Pular para o conteúdo principal

VENCEDORES EMOCIONADOS >> Maurício Cintrão

Neto é o nome conhecido do João, garção profissional, brincalhão por natureza, guerreiro por força dos acontecimentos. Enquanto eu reclamava da vida e da falta de tempo nos últimos anos, esse piauiense que adotou as terras paulistas como suas estudava sobre o pequeno balcão da copa da empresa.

Eu aqui, meio calado a meu canto, um pouco por desengano, outro tanto por perplexidade. Patinava a embreagem em busca de um fio de meada que permitisse voltar a tecer textos com a mesma sem cerimônia de antes. Perda de tempo a que o Neto não se deu ao luxo. Venceu a falta de tempo, o cansaço e o dinheiro curto superando textos e mais textos de seus cursos.

E nem posso creditar a terceiros a façanha de conhecer a evolução desse rapaz. Entre um café e outro, pude acompanhar de perto a sucessão de vitórias do garção, que superou o supletivo, passou com destaque na prova do Enen e entrou na Faculdade de Letras. Eu deveria ter aprendido a lição mais cedo. Mas nunca é tarde para recomeçar. E eu recomeço humildemente diante desse exemplo que só serve para aumentar a minha certeza no futuro.

Neto escondia sob a bandeja um grande segredo: quer ser professor universitário. E ele sabe que não vai ser fácil. Mas para esse sonhador desavergonhado vai chegar lá com o mesmo sorriso simpático do cotidiano. Sorte de seus alunos, porque terão a chance de aprender com quem sofreu muito para aprender a ensinar. E que com certeza será um excelente mestre.

Pois o ensinar ele já pratica entre nós, seus colegas de trabalho. Bobos que somos muitos de nós, que reclamamos sem motivo importante, enquanto a vida vai sendo construída por sujeitos determinados como o Netinho. Pudera este país ter mais gente como ele. Porque houve incentivo dos colegas de trabalho, sim, mas o maior incentivador do Neto foi ele mesmo. Sem a sua vontade, os momentos difíceis não seriam superados.

Afinal, no cotidiano, as dificuldades aparecem quando ninguém está por perto. A trava da evolução pessoal não está na falta de estímulos externos, mas na voracidade do desencanto e da baixa auto-estima. Esse talvez seja um desafio para todos nós que pensamos cultura e pensamos na formação das novas gerações. Como fazer para que outros jovens não desistam? Como fazer florescer os Netos que aguardam suas chances?

Essa, aliás, é uma boa pergunta para o futuro bacharel em Letras. Um desafio até, se ele me permite, para o futuro professor. Como fazer para que outros garçãos aproveitem a hora vaga com os livros? Talvez ele já tenha resposta. Talvez ainda esteja aprendendo os caminhos para responder. O certo é que ele já passou pelo portal que separa os chorões dos vencedores emocionados.

Comentários

TIO BETO disse…
Pois e, Mano...
Tenho um exemplo aqui em casa.
Um "barzeiro"(barman)... um rapaz falante, garboso, com moral e brio... que atraves de uma amiga foi apresentado a uma morena linda, estudante universitaria, no ultimo ano de publicidade, que lhe brilhou nos olhos. Começou a namorar e viu que precisava evoluir para te-la para sempre.
Com o auxilio dela, estudou, prestou vestibular, e hoje cursa a faculdade de Relaçoes Publicas no seu primeiro ano.
Qdo falo dele, lembro do nosso velho, "o caxeirinho viajante" que mostrou a todos e a ele que era capaz.
Ele se fez...
ele nos fez...
Sempre atras de cada realizaçao existe uma motivaçao.
Que bom que voce voltou a escrever.
Estava com saudades.
Um abraço pra ti e lembra que sempre estou aqui!
Pro qui der ou vier!
Beto
Eita saudade desse cronista fujão! Sou desde já grato ao João que, além de vencedor na vida, é também inspirador e operou essa maravilha do retorno do Maurício Cintrão às segundas-feiras.
Marisa Nascimento disse…
E vencer só existe para aqueles que mostram a cara sem medo de perder. São as antíteses da vida. Há os que preferem carregar uma vida de reclamações como desculpa por não ter obtido uma vitória, cuja conquista é incerta até o alcance dela. Que o mundo possa formar mais guerreiros...
Carla Dias disse…
Saudade de te ler!

E gostei muito da sua reestréia, viu?

Não é fantástico quando uma pessoa consegue inspirar as outras? E quando nos permitimos inspirar, então...

Acredito que nesse mundão há muitas pessoas como o Neto. Acho até que, a despeito da tristeza que nos toma quando de cara com malfeitorias (dos outros e as nossas próprias), não há nada como aquele deleite de encontrar alguém que nos mostre a construção diária que é viver, superando obstáculos e nos fazendo perceber a dimensão dos próprios problemas. Digo, quando os tornamos maior do que são.

Sorte pro Neto!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …