser uma dessas que até parecem comuns, usam sapatilhas, shorts, casaquinhos e tiaras, muitas tiaras estão na minha lista de 2009.

Vou correr 5 kms por dia, pelo menos. Vou assistir ao último capítulo da Favorita, mas não vou enlouquecer com Big Brother. Vou dançar mais, tomar sol com protetor solar, tomar mais sol ainda — já que com protetor não queima nada.

Vou fugir do trânsito, não sei como, mas vou. Se posso ganhar muito e trabalhar pouco, pesar leve e comer pesado, por que não posso fugir do trânsito? Vou sim, claro, vou fugir total dessa peste moderna que é o trânsito.

Talvez ouvindo música... Vou descobrir novos CDs, novas bandas, vou aprender a usar Ipod, Iphone, Itudo, Youtube, Youtudo. I, you, us. Vou aprimorar meu inglês, que tô precisando.

Vou aprender a usar o GPS, talvez até aprenda a nadar. Posso aprender a dançar também, né?

Vou me agarrar muito no meu maridinho-delícia, apertar e abraçar, mas só até o primeiro minuto sem ar. Depois, solto e vou ali, comprar um pão quentinho ou um sorvete rochinha.
Vou curtir a família, os amigos, esquecer os inimigos (quem?), e curtir a mim mesma. Mas vou parar antes de cansar. Quando cansar vou ao cinema, vou assistir a todos os filmes lançados em 2009, vou assistir ao Oscar, vou viajar até Hollywood, ou não, não. Vou viajar pra outros lugares, melhores. Vou ver novas paisagens, experimentar comidas diferentes, ouvir outras línguas. Mas beijar, beijar só aquela língua velha conhecida, claro. E manter os amigos antigos, preservando o que já existe, incluindo a fauna e a flora. Não a da novela, não. Essa vou eliminar no primeiro mês, cruzes, que estejam em extinção as pessoas como Flora, eu hein? E as Donatelas também, que de chatice e burrice já basta, né?

Em 2009, pretendo pegar os faróis sempre verdes, não manobrar muito o carro, e não hei de errar a previsão do tempo. Não, nada de me encapotar numa manhã fria que ela há de se transformar numa tarde quente, isso já aprendi em 1993, não sei por que insisto.

Também quero me atrasar menos para os compromissos, ser uma pessoa mais pontual, manter-me honesta, devolver o que eu achar e segurar o elevador pra quem chega. Além, claro, de dar passagem no trânsito mais vezes (que trânsito? Eu não vou pegar trânsito) e de jogar o lixo sempre no lugar certo, mesmo que ele não seja nem plástico, nem papel e nem vidro. Talvez eu crie uma lata de “outros” para resolver isso.

Eu sei, não vou criar uma vacina importante, nem uma alternativa de energia para o mundo. Talvez eu não crie mesmo um best-seller, eu sei. Se eu criar uma lata de "outros", e algumas possibilidades novas, no meu pequeno grande mundo, já estará de bom tamanho – o que quer dizer PP ou P. No máximo, no máximo um M.


Comentários

Ana, simplesmente incrível! Para começar o ano do Crônica em grande estilo mesmo (neste caso GG).:)
Ana, essa foi a melhor, a mais graciosa, a mais bem-humorada e a mais sonhadora lista de intenções para um ano novo que eu conheci. :) Que a sucessão dos 365 dias de 2009 seja tão deliciosa quanto a sucessão das 598 palavras dessa sua crônica.
cArLa disse…
Gostei de todas as suas resoluções para 2009. O que eu desejo é que continue a escrever tão bem e a nos presentear com seus textos.
Ahhh... que bom seria se eu pudesse proovar as rochinhas
Fernando Araújo disse…
Ana, ganhou um fã. Sinto-me leve após ler e reler suas crônicas. Um mês já se passou de 2009, mas ainda sim incluirei na minha lista de metas, acompanhar sempre que possível seus textos. Um abraço.

Fernando Araújo

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …