Pular para o conteúdo principal

SENTINELA >> Carla Dias >>

Que o mundo me confunde quando cenário das investidas de desnaturadas pessoas e seus sentimentos amontoadinhos, amontoadinhos... Em corações socorridos pelas desilusões e visões distorcidas. E sei que, do lado de lá ou acerca de alguma curva por aí, alguém pensa a mesmíssima coisa e eu estou incluída nessa leva de pessoas. É como olhar/ser o verso ao avesso ou o revés do contrário, mas chegar ao mesmo lugar, enquanto lá já estava, e chegar sem memória e repetir o erro, mas sabe lá se é erro ou acerto; partir sem se despedir do feito.

E veja que também ando sem saber dizer o que deve ser dito; cabisbaixa, sem saber sentir o que deve ser sentido; com vontade visceral de colo, cafuné, proteção, e de gritar borboletas para que elas voem pra bem longe carregando esse grito - que é pedido de encantamento. Desejo lânguido de esse grito se enroscar nos cabelos de quem outro seja lá. Provocar gargalhadas miúdas no som, como se estivessem escondidas da tristeza.

Houvesse manual para desenfiar o pé das dúvidas, acredite, eu não saberia utilizá-lo.

E que me vem Manoel de Barros: “Com pedaços de mim invento um ser atônito”.



A T Ô N I T O ** // SER?



Já pensei que não sou, por isso tantas coisas acontecendo sem realmente acontecer. Se eu não sou o ser que sou, quem é? Quem quer? Quem me será?

Mas voltando ao mundo, ele que vem me deixando cada vez mais reticente ao abrigar transeuntes seduzidos por enganos dos descabelados, porque, desculpe, mas em nome dos santos, dos deuses, de Deus, não se humilha, vocifera, trucida... Isso é coisa de gente ser humano desprovido de humanidade mesmo! Ao menos, creio eu, em uma das poucas certezas que tenho, penso que amar acolhe compreensão, tolerância, capacidade de se sentar ao lado do outro e permitir que a conversa seja clara, justa. Penso que delegar ao outro, aos santos, aos deuses, ao Deus a autoria da nossa crueldade, é das mais altas sacanagens e, além do mais, não cola.

Esse mundo que nem alcanço num abraço, do qual conheço tão pouco, pouquinho que só; por onde vagueiam meus pensamentos, através dos postais e álbuns virtuais daqueles que foram até lá conferir a beleza, a vastidão e a realidade que é diferente da minha. Nele também caminham os desorientados, que embrulham abismos para presentear aos que lhe desafiam. Nele e logo aqui, bem do lado... Se olhar pela janela, vai saber se não os alcanço.

Alcanço você?

E se olhar para mim? Para dentro do dentro do dentro? Quais olhares eu encontrarei? Que mundo verterei aos berros?

Quando criança, eu achava que o mundo era um lugar onde eu não estava; que somente quando pudesse tomar ônibus sozinha eu o encontraria. Que no dia em que minha mãe fizesse minhas malas, e me mandasse cair no mundo, eu saberia da sensação de assoprar os cabelos dele, como o vento fazendo um campo inteiro de trigo dançar ao seu toque.

A gente acha cada coisa quando é criança, não? Cada coisa boa de se achar.

Além do mais, pela minha mãe eu ainda moraria com ela, que nunca teve mala e chorou no dia que saí de casa... E já nem era mais criança.

Mas confesso que, da menina querendo embarcar nessa aventura de mundo, resta tanto que, vez ou outra, eu me encaro no espelho da infância. Ainda espero, sentada no banco do ponto de ônibus, aquele que pare para que eu embarque nessa jornada. E essa sensação me faz crer que, apesar das ações descabidas de muitos de nós, detalhadamente noticiadas pelos jornais, telejornais, revistas, fofocas na hora do café da tarde, o mundo abriga pessoas capazes de atos dignos, de afetos legítimos, de assumirem a autoria de suas próprias vidas e receberem dos outros, dos santos, dos deuses e do Deus somente o que realmente a eles cabe oferecer.

E aceitar tais oferendas é celebrar a legitimidade de quem somos nesse mundo.


Imagem: www.unprofound.com por Michael Anthony



Comentários

Carlos Vilarinho disse…
Gostei de SENTINELA. PARABÉNS.
Carla, lembrei de um vídeo que você até talvez já conheça: http://br.youtube.com/watch?v=Us-TVg40ExM

Desejo que você faça essas viagens todas que sua criança deseja. :)

Nesses seus desejos, você já reparou como sua linguagem se enrodilha? Tem impenetrabilidade e força gravitacional de bebê que quer voltar para o útero. Se a gente ler com atenção mediana, corre até o risco de nem entender. :)
Carla Dias disse…
Carlos: Obrigada pela visita!

Eduardo: Eu não conhecia esse vídeo, tampouco esse projeto. E não houve como não me encantar com a forma que tomou essa música que, desde que a ouvi pela primeira vez, mora na minha alma.
‘Enrodilha’ é um jeitinho bonitinho de dizer que não chega a lugar algum, de tão atrapalhado que é. Nem mesmo eu entendi tudo, mas como o próprio texto prega: ando sem saber dizer o que deve ser dito, imagina escrever!
Enfim, vou me esforçar pra ser mais clara, mesmo quando a vontade de perder palavra em labirintos me cutucar os sentidos : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …